Nervo radial: o que é, por onde passa e funciona

Oi. Dobre seu pulso. Ele abre os dedos. Você provavelmente poderia ter feito isso facilmente. E isso porque seu cérebro enviou as informações relevantes para os músculos de seu braço, pulso e mão. Essa transmissão era realizada por meio de uma série de nervos, que conectam o restante do sistema nervoso aos músculos. Um deles, de grande importância para a movimentação e sensibilidade dos membros, é o nervo radial. É sobre esse nervo que falaremos a seguir.

    O nervo radial: descrição e localização

    É denominado nervo radial, um dos feixes de fibras nervosas mais importantes no controle dos membros superiores, sendo um nervo periférico do sistema nervoso autônomo.


    É um dos três principais nervos que inervam os membros superiores, com nervos ulnar e médio.

    O nervo radial inerva músculos tão relevantes quanto o tríceps ou ancona, ou o braquial e o braquiorradial. Além disso, entre outros, os extensores dos dedos, incluindo o indicador e o polegar. É, portanto, um nervo de grande importância para os seres humanos. Mas não só isso, também tem conexões com os nervos da pele e permite sensibilidade e percepção tátil na área de inervação.

      As áreas por onde passa e seus dois ramos principais

      O nervo em questão se origina no plexo braquial, logo atrás da artéria axilar. Depois disso, passe pela axila, depois desça pelo braço e antebraço, mãos e dedos. Também deve ser notado que existem dois nervos radiais, um em cada uma das metades do corpo.

      Ele cruza o compartimento anterior do braço, passando ao redor do sulco espiral do úmero (a ruptura pode afetar o nervo) e depois cruza o cotovelo e atinge o antebraço, onde se dividirá em um ramo raso e outro profundo.

      O ramo profundo passa pelo músculo supinador, entra no antebraço e atinge o punho por trás. Este ramo está relacionado à percepção muscular e à capacidade de alongar e alongar os músculos inervados.

      O ramo superficial do nervo radial atua ao nível da pele, afetando a sensibilidade dos membros superiores. Este é subdividido em três nervos cutâneos: posterior do braço, posterior do antebraço e lateral do braço. Também é útil. Este ramo permite a percepção cutânea da parte posterior do antebraço, parte superior do braço, dorso da mão e primeiros quatro dedos.

      Funções deste nervo

      Nossos braços e principalmente nossas mãos são elementos fundamentais para o ser humano, pois graças a eles podemos desenvolver um grande número de atividades, desde a defesa ou alimentação até a fabricação de complexos instrumentos e tecnologias. Seu controle é, portanto, de grande relevância.

      As funções do nervo gen radial são muito amplas e destaca o fato interessante de que ele desempenha um papel tanto na percepção sensorial quanto no controle motor.

      No nível sensorial, permite a sensibilidade e percepção da parte de trás do braço e do antebraço, incluindo os cotovelos e pulsos, bem como parte da mão (permite especificamente a sensibilidade do dorso da mão) e uma grande parte da os dedos (exceto pequenos e parte do anel).

      Ao nível motor, permite a extensão dos dedos, punho e braço. Sua ação é particularmente relevante no antebraço posterior, Inervando os músculos do compartimento posterior (permitindo a extensão do punho e dos dedos) do braço (inervando o tríceps braquial).

      Lesões radiais

      Considerando as funções gerais deste nervo, pode ser fácil adivinhar os efeitos que sua lesão pode ter: perda de sensibilidade em grande parte da região posterior do braço, no dorso da mão e até nos dedos e a perda da cidade para fazer muito movimento.

      Se esse nervo for lesado na axila, a capacidade de estender o braço, punho ou dedos é perdida, deixando o tríceps e outros nervos paralisados, bem como a percepção não tátil de grande parte do braço e das costas. .

      Caso a lesão ocorra ao nível do úmero, haverá diminuição da força do tríceps e do punho e os dedos não poderão mais se estender e a percepção do dorso da mão, punho e parte de trás do antebraço. Também chamada de queda geral do punho, que leva à perda de coordenação e dificuldade para fechar a mão.

      Se a lesão ocorrer no ramo superficial, a capacidade de mover toda a área permanecerá intacta, mas a sensibilidade do pulso, da mão e dos dedos será perdida.

      Essas alterações podem ocorrer devido a um grande número de fatores e produzir seja para lacerações e lesões, problemas de beliscões ou mielinização. Exemplos de elementos que podem causá-los são neuropatias como diabetes, fraturas do úmero ou rádio, luxações, intoxicação, pressão no punho, encantamento contínuo e falta de movimento ou inflamação.

      Referências bibliográficas:

      • Brazis, P., Biller, J. e Masdeu, J. (Eds) (2007). Nervos periféricos. In: Localização em neurologia clínica: 27-72. Filadélfia: Lippincott Williams e Wilkins.
      • Ricci, FP, Barbosa, RI, Elui, VM, Barbieri, CH, Mazzer, N. & Fonseca, MC (2015). Lesão do nervo radial associada à fratura da diáfise do úmero: estudo retrospectivo. Acta Ortop Bras, 23 (1): 19-21.

      Deixe um comentário