O que é uma subespécie? Recursos e exemplos

A palavra subespécie é uma categoria taxonômica que, por seu nome, é entendido como abaixo da espécie.

Embora possa parecer um táxon relativamente fácil de entender, é realmente algo bastante complexo, tanto que é até confundido com outros rótulos usados ​​em zoologia, especialmente raça e variedade.


Existem diferenças entre essas três palavras? Existe alguma subespécie na espécie humana? Por que tanta polêmica? Responderemos a todas essas perguntas abaixo.

    O que é uma subespécie?

    De um modo geral, uma subespécie é uma categoria taxonômica que se refere a cada um dos grupos em que uma espécie é encontrada. Esses grupos, além de possuírem as características das espécies em que se encontram, possuem caracteres morfológicos particulares que os diferenciam.

    O termo subespécie é um tanto controverso e difícil de entender sem primeiro entender os conceitos de “raça” e “variedade” em zoologia, termos que às vezes são usados ​​como sinônimos para “subespécie” em zoologia. De um ponto de vista estritamente sistemático, esse táxon estaria a meio caminho entre a espécie e a raça do zoológico ou a variedade botânica.

    Na taxonomia, para designar uma subespécie, a nomenclatura trinominal é usada, ou seja, formada por três palavras. O primeiro, que é genérico, refere-se ao gênero taxonômico. O segundo, o específico, refere-se à espécie. E a terceira, a subespécie, refere-se à subespécie em questão.

    Por exemplo, os cães são uma subespécie chamada Canis lupus familiaris. Canis lupus é a espécie em que se incluem cães e lobos, sendo o “familiar” no que diz respeito ao cão doméstico. Se disséssemos Canis lupus lupus, estaríamos nos referindo ao lobo cinza, o lobo mais comum.

    O que são raças e variedades?

    Como mencionamos, antes de nos aprofundarmos no que é uma subespécie, precisamos entender as diferenças entre raça e variedade, pois esses três conceitos são muito confusos e controversos.

    O que eles certamente têm em comum é que designam um certo tipo de população animal, sempre dentro de uma espécie e que se distingue do resto de seus congêneres por uma característica morfológica visível.

    corrida

    As raças são grupos em que as espécies são subdivididas, levando em consideração suas características fenotípicas, ou seja, aquelas que são externas. Os seres vivos têm um genótipo, que é o conjunto de instruções e códigos genéticos armazenados em nosso DNA, e um fenótipo, que é a parte do genótipo que se manifesta do lado de fora. Ambos são hereditários.

    As raças são uma realidade biológica, mas não são categorias taxonômicas usadas em zoologia. Em outras palavras, cientificamente falando, um grupo de indivíduos não pode ser designado usando a etiqueta de raça, embora tenha valor descritivo.

    Atualmente, sem se afastar do campo da zoologia aplicada a animais não humanos, o termo “raça” é utilizado exclusivamente para animais domésticos.É por isso que falamos de raças de vacas, ovelhas ou cães, mas não raças de leões, águias ou baleias.

    Como é usado para se referir a espécies domésticas. Seu uso geralmente está relacionado a animais que foram selecionados artificialmente, ou seja, suas características físicas são resultado de intervenção humana. Por exemplo, a vaca da Frísia tem seios grandes ou a ovelha tem muita lã graças ao fato de os fazendeiros selecionarem e permitirem que aqueles que atendam a essas características se reproduzam. O mesmo vale para cães de caça e cavalos de corrida.

    De tudo isso é extraído que as raças envolvem características físicas visíveis. Cada raça tem um tamanho, forma, cor do cabelo, formato dos membros, altura e outros aspectos marcantes que os diferenciam dos demais. Isso é facilmente visto ao comparar um Chihuahua com um Dogue Alemão que, embora ambos da mesma espécie, têm características muito diferentes. Mas por mais diferentes que sejam essas raças de cães, se forem cruzadas, darão descendentes férteis. Todos eles compartilham o mesmo perfil genético ou filogenético.

    variedade

    O termo variedade é muito vago e freqüentemente usado como sinônimo de raça, embora não seja.. Quanto à raça, ela não constitui uma categoria taxonômica em zoologia, mas sim em botânica. No mundo vegetal, a palavra “variedade” se refere a uma categoria taxonômica abaixo de “subespécie” e acima de “forma”.

