Que música as pessoas inteligentes ouvem?

Pesquisas recentes ligam nossos gostos musicais a diplomas universitários

Que música as pessoas inteligentes ouvem?

Em um artigo anterior por Psicologia e a mentePudemos descobrir um estudo que relaciona a preferência por determinados estilos musicais com a tendência de se ter um determinado perfil de personalidade. No estudo que hoje temos diante de nós, Virgil Griffith, um designer de software e desenvolvedor de aplicativos americano, começou a estudar a ligação entre o gosto musical das pessoas e seu desempenho na escola. As conclusões do estudo foram incluídas no dossiê “Música que te deixa estúpido“(Música que te deixa estúpido).

Os resultados desta varredura detalhada foram encontrados após cruzar o nota média exames de admissão aos alunos da universidade com o música que eles tocaram e compartilhado na rede social Facebook. Como podemos perceber, uma metodologia não científica, mas que vale a pena ecoar os resultados encontrados, ainda que seja o primeiro passo para novas pesquisas que avaliem a relação entre essas duas variáveis: inteligência e preferências musicais.

Rock para os espertos e reaggaeton para os tolos?

Como mostram os resultados, os jovens alunos que obtiveram notas mais baixas eram eles que gostavam de ouvir artistas musicais como ** Lil Wayne, The Used, Beyoncé ou Jay – **COM, Sendo os gêneros Hip Hop e Reggaeton mais ouvidos por esses alunos. Por outro lado, aqueles que passaram brilhantemente no vestibular foram cruzados com o grande compositor Ludwig van Beethoven.

No setor altamente qualificado, grupos como U2, contar corvos, canelas, Bob Dylan ou os ingleses Cabeça de rádio. Seguindo de perto esta lista importante de grupos, Coldplay ou Red Hot Chili Peppers.

Os gostos musicais dos alunos médios (aqueles que não se destacaram para melhor ou pior, alunos médios) incluíram grupos como Pearl Jam, sistema one down, Os míticos australianos AC / DC, Oasis ou as portas. O autor do estudo categorizou visualmente todos os dados em uma tabela que foi publicada em seu site e que oferecemos a seguir.

discussão

É certo que a metodologia do estudo é questionável. Primeiramente, o estudo foi apresentado à mídia como a correlação encontrada entre as variáveis ​​inteligência e gosto musical, quando na realidade a pesquisa não mediu rigorosamente nenhum deles. Quanto ao primeiro, deve-se notar que o estabelecimento de uma simetria total entre inteligência e desempenho acadêmico é bastante impreciso. Quanto ao segundo, o que compartilhamos no Facebook provavelmente não é um critério confiável para medir nossos gostos e preferências.

Além disso, deve ser explicado que não há evidências científicas que sugiram que existe um certo tipo de música que nos torna “mais inteligentes” ou “mais burros”. É uma questão estatística, uma correlação simples. Mais pesquisas serão necessárias para ver até que ponto existe algum tipo de relação entre o nível de inteligência e a preferência por um ou outro grupo musical.

Deixe um comentário