As 5 principais tecnologias para estudar o cérebro

O cérebro humano é um mistério, mas também é um dos mistérios que mais despertou interesse ao longo da história.

Afinal, há milênios se sabe que é nele que surgem os pensamentos, os sentimentos, as sensações subjetivas e a autoconsciência. Além disso, esse conjunto de órgãos é tão complexo que até recentemente quem queria estudar só podia fazê-lo de forma passiva e indireta, ou seja, examinar o cérebro de pessoas que já morreram e tentar relacionar os sintomas que essa pessoa estava expressando. . a anatomia de seus órgãos nervosos.


Quais tecnologias são usadas para estudar o cérebro e o sistema nervoso?

Isso tinha desvantagens óbvias: esse tipo de informação também não podia ser contrastado com o que era observado no comportamento da pessoa em tempo real (o que significava, entre outras coisas, que dados úteis não podiam ser obtidos para o tratamento de pacientes). estudar a atividade cerebral, presente apenas em pessoas vivas. Este último é muito relevante, uma vez que o cérebro é parcialmente formado pela atividade que contém: as características da dinâmica do funcionamento nervoso de cada um modificam a anatomia do cérebro.

Felizmente. Hoje em dia existem tecnologias que permitem estudar não apenas a anatomia do cérebro de pessoas vivas e conscientes, Mas também seu funcionamento e atividade em tempo real. Essas novas técnicas são a encelografia (EGG), a tomografia computadorizada (TC), a tomografia por emissão de pósitrons (ou PET), a angiografia e a ressonância magnética funcional (fMRI). A seguir veremos as características de cada um desses sistemas.

1. Eletroencefalografia, EEG

É um dos primeiros métodos desenvolvidos para “ler” a atividade cerebral, ou seja, os padrões de gatilhos elétricos que passam por ele. A técnica é relativamente simples e envolve deixar eletrodos presos ao couro cabeludo da pessoa para que ela capte os impulsos elétricos logo abaixo para enviar essa informação a uma máquina. A máquina coleta esses dados e os expressa como linhas e picos de atividade usando um plotter gráfico, bem como os sismógrafos que medem a intensidade dos terremotos. Este registro de atividades é chamado de encefalograma.

O EEG é muito simples e versátil, portanto, pode ser usado para medir a atividade de alguns neurônios ou de áreas maiores do córtex cerebral. É amplamente utilizado para estudar casos de epilepsia, bem como ondas cerebrais do sono, mas por não ser muito preciso, não nos permite saber exatamente em que parte do cérebro esses padrões de ativação são iniciados. Além disso, saber interpretar a encefalografia é complicado e requer bom treinamento e supervisão para fazê-lo.

2. Tomografia computadorizada, tomografia computadorizada

a tomografia computadorizada (TC)Ao contrário da encefalografia, ela nos dá uma imagem do cérebro e de sua anatomia vista de diferentes ângulos, mas não de sua atividade. É por isso que é usado principalmente para estudar as formas e proporções de diferentes partes do cérebro em um determinado momento.

3. Tomografia por emissão de pósitrons ou PET

Este tipo de tomografia se é usado para estudar a atividade cerebral em áreas específicas do cérebro, embora indiretamente. Para aplicar essa técnica, uma substância ligeiramente radioativa é primeiro injetada na corrente sanguínea da pessoa, que deixará um rastro de radiação por onde passar. Então, determinados sensores irão detectar em tempo real quais áreas do cérebro são as que mais monopolizam a radiação, o que pode indicar que essas áreas estão absorvendo mais sangue porque, justamente, permanecem mais ativas.

A partir desta informação uma tela recria a imagem de um cérebro com as áreas mais ativadas marcadas.

4. Angiografia

a angiografia parece um pouco com PET, embora neste caso algum tipo de tinta seja injetado no sangue. Além disso, a tinta não se acumula por um período de tempo nas áreas mais ativadas do cérebro, ao contrário da radiação, e permanece circulando nos vasos sanguíneos até que desapareça. Portanto, não permite obter uma imagem do cérebro. atividade e se de sua estrutura e anatomia.

É usado em particular para detectar áreas doentes do cérebro.

5. Imagem de ressonância magnética (MRI e fMRI)

tanto o Imagem de ressonância magnética como sua versão “ampliada”, a ressonância magnética funcional, ou fMRI, são duas das técnicas mais populares para estudar o cérebro em pesquisas relacionadas à psicologia e à neurociência.

Sua operação é baseada em o uso de ondas de rádio em um campo magnético no qual está inserida a cabeça da pessoa em questão.

Os limites dessas técnicas

O uso dessas tecnologias tem desvantagens. O mais óbvio é o seu custo: as máquinas necessárias para seu uso são muito caras, e a isso deve ser adicionado o custo de oportunidade de ter um espaço reservado para uma clínica e de ter pelo menos uma pessoa altamente qualificada para dirigir o processo.

Além disso, as informações relacionadas a quais partes do cérebro são ativadas nem sempre fornecem muitas informações, pois cada cérebro é único. Isso significa que só porque parte do córtex cerebral “liga” não significa necessariamente que a parte responsável pela função X foi ativada.

Deixe um comentário