    Até 1961, a variedade era utilizada no mundo da zoologia com o mesmo significado das subespécies. No entanto, é a partir deste ano que a Comissão Internacional de Nomenclatura Zoológica (ICZN) só usará a categoria “subespécie” em “espécies” e não mais.

    Atualmente, e embora não seja mais um táxon zoológico, a palavra variedade é usada em zoologia para constituir uma população de indivíduos de uma espécie que difere de outras congêneres por um único traço morfológico. Isso é diferente da raça, pois as raças envolvem vários traços morfológicos.

    Embora o termo “raça” seja geralmente usado para animais de estimação, a palavra “variedade” é usada para animais selvagens e plantas.. Apesar disso, ambos os termos enfatizam a ideia de que diferentes populações, independentemente da raça ou variedade, sempre manterão o mesmo perfil genético de sua população de referência, ou seja, a espécie como um todo ou a subespécie daquela que é extraída.

    Temos um caso de variedade no caso da pantera negra. A pantera negra não é uma espécie ou subespécie per se, mas uma variedade de leopardo, Tem apenas melanismo, uma condição biológica que causa uma tez excessivamente pigmentada. Panteras e leopardos fazem parte da espécie Panthera pardus. Panteras e leopardos são, morfologicamente falando, idênticos, exceto que os primeiros são completamente negros.

    Subespécie e taxonomia: explorando a questão

    Compreendendo as idéias de raça e variedade, entramos em mais detalhes sobre as subespécies e por que esse termo é controverso. Isso não é surpreendente, pois sua categoria imediatamente acima, espécie, é um termo muito discutido. Embora já seja difícil estabelecer onde uma espécie começa e onde termina, esse mesmo problema com a subespécie se torna mais complicado.. Da mesma forma, ao contrário da variedade e raça, a subespécie é uma categoria taxonômica, como espécie, reino, família ou classe.

    Como mencionamos no início, uma subespécie é um grupo de indivíduos de uma espécie que, além de compartilhar suas próprias características, tem em comum outros caracteres morfológicos que os distinguem de outras subespécies ou populações. Com base nessa definição, pode parecer que a subespécie e a raça são as mesmas, mas não são. Sua diferença fundamental é que na raça a unidade genética fundamental da espécie é mantida, enquanto na subespécie diferentes linhagens genéticas são formadas..

    Você poderia dizer que as subespécies são a etapa anterior para a formação de uma nova espécie, desde que as condições certas sejam atendidas. Normalmente, na natureza, as subespécies da mesma espécie não compartilham território ou se sobrepõem.Assim, não se cruzam, fazendo com que evoluam separadamente a ponto de não conseguirem cruzar e ter descendência híbrida fértil, considerada a linhagem que mostra que não são mais da mesma espécie.

      Todas as espécies têm subespécies?

      Nem todas as espécies têm subespécies. Existem espécies, ditas monotípicas, que não possuem uma subespécie. Ou seja, podem ter raças ou variedades, mas, como já dissemos, todos os indivíduos desta espécie, além de apresentarem uma ou mais diferenças. morfológicas, vêm da mesma linha genética. Um exemplo disso seria a arara-azul (Anodorhynchus hyacinthinus).

      Contudo, as espécies que possuem subespécies sim são chamadas politípicas. Estes possuem populações com diferentes características morfológicas e de diferentes linhagens genéticas. Dentro dessas espécies, a primeira população desta espécie que foi descrita é geralmente conhecida como uma população nominotípica. sendo aquele que dá nome à espécie como um todo.

      Alguns exemplos de espécies politípicas que temos em Canis lupus, tendo Canis lupus familiaris e Canis lupus lupus, ou Panthera tigris (tigre), tendo tigre de Bengala e tigre de Java.

