As 4 diferenças entre sensação e percepção

Quais são as diferenças entre sensação e percepção? Resolver essa questão é um pouco mais complicado do que parece porque, para começar, a ideia do que é sensação e o que é percepção é trocada na linguagem popular.

Da psicologia experimental há um fascínio especial por esses dois fenômenos, muitas vezes estudados nos laboratórios de todas as faculdades de ciências comportamentais.


Abaixo vamos descobrir quais são os verdadeiros significados desses dois termos para que possamos ver claramente quais são eles. as principais diferenças entre sensação e percepção e entender suas peculiaridades.

    Como distinguir sensação e percepção

    As palavras “sentimento” e “percepção” são bem conhecidas na linguagem cotidiana. Se estivéssemos andando na rua e parássemos alguém para nos pedir para definir esses dois termos, eles certamente nos diriam que a sensação é a interpretação subjetiva de um estímulo ambiental enquanto a percepção seria o simples ato de perceber tal estímulo. . Eu não estaria muito errado, exceto pelo menor detalhe que teria confundido a definição dos dois termos.

    Em ciência, a sensação é a parte objetiva e a percepção a parte subjetiva do processo sensório-perceptivo. A sensação corresponde aos órgãos sensoriais, que captam estímulos físicos “puros”, os transformam em impulsos nervosos e os enviam ao cérebro onde ocorrerá a percepção, ou seja, a interpretação de tais estímulos e a associação com conhecimentos prévios, emoções…

    Com este breve esclarecimento de que a percepção é na verdade sensação e vice-versa, já introduzimos um pouco uma de suas principais diferenças. No entanto, para entendê-los mais profundamente, primeiro definiremos mais profundamente o que entendemos por sensação e percepção a partir da psicologia experimental.

      Qual é o sentimento?

      Como mencionado, a sensação é comumente entendida como a experiência subjetiva associada a um estímulo. Vemos a prova disso em construções gramaticais tão cotidianas como “tenho a sensação de…”, denotando certa margem de opinião e subjetividade (por exemplo, dá-me a sensação de que é uma cor quente, cuja a sensação muito salgada…)

      Na ciência, ao contrário, a sensação é objetiva. Refere-se à captura de um estímulo físico, sem interpretações subjetivas entre. Envolve receber um estímulo, registrá-lo e codificar a informação nos órgãos sensoriais para que ela viaje pelas vias neurais ou nervos e chegue ao cérebro.

      Por exemplo, se virmos uma flor no campo, parte da sensação seria que a imagem dessa flor (luz) viajaria até nossas células da retina e a capturaria em diferentes comprimentos de onda. Os bastonetes e cones da retina transformariam esse estímulo físico em impulsos nervosos, que viajariam para áreas do cérebro responsáveis ​​pela informação visual. O, a informação seria processada e daria a interpretação de que é uma flor, mais ou menos bonita. Este último passo seria a percepção.

      O processo que dá origem à sensação pode ser descrito da seguinte forma:

      1. Estimulação física

      estimulação física é matéria ou energia que afeta um órgão sensorial. Por exemplo: som, luz, química, eletricidade, calor…

      2. Resposta Fisiológica

      A resposta fisiológica no processo de sensação refere-se à conjunto de atividades no nível dos órgãos sensoriais que convertem o estímulo em impulsos elétricos atravessar os nervos e chegar ao sistema nervoso central.

        3. Experiência sensorial

        A experiência sensorial é a experiência psicológica, subjetiva e individual do estímulo.. Isso faz parte do processo de percepção.

        As sensações diferem qualitativa e quantitativamente. Eles o fazem qualitativamente no sentido de que encontramos diferentes tipos de sensações captadas por diferentes órgãos: visuais, gustativas, olfativas, táteis, acústicas, dolorosas… como o volume de um som, a luminosidade de uma fonte de luz, a dureza de uma textura…

        O que é percepção?

        Já discutimos isso, mas vamos nos concentrar nessa ideia para torná-la mais clara. Na psicologia básica, A percepção é entendida como um processo subjetivo, uma interpretação complexa da realidade. É o processo de construção e atribuição de significado aos estímulos físicos que o corpo captou, como seria o caso quando vemos uma flor ou ouvimos uma bela canção. Sem esse processo, a captura de estímulos ficaria por conta própria, fenômenos físicos parecendo isolados uns dos outros.

