É o diálogo químico entre seu cérebro e seu estômago

Sabemos que o cérebro é o principal componente responsável por controlar e gerenciar todos os processos que ocorrem em nosso corpo. Mas a verdade é que outros sistemas também são muito importantes para mantê-lo e têm o potencial de influenciar seus negócios.

Um exemplo é o sistema digestivo, por meio do qual podemos obter os nutrientes de que precisamos para nos manter vivos. O cérebro e o estômago estão ligados e se comunicam através dos impulsos nervosos e da transmissão de produtos químicos.


    Divisões funcionais do sistema nervoso

    Quando falamos sobre o sistema nervoso, geralmente o dividimos em um sistema nervoso central, em que encontramos principalmente o cérebro e a medula espinhal, E o sistema nervoso periférico ou autônomo, que corresponderia ao conjunto de gânglios e nervos que inervam os vários órgãos e transmitem informações dos órgãos ao cérebro e vice-versa.

    No sistema nervoso autônomo, geralmente identificamos dois subsistemas básicos, o simpático e o parassimpático, Que são responsáveis ​​por gerenciar todas as atividades que o corpo realiza fora de nossa consciência e preparar nosso corpo para enfrentar situações perigosas (ou diminuir a ativação após esta situação).

    Contudo, existe um terceiro subsistema do sistema nervoso autônomo, pouco estudado e muitas vezes esquecido, apesar de sua enorme importância para a sobrevivência. É o sistema nervoso entérico, parte do nosso corpo ligada ao fascinante fenômeno do diálogo entre as vísceras e o cérebro.

      O sistema nervoso entérico

      O sistema nervoso entérico é de fundamental importância na sobrevivência do organismo. São todas as fibras nervosas que inervam e controlam o funcionamento do sistema digestivo. Controla aspectos como o movimento dos músculos do trato digestivo que permitem que os alimentos cheguem ao estômago, a secreção de ácidos e enzimas que dissolvem os alimentos, a absorção de nutrientes e a expulsão de resíduos.

      este sistema é feito de milhões de neurônios (Em quantidade semelhante à da medula espinhal) distribuída por todo o trato digestivo e embora seja influenciada pelos sistemas simpático e parassimpático, é controlada pelos gânglios entéricos de forma parcialmente independente, agindo reflexivamente. Não em vão, o sistema digestivo às vezes é chamado de segundo cérebro.

      Neste sistema também um grande número de hormônios e neurotransmissores podem ser encontrados (Partículas que atuam como mensageiros entre os neurônios), como a serotonina (a maior parte das quais apresentamos ao nosso corpo é encontrada e é sintetizada neste sistema, embora também seja produzida pelo cérebro), dopamina, substância P ou GABA entre muitas outras .

      Esses neurotransmissores são regulados pelo próprio sistema entérico, embora haja influência neste sistema pelos do próprio sistema central.

        Comunicação nervo cérebro-estômago

        Embora tenha alguma independência, o sistema entérico e o sistema nervoso central estão ligados, e alguns nervos do sistema nervoso central estão ligados a diferentes órgãos do trato digestivo.

        O nervo vago é o principal meio de comunicação nervosa entre o cérebro e o sistema digestivo. Este nervo é de grande importância em diferentes sistemas corporais; no caso do estômago, descobriu-se que ocorre uma comunicação bidirecional em que, de fato, a quantidade de informações que vai do estômago para o cérebro é maior do que a que vai do cérebro para o estômago.

        Que há uma transmissão maior de informações do estômago para o cérebro do que o contrário isso se deve à necessidade de controlar a ingestão. O comportamento alimentar é regido pelo cérebro, o que faz com que o cérebro receba informações sobre o bom ou mau funcionamento do sistema digestivo ou se o consumo é prejudicial ou benéfico para nós, bem como se o nível de consumo é excessivo (sensação de saciedade e fome )

        Ainda o preguiçoso ajuda a controlar a atividade intestinal especialmente quando o corpo está sob estresse ou perigo. Nessa situação, o sistema simpático ajuda a interromper o funcionamento do sistema digestivo. Quando a situação perigosa passa, é o nervo vago o principal responsável por reativar seu funcionamento, agindo no nível parassimpático. Também participa da emissão de bile.

        Além disso, embora o sistema entérico seja capaz de sintetizar e gerenciar neurotransmissores, ele também é afetado pela função cerebral. Situações que geram estresse ou ansiedade afetam o sistema nervoso entérico e sua motilidade, bem como desequilíbrios neuroquímicos, como os que ocorrem durante a depressão. Alguns dos hormônios envolvidos nessa relação entre o cérebro e o sistema digestivo são a serotonina, a norepinefrina e a dopamina. Também acetilcolina, sendo importante, por exemplo, no funcionamento do nervo vago.

        Talvez você se interesse em: “Vamos sortear 5 exemplares do livro” Psicologicamente falando “!

        O papel da flora intestinal na comunicação

        Além do papel da condução nervosa e neurotransmissores, a flora intestinal também tem um efeito na comunicação entre o sistema nervoso entérico e o sistema nervoso central.

        Os microrganismos que habitam nosso trato digestivo têm influência quando o sistema entérico sinaliza o bom ou mau estado do sistema no cérebro, por meio da modificação da secreção de neurotransmissores. Da mesma forma, afeta o funcionamento do sistema imunológico, o que por sua vez gera um efeito indireto no comportamento e no estado de saúde.

        Várias pesquisas com roedores também refletem o funcionamento do sistema digestivo e da flora e fauna intestinal. eles podem até ter um efeito no comportamento por variações na estrutura e função do cérebro, modificando as respostas a certos neurotransmissores.

        Efeitos da comunicação entre o cérebro e o sistema digestivo

        O fato de o cérebro e o sistema digestivo estarem conectados é de grande importância e tem implicações muito relevantes. E existe uma influência do sistema digestivo no funcionamento do cérebro e vice-versa.

        A presença de distúrbios intestinais pode estar relacionada a aspectos como ansiedadeE já foi demonstrado que a presença de transtornos de ansiedade ou depressão pode levar ao agravamento ou mesmo ao aparecimento de transtornos digestivos, como úlcera péptica ou síndrome do intestino irritável.

        Foi até detectado que alguns dos microrganismos que revestem nosso sistema digestivo podem gerar substâncias antioxidantes e antiinflamatórias que podem afetar positivamente nosso cérebro, estimular células protetoras chamadas astrócitos e retardar a neurodegeneração. Isso pode valer a pena fazer mais pesquisas sobre esses efeitos.

        Mas ainda hoje é comum que entre as várias orientações recomendadas em certos transtornos mentais apareçam menções de aspectos dietéticos e dietéticos como reduzindo o consumo de certas substâncias ou monitorando dietas específico (por exemplo, aumentando o nível de triptofano consumido, que por sua vez está ligado à secreção de neurotransmissores).

        Referências bibliográficas:

        • Guyton, AC (2001), Tratado de fisiologia médica. (10ª ed.), Ed. Interamericano McGraw-Hill.

        • Mirre, JC (2012). A importância do segundo cérebro. Olá, descoberta, 147.

        • Rothhammer, V. et al. (2016). Os interferons do tipo I e os metabólitos do triptofano microbiano modulam a atividade dos astrócitos e a inflamação do sistema nervoso central por meio do receptor de hidrocarboneto de arila. Medicina natural, 22; 586-597.

        Deixe um comentário