      A controvérsia com o termo subespécie

      A polêmica sobre o termo subespécie reside no fato de que, embora seja uma categoria taxonômica, a forma como se decidiu que se trata de uma subespécie e o que poderia ser considerado uma raça ou variedade foi muito pouco objetiva.

      mesmo se Atualmente, o foco é estudar o perfil genético das populações.Até recentemente, a maneira como se decidia se se era uma subespécie ou não era essencialmente ver como suas características eram diferentes em termos de uma população nominotípica.

      Acontece que quem “descobriu” a subespécie foi quem a descreveu e trouxe à luz, sem deixar de lado a subjetividade, características eles consideraram indicadores suficientes de que esta era uma população muito diferente que já havia sido descoberto.

      Existem muitos exemplos disso. Por exemplo, no caso do Panthera tigris, até 2017, considerava-se que existiam até 9 subespécies deste grande felino. No entanto, nesse mesmo ano, e com base no perfil genético, ficou estabelecido que existiam de facto apenas os dois que discutimos anteriormente: o tigre de Bengala e o tigre de Java. O resto das subespécies antigas podem ser incluídas em uma dessas duas subespécies atuais, ou seja, variedades.

      E quanto aos humanos?

      Graças a escavações paleoantropológicas, foram encontrados restos de hominídeos, o que permitiu entender de onde viemos hoje os seres humanos. Essas descobertas tornaram possível desenhar a árvore evolutiva dos humanosMas eles também geraram incógnitas e controvérsias.

      Até recentemente, considerava-se que os humanos modernos não tinham subespécies. O motivo de termos um nome trinominal, Homo sapiens sapiens, foi a descoberta dos neandertais, considerados uma subespécie do Homo sapiens.

      Contudo, com o tempo, a ideia de que os neandertais eram sapiens foi descartada, Embora seja verdade que eles poderiam cruzar com o primeiro de nossa espécie e ter uma prole fértil. É um verdadeiro debate, porque se eles fossem uma espécie diferente da nossa, como era possível que eles pudessem cruzar conosco? Em teoria, duas espécies são diferentes se seus descendentes geralmente não são férteis ou não conseguem sobreviver até a maturidade sexual.

      Embora os Neandertais não sejam mais considerados Homo sapiens, restos de ossos do que ainda é considerado uma subespécie humana foram descobertos na década de 1990: Homo sapiens idaltu. Se realmente for uma subespécie e não uma raça humana para uma variedade humana, o nome deve ser alterado para nossa linha Homo sapiens sapiens.

      Mas não é tudo isso que gera a pior polêmica no caso do estudo científico da espécie humana. O que gera uma verdadeira controvérsia é se os humanos agora estão subdivididos em raças..

      É claro que os seres humanos não são fisicamente homogêneos. Se pensarmos em um africano, vem-nos à mente uma pessoa de pele escura, lábios grossos e cabelos muito cacheados. Se, por outro lado, tentamos imaginar um asiático, pensamos em alguém de pele mais clara, olhos amendoados e cabelos lisos e escuros. No caso de uma pessoa branca do norte da Europa, pensamos em alguém com pele muito clara, cabelos loiros e olhos azuis.

      Todas essas descrições são muito genéricas e, claramente, dentro de uma única raça, há uma diversidade de características morfológicas. No entanto, está claro que as raças, em sua definição tradicional, existem como categorias para descrever características físicas. Não sabemos quantos são e não podemos dizer onde um “começa” e outro “termina”Além do cruzamento e se duas pessoas de raças diferentes têm um filho infértil, é mais provável que seja devido a problemas médicos não relacionados à raça de seus pais. Para muitas raças, existe uma unidade na linhagem genética dos humanos modernos.

      Apesar de tudo isso, poucos consideram a aceitação disso como racista e que realmente não existem raças dentro da espécie humana. A razão é a história do estudo científico das raças, que começou no século 19 e teve consequências sociais catastróficas, Sendo a causa da segregação racial, da eugenia e do genocídio, embora se deva notar que o racismo não foi “inventado” durante este século.

