Área tegmental ventral: anatomia, funções e distúrbios

A área tegmental ventral é uma região do mesencéfalo, Também conhecido como mesencéfalo, é muito importante por seu envolvimento no circuito de reforço, responsável por sensações de prazer e comportamentos motivados. Ele também está envolvido em várias outras funções, enviando projeções para áreas corticais e subcorticais.

Neste artigo, descreveremos as características anatômicas, as principais funções e distúrbios associados à área tegmental ventral. Vamos nos concentrar principalmente no papel que essa estrutura desempenha no sistema de recompensa do cérebro.


    Anatomia da área tegmental ventral

    O conceito de “zona tegmental ventral” refere-se a um conjunto de neurônios localizados na base do mesencéfalo, a região intermediária do tronco cerebral. Em latim, a palavra “tegmento” significa “revestimento” ou “revestimento”; portanto, o nome enfatiza que essa área constitui uma camada de neurônios que cobre o mesencéfalo.

    Quatro núcleos celulares principais foram identificados na área tegmental ventral: o núcleo paranigral, a área parabraquial pigmentada, a área parafascicular retroflexa e o núcleo tegmental rostromedial. Os neurônios dopaminérgicos característicos dessa região do cérebro estão localizados principalmente nas duas primeiras.

    Junto com a substância negra e o campo retroubral, também localizado no mesencéfalo, a zona tegmental contém a maioria dos neurônios dopaminérgicos do cérebro. A dopamina é um neurotransmissor da classe das catecolaminas que participa, entre outras coisas, no aumento da frequência cardíaca e no treinamento por condicionamento.

      Funções desta estrutura

      Neurônios dopaminérgicos na área tegmental ventral eles fazem parte dos sistemas mesocortical e mesolímbico. Enquanto o sistema mesocortical conecta essa região aos lobos frontais, o mesolímbico envia projeções para o nucleus accumbens, uma estrutura fundamental do sistema de recompensa do cérebro, assim como a área tegmental ventral.

      A via mesocortical desempenha um papel fundamental na cognição; permite em particular a chegada aos lobos frontais de informações sobre emoção e motivação. Depois de receber essas entradas, as estruturas cerebrais superiores geram as respostas que serão executadas de acordo.

      No entanto, as principais funções da área tegmental ventral estão associadas ao seu envolvimento no sistema de recompensa do cérebro, também chamado de circuito de reforço, que começa com projeções dopaminérgicas de neurônios dessa região. Este caminho está intimamente relacionado ao sistema mesolímbico.

      O sistema de recompensa do cérebro

      A área tegmental ventral é uma estrutura-chave do sistema de recompensa do cérebro, a base biológica do prazer e da motivação comportamental, como estímulos apetitivos ativam esta região. Assim, o circuito de recompensa está envolvido em múltiplos comportamentos, como os relacionados à alimentação, sexo ou vícios.

      Quando o corpo detecta uma estimulação agradável, a área tegmental ventral envia projeções dopaminérgicas ao núcleo accumbens. O aumento da concentração de neurotransmissores nesta área tem um efeito de reforço no comportamento associado à obtenção de prazer ou satisfação.

      Quando essas entradas chegam ao córtex cerebral, as informações obtidas por meio do circuito de reforço podem ser integradas e gerenciadas por funções cognitivas superiores. É importante destacar a reciprocidade das conexões da área tegmental ventral, Isso permite um feedback contínuo entre esta estrutura e aquelas para as quais ela envia referências.

      desordens associadas

      A pesquisa científica identificou vários distúrbios que ocorrem com alterações nas vias dopaminérgicas, incluindo a área tegmental ventral. Normalmente, esses tipos de distúrbios envolvem as vias mesolímbica e mesocortical, que estão intimamente relacionadas.

      Os distúrbios neuropsicológicos mais comuns atribuídos a problemas estruturais e / ou funcionais na transmissão da dopamina são a doença de Parkinson, transtorno de déficit de atenção e hiperatividade e esquizofrenia.

      Neste último caso, sintomas positivos, como alucinações e delírios, estão associados a alterações na via mesolímbica. As falhas do sistema mesocortical produzem sintomas negativos, consistindo em déficits cognitivos, emocionais e motivacionais.

      Por outro lado, a zona tegmental ventral e o nucleus accumbens são as duas regiões do sistema nervoso em que o drogas e outras substâncias potencialmente viciantes eles têm um efeito mais significativo.

      Álcool, nicotina, cocaína, anfetamina e heroína, entre outros, têm efeitos agonistas da dopamina; isso explica as consequências fisiológicas, motoras e psicológicas do uso dessas substâncias, tanto em curto quanto em longo prazo, incluindo a dependência química.

      Referências bibliográficas:

      • Halliday, G.; Reyes, S. e Double, K. (2012). Matéria escura, zona tegmental ventral e campos retroubrais. In Mai, JK e Paxinos, G. (Eds.), “The Human Nervous System”, 439-55. Nova York: Academic Press.
      • Holstege, G.; Georgiadis, JR; Paans, AM; Meiners, LC; Van Der Graaf, FH & Reinders, AA (2003). Ativação do cérebro durante a ejaculação masculina humana. The Journal of Neuroscience: The Official Journal of the Society for Neuroscience, 23 (27): 9185-93.
      • Ranaldi, R. (2014). A dopamina e a busca por recompensas: o papel da zona tegmental ventral. Journals in Neuroscience, 25 (5): 621-30.

      Deixe um comentário