Pensamento concreto: o que é e como se desenvolve na infância

O processo pelo qual os seres humanos formam e conectam mentalmente ideias sobre o que nos rodeia é bastante complexo. Começa desde os nossos primeiros anos e progride através de uma série de certas fases e características.

Entre outras coisas, este processo nos permite desenvolver duas formas de pensar: uma baseada nos objetos físicos do mundo, o que chamamos de pensamento concreto; e o outro estabelecido em operações mentais, que chamamos de pensamento abstrato.

Neste artigo, veremos o que é o pensamento concreto e como ele se relaciona ou difere do pensamento abstrato.

O que é pensamento concreto e como ele se origina?

O pensamento concreto é um processo cognitivo caracterizado pela descrição de fatos e objetos tangíveis. Esse é o tipo de pensamento relacionado aos fenômenos do mundo real, ou seja, aos objetos materiais. Pensamento concreto nos permite gerar conceitos gerais sobre fenômenos particulares e categorizar logicamente.

Os estudos do psicólogo suíço Jean Piaget sobre as etapas da formação do pensamento são clássicos neste campo. Em geral, ele analisou como os processos cognitivos se desenvolvem da infância à adolescência.

Do ponto de vista biológico, psicológico e lógico, Piaget está interessado na maneira como uma criança atinge suas capacidades cognitivas. Ele propôs, entre outras coisas, que o pensamento deveria ter padrões derivados da composição genética, que por sua vez são ativados diante de estímulos socioculturais.

Eles permitem que eles recebam e processem informações, de modo que o desenvolvimento psicológico ainda está ativo. A partir daí, ele propõe uma série de etapas, cada uma qualitativamente diferente das demais, e que permitem à criança evoluir para uma forma mais complexa de compreensão e organização do conhecimento.

Estágio de operações específicas

Segundo Piaget, o pensamento concreto se desenvolve na fase das operações concretas, que acontecem entre os 7 e os 12 anos. Nisso, a criança já é capaz de perceber e discriminar entre a realidade e as aparências. Não pode prescindir da realidade e, ao contrário das etapas anteriores, passa a descentralizar seu pensamento, ou seja, vai diminuindo gradativamente o pensamento egocêntrico.

Além disso, durante esta etapa, você pode classificar e relatar, por exemplo, transformações de estados da matéria. Ocorre então uma série de comparações lógicas que permitem responder aos estímulos de uma forma que não é mais condicionada pela aparência, como na etapa anterior, e começa a ser determinado pela realidade concreta.

Em matemática, por exemplo, acredita-se que a criança seja capaz de desenvolver habilidades cognitivas como conservação de números, noções de substância, peso, volume e comprimento, além de coordenação espacial. Todos os itens acima são adquiridos uma vez que a criança pode descrever objetos com base em sua composição material.

Nesse sentido, para aprender, a criança deve ter sempre o objeto presente: por meio dos sentidos, ela estabelece relações que lhe permitem conhecer a realidade. Neste período também ainda não é possível para as crianças fazerem suposiçõesNem é possível para eles aplicar o aprendizado previamente adquirido a novas situações (esta última pertence ao pensamento abstrato).

Diferenças entre pensamento concreto e pensamento abstrato

Enquanto o pensamento concreto é o que nos permite processar e descrever objetos no mundo físico, o pensamento abstrato passa por processos puramente mentais. Este último denominado por Piaget de “pensamento formal” porque ocorre na fase das “operações formais”, que se dá entre 12 e 16 anos. Além de ocorrer em diferentes pontos do desenvolvimento, o pensamento concreto e o pensamento abstrato têm as seguintes diferenças:

1. Dedutivo ou indutivo?

O pensamento abstrato é um pensamento hipotético dedutivo, que permite construir hipóteses. sem a necessidade de testá-los empiricamente. No caso do pensamento concreto, é o inverso: o conhecimento só pode ser formulado pela experiência direta do fenômeno ou do objeto; é um tipo de pensamento indutivo.

2. O geral e o particular

O pensamento abstrato pode variar do geral ao particular, permitindo-lhe formular leis, teorias e propriedades mais gerais. O pensamento concreto opera na direção oposta, indo do particular ao geral. Um fenômeno grande ou multidimensional só pode ser compreendido e descrito por suas características particulares.

3. Flexibilidade

O pensamento abstrato permite uma abertura à reflexão e ao debate, por isso é um pensamento flexível. Por sua vez, o pensamento concreto, ancorado no tangível e no óbvio, não permite variações.

4. Complexidade de aquisição

O pensamento abstrato, como o propõe Piaget, é adquirido depois do concreto porque requer um processo mais complexo. Embora o pensamento concreto é finalmente consolidado no final da infânciaAo longo de seu desenvolvimento, a criança só adquire aprendizado e amadurecimento psicológico por meio da vivência direta com o meio ambiente. O pensamento abstrato só ocorre depois que a necessidade de verificações puramente empíricas foi atendida e satisfeita.

Referências bibliográficas:

  • Fingermann, H. (2011). Pensamento concreto. Guia. Acessado em 26 de julho de 2018. Disponível em https://educacion.laguia2000.com/general/pensamiento-concreto
  • Piaget, J. (1986). Psicologia evolucionária. Madrid: Editorial Paidós
  • Pagès, J. (1998). The Formation of Social Thought, pp. 152-164. Em Pijal Benejam e Joan Pagès, Ensino e aprendizagem de ciências sociais, geografia e história no ensino secundário. Barcelona: ICE / Horsori.

Deixe um comentário