      O estudo científico das corridas

      Um dos antecedentes mais importantes do estudo científico das raças que temos em A Origem das Espécies, de Charles Darwin. A publicação deste livro coincidiu com a Segunda Revolução Industrial na Europa e na América do Norte.

      Os países anglo-saxões e germânicos alcançaram grandes níveis de desenvolvimento econômico, cultural e social, mudando sua forma de ver o mundo e considerando-os povos superiores. Países brancos eles começaram a “civilizar” outros e têm o direito de explorar. É o surgimento do darwinismo social.

      Por trás dessas ideias se justificava a colonização da África, continente que as potências europeias dividiram como um bolo. Mais tarde, isso motivaria a criação de leis de segregação nos Estados Unidos e a aplicação do apartheid na África do Sul, bem como o lançamento do Holocausto na Alemanha nazista.

      Felizmente, após o fim da Segunda Guerra Mundial, a população dos países ocidentais gradualmente adquiriu uma maior sensibilidade às injustiças raciais. Isso motivou o declínio do estudo científico das raças na década de 1950, o que foi positivo no fim das idéias darwinistas sociais, mas, por sua vez, produziu o efeito radicalmente oposto e separado da evidência biológica: nenhuma raça humana existiu.

      Aspectos biológicos vs construções sócio-culturais

      De acordo com a nova visão, ao invés de usar a palavra “raça”, o termo “etnia” deve ser escolhido. O primeiro se refere a uma realidade biológica, enquanto o segundo se refere a um aspecto sociocultural, que depende da identidade e da história pessoal de cada um.

      Etnia não se refere realmente ao tom da pele ou características físicas, Mas para o idioma, cultura, religião, tradições, roupas e identidade do indivíduo.

      Por exemplo, uma pessoa de ascendência africana que foi adotada por pais suecos, que fala sueco, que se sente sueco, que se veste do oeste, é luterana e se chama Anette Bergquist é, sem dúvida, uma pessoa de origem sueca. Ser afrodescendente não a impede de ser sueca, e sua etnia sueca não a torna mais ou menos negra. As duas realidades são perfeitamente combináveis ​​e ninguém pode dizer que é menos do que tudo.

      Essa mesma ideia pode ser extrapolada para o sexo biológico e a identidade de gênero. O sexo é biológico, determinado pelos cromossomos X e Y. Uma pessoa com cromossomos XX é mulher, enquanto uma pessoa com cromossomos XY é homem. O gênero, por outro lado, é uma construção sociocultural e depende da identidade de cada indivíduo. Ser feminino, masculino ou não binário não é algo determinado pelo gênero, embora predominem culturalmente os pares masculino-masculino e feminino-feminino.

      Uma mulher transgênero é uma pessoa cujo gênero é o de uma mulher, parte de sua identidade, mas seu sexo permanecerá masculino. Ser homem não invalida sua identidade de gênero como mulher, da mesma forma que ser mulher não invalida ser homem no caso dos homens trans.

      Em ambos os casos, uma realidade biológica não deve ser considerada um forte argumento para discutir a própria experiência e identidade. Raça e gênero são aspectos biológicos, cientificamente acessíveis a partir das ciências da saúde, enquanto etnia e gênero são aspectos correspondentes às ciências sociais, aspectos que dependem da história pessoal do indivíduo e que constituem sua experiência de vida.

      Referências bibliográficas:

      • Relethford, John (2003). A espécie humana: introdução à antropologia biológica. Nova York: McGraw-Hill.
      • Barrow, MV (1998). Uma paixão por pássaros: ornitologia americana de acordo com Audubon. Princeton, New Jersey: Princeton University Press. ISBN 9780691044026.
      • Lewis, D. (2012). The Feathered Tribe: Robert Ridgway and the Modern Study of Birds. New Haven, CT: Yale University Press. ISBN 9780300175523.
      • Mayr, E.; Ashlock, PD (1991). Principles of Systematic Zoology (segunda edição). New York, NY: McGraw-Hill Inc. ISBN 978-0-07-041144-9.

      Deixe um comentário