Meditar: ciência ou tradição?

A meditação sempre foi uma área de pesquisa no reino espiritual, E até a década de 1990, não havia nenhuma pesquisa científica abrangente sobre o assunto.

Um evento importante ocorreu em 1991, quando os cientistas Francisco Varela e Adam Engle, junto com o Dalai Lama, fundaram o Mind and Life Institute nos Estados Unidos com o objetivo de explorar a interface entre ciência e meditação. Outro fato relevante ocorreu no final dos anos 90, quando o neurologista Marcus Raichle incorporou técnicas como a ressonância magnética na busca pela rede neural padrão.


A partir daí, tem havido uma aproximação gradual entre ciência e tradição. A comunidade científica percebeu a análise detalhada da mente que as tradições meditativas vêm fazendo há séculos e ele colocou a meditação no centro de sua pesquisa.

Hoje, a comunidade científica neste campo, liderada entre outros por Richard Davidson, encontra enormes semelhanças nos resultados práticos da meditação entre seus avanços na neurociência e o que foi escrito em textos antigos como o Satipatthana Sutta.

    Qual é o processo de meditação?

    O processo de meditação é algo fácil de entender e mais difícil de fazer.. É como fazer um “buraco em 1” no golfe, a instrução é inserir a bola no buraco com uma tacada. É fácil de entender, não é? Mas não é tão fácil de fazer e menos ainda à vontade a cada passo.

    A primeira coisa que você aprende quando começa são todas as técnicas de meditação; talvez os mais conhecidos sejam os de atenção focada, baseada em atender constantemente a um objeto daquele, e quando a atenção vai e você percebe, você volta.

    Mas se progredirmos corretamente, percebemos que meditação é mais do que apenas trazer a mente para o objeto sempre que ele está distraído. A prática da meditação permite que você esteja neste mundo com uma maior sensação de felicidade, fluidez, presença e clareza.

    Pela minha experiência como professor de meditação, posso dizer que a progressão da aprendizagem não é linearHá semanas em que um aluno está progredindo muito e outras parecem estar retrocedendo. Isso é normal, pois é uma experiência muito subjetiva e depende muito do estado emocional do aluno.

    Quais são os benefícios da meditação?

    Os benefícios da meditação podem ser divididos em quatro áreas principais, Aspectos positivos obtidos graças à neuroplasticidade cerebral. Eles são os seguintes.

    1. O processo atencional

    Ao aumentar a capacidade de atenção sustentada, a meditação nos permite melhorar o foco e o foco.

    2. Consciência corporal

    Diminua a tendência de julgar pela experiência interna, ajuda-nos a compreender a experiência externa e dá-nos uma maior capacidade de tomar decisões.

    3. Regulação emocional

    Ao vivenciar o que está presente no campo da consciência, ao observar essas experiências sem alterar ou reagir a elas, nos permite lidar com emoções ou sensações desagradáveis ​​de uma atitude que gera habituação, aceitação e uma maior capacidade de suportar e regular emoções difíceis.

    4. Mudanças na perspectiva do Eu

    Observe sem julgamento e seja justo, permite a desidentificação do conteúdo pela consciência; este fato ocorre quando experimentamos a natureza mutante e inadequada da realidade. Viver como algo que não está separado do resto muda o processo de autopercepção e facilita a mudança.

      Como a neurotecnologia ajuda a aprender meditação?

      Uma opção que descobri há algum tempo e que permite que os alunos progridam mais rapidamente é a aplicação da neurotecnologia, que consiste em o uso de equipamentos eletrônicos para analisar nossa prática de meditação.

      Com a neurotecnologia, algo crucial é realizado no processo de aprendizagem: ter dados objetivos. Assim, podemos comparar os dados numéricos da prática com a experiência subjetiva e com os dados das práticas passadas. Tenha dados precisos e em tempo real sobre o que está acontecendo no cérebro (neurofeedback) e no coração, respirando (biofeedback) durante a meditação permite que o processo de autoaprendizagem seja mais suave e rápido.

      No meu caso, utilizo um eletroencefalograma (EEG), que o aluno usa durante as meditações; desta forma, nos quatro pontos anteriores, os dois primeiros e em parte também o terceiro podem ser amplamente trabalhados. O quarto, do meu ponto de vista, faz parte exclusivamente do reino espiritual.

      Com o EEG, detectamos os diferentes tipos de ondas cerebrais e trabalhamos principalmente as ondas Alfa, relacionadas aos estados de meditação, relaxamento e calma, as ondas Teta, que têm a ver com os estados profundos da meditação e os primeiros estágios. de sono e ondas beta, relacionadas a estados de alerta e concentração ativa.

      O debate que é gerado entre o aluno e o professor é interessante quando observamos a evolução de diferentes ondas cerebrais com seu estado de atenção, quando estava mais focado ou mais distraído, com que frequência nos distraímos e assim por diante. E também é importante saber o movimento do corpo durante a prática, ou como a frequência cardíaca muda na prática.

      A meditação está na moda, mas … ela veio para ficar?

      Tudo está progredindo muito rápido, e é que há 10 anos, quando alguém disse que estava meditando, foi classificado como alguém estranho ou com uma vida muito espiritual. Há cinquenta anos, quem praticava esportes ou escovava os dentes era considerado uma pessoa rara ou muito refinada, e agora vamos dar uma olhada: todos temos benefícios claros com o esporte sustentável e uma boa higiene dental.

      A percepção está mudando, como é o caso do esporte ou da higiene bucal, e é cada vez mais conhecido que quem medita colhe os benefícios melhorando sua saúde, relacionamentos e se firmando ao longo da vida.

      Chega a hora em que temos certeza de que há atenção para a nossa menteE a meditação está inexoravelmente associada a outras atividades essenciais para desfrutar de boa saúde física e mental.

      A ciência nos fornece ferramentas ou veículos que nos ajudam a compreender o modo de vida, que é o que chamo de “tecnologia a serviço da consciência”. E isso acrescenta ao importante, ao transcendente, que ainda vive a vida a cada momento.

      Autor: Òscar Carrera, membro da Área Mental.

      Referências bibliográficas:

      • Ceba e Martí, A.; Albear Morón, D. Psicologia contemplativa positiva.
      • Goleman, D.; Davidson, RJ Altered Traits: Science Reveals How Meditation Changes Mind, Brain, and Body.
      • Lazar, SW; Bush, G.; Gollub, RL; Fricchione, GL; Khalsa, G.; Benson, H.: Mapeamento funcional do cérebro em resposta ao relaxamento e meditação [Lippincott, Williams and Wilkins].
      • Lazar, S.; Olendzki, A.; Meissner, T. Meditation Research. Cuidado com o Hype: Uma Avaliação Crítica e Agenda Normativa para Pesquisa e Meditação de Mindfulness.

      Deixe um comentário