        A percepção é como um indivíduo experimenta a realidade. Estas são as interpretações processadas pelo cérebro informação capturada pela sensação, informação sensorial bruta capturada do ambiente. Essas interpretações são influenciadas pela interação de três fatores:

        • Experiências anteriores
        • Conhecimento atual
        • Processos inatos

        A percepção sempre despertou fascínio na psicologia básica e experimental, em particular porque o funcionamento do nosso aparato perceptivo determina a imagem do mundo que construímos. Desde a antiguidade, os filósofos se perguntam como a mente conhece, percebe e processa sua realidade, dando origem a todo tipo de reflexões sobre a relação entre o mundo real, objetivo e a percepção, subjetiva.

          Principais diferenças entre sensação e percepção

          Agora que entendemos o que são sensação e percepção, é hora de deixá-los ir e seguir em frente. Basicamente, podemos destacar quatro deles:

          1. Reação contra. elaboração

          A sensação é uma reação, enquanto a percepção é uma elaboração. A experiência sensorial é a reação a estímulos físicos, internos ou externos, captados pelos órgãos sensoriais.

          Em vez disso, a experiência perceptiva é uma elaboração subjetiva de informações capturadas pelos órgãos dos sentidos, com base em interesses, hábitos, memórias e associações de dados. As sensações, para serem transformadas em percepções, exigem que o sistema nervoso central recupere dados mnemônicos (memórias) de experiências passadas para lhes dar significado.

          2. Recepção e adoção

          A sensação envolve receber e capturar a percepção. Com isso queremos dizer que a sensação consiste em receber estímulos físicos “secos”, como sons, imagens, texturas… enquanto a percepção estabelece relações entre eles, interpretando e vendo as características de conjuntos de estímulos e captando seu significado.

            3. Simplicidade vs. complexidade

            A sensação é um processo elementar, causado pela simples incidência de um estímulo nos órgãos receptores. Em vez de, percepção é um fenômeno psicológico muito mais complexoonde várias áreas do cérebro estão envolvidas e onde a informação é processada, integrando-a.

            4. Imediatamente

            A sensação é um processo muito mais imediato do que a percepçãoporque a primeira ocorre diretamente nos órgãos dos sentidos, enquanto a segunda envolve várias etapas: primeiro, que a informação seja codificada nos impulsos nervosos, depois que ela passe pelos nervos e depois chegue a diferentes partes do cérebro onde está localizada será decodificado, interpretado como um tipo particular de informação e dotado de significado.

            Referências bibliográficas

            • Abraira, VE, & Ginty, DD (2013). Neurônios sensoriais de toque. Neurônio, 79, 618-639.
            • Barão, Roberto. Psicologia. México: Prentice Hall, 1996. P. 131 – 133, 135 – 138. DAY, RH. Psicologia da percepção humana. México: ed. Limuse-Wiley, 1973. 227 p.
            • Bertoli Battaglia, S. (2020). Psicologia Vibroenergética. Uma nova chave para compreender a si mesmo e compreender os outros. Lecce: Você pode imprimir.
            • Maffei, A., Haley, M. e Fontanini, A. (2012). Processamento neural de informações gustativas em circuitos insulares. Current Opinion in Neurobiology, 22, 709-716.
            • Milner, AD, & Goodale, MA (2008). Dois sistemas visuais revisados. Neuropsicológica, 46, 774-785.
            • Mizushige, T., Inoue, K., Fushiki, T. (2007). Por que a gordura é tão saborosa? Recepção química de ácidos graxos na língua. Journal of Nutritional Science and Vitaminology, 53, 1–4.
            • Romana Puggelli, F., Quadrio Astarchi, A. (2004). Elementos de psicologia. Milão: Vida e Pensamento.
            • Russo, D., Wanderlingh E. (2008). Psicólogo profissional. Manual de preparação para o exame estadual. Milão: teste alfa

            Deixe um comentário