Os 8 estilos cognitivos: como cada pessoa costuma pensar?

Vemos, cheiramos, cheiramos, tocamos … enfim, percebemos os estímulos que nos rodeiam. Processamos essas informações e, com base nessas percepções, formamos uma ideia do que está acontecendo ao nosso redor e agimos de acordo. Talvez para a maioria das pessoas o que percebemos é o que realmente está acontecendoMas nem todos os percebem ou os tratam da mesma maneira e da mesma maneira.

Cada um tem um estilo cognitivo específico o que nos faz ver a realidade de uma maneira particular e nos concentrar mais ou menos em determinados aspectos.


    Estilos cognitivos: o conceito

    O conceito de estilos cognitivos refere-se ao conjunto de diferentes formas de perceber, processar, armazenar e usar informações disponível no meio. É um conjunto de habilidades primordialmente cognitivas que são influenciadas por diferentes aspectos e que regem a forma como percebemos o que está ao nosso redor, o que por sua vez influencia a maneira como agimos.

    Estritamente falando, o estilo cognitivo é a forma como nossa mente age, independentemente do conteúdo por essa. O estilo em questão dependerá da personalidade do indivíduo, de quais habilidades ele se concentrou e do aprendizado que ele fez ao longo de sua vida.

    Os estilos cognitivos, como o termo sugere, são determinados por um conjunto de parâmetros primordialmente cognitivos. Mas também eles são influenciados pela esfera emocional e pela integração de valores e motivações. Na verdade, eles são conceituados como um reflexo da relação entre cognição e afetividade e são um dos principais elementos que permitem a formação da personalidade e a existência de diferenças individuais. Em parte, eles são adquiridos ao longo da vida, mas existem influências biológicas que predispõem a um estilo ou outro.

      Principais tipologias de estilo cognitivo

      Em geral, os principais tipos de estilo cognitivo foram classificados em contínuos bipolares que explicam uma forma concreta de observar a realidade.

      Não é necessariamente uma coisa ou outra, mas nosso estilo pode estar em um ponto intermediário. Seguem alguns dos principais estilos considerados por diversos autores, sendo os mais relevantes e analisados ​​os três primeiros.

      1. Dependência vs independência no campo

      Esse fator se refere à capacidade de abstrair o que está sendo analisado ou capturado do contexto em que aparece.

      O dependente de campo geralmente tem uma visão geral da situação e pode ser influenciado por ela, enquanto o domínio independente eles geralmente fazem uma análise orientada a objetos mais independente ao qual prestam atenção, mas sem valorizar da mesma forma o contexto em que aparece. Enquanto o primeiro tem um referencial externo centrado na situação, o segundo parte de um referencial autocentrado.

      Por outro lado, o dependente do campo geralmente tem mais interferência na memória embora geralmente detecte mais os elementos em suspenso no momento da formação dos conceitos, sendo mais sugestionável e visual, mais sociável e afetivamente menos controlados. Em contraste, o independente é geralmente mais verbal, mais capturando as fronteiras entre coisas e pessoas, mais organizado e menos influente.

      Geralmente tende a essa independência no campo aumenta até os 25 anos, Quando se estabiliza. A independência torna menos provável a influência de variáveis ​​contextuais, mas isso pode ser contraproducente, uma vez que nem todas as variáveis ​​que afetam a realidade são levadas em consideração. Dessa forma, tanto a pessoa dependente quanto a independente apresentam vantagens e desvantagens em diferentes aspectos.

        2. Reflexividade vs impulsividade

        Nesta ocasião, é feita menção de a velocidade de reação aos estímulos. O impulso respondeu rápida e ativamente, mas com maior chance de cometer erros. Por outro lado, o reflexivo leva tempo para analisar e avaliar a situação, o que lhes permite ainda maior precisão e eficiência o que os torna mais lentos e inativos.

        Não se trata apenas de velocidade, mas também de enfrentar a realidade. Reflexivo geralmente valoriza mais opções e fazer mais verificações de antemão, enquanto o pulso é mais global. O reflexivo tende a ser mais calmo e autocontrolado ainda mais indeciso, enquanto o impulsivo tende a ser mais ansioso, sensível e desconfiado.

        3. Sensorial vs intuitivo

        Nesta ocasião, o estilo cognitivo utilizado pode variar entre usar os dados disponíveis através dos sentidos e usar a imaginação e intuição para capturar relações além do que é perceptível. Sensorial é baseado em informações existentesJá o intuitivo tende a ter uma mentalidade de desenvolvimento um pouco mais espontânea e a ir além do que os dados fornecem.

        4. verbal vs visual vs tátil

        Desta vez, a divergência está na forma como a pessoa recebe melhor as informações, seja por via icônica ou auditiva. Há também a sensação tátil, que capta melhor a realidade por meio do toque. o último geralmente está relacionado a crianças e idosos enquanto os dois primeiros são mais típicos de jovens e adultos.

        5. Global vs. Analítico / holístico vs. Serial

        Semelhante à dependência e independência de campo, mas desta vez já focada no objeto ou na situação em si, e não no contexto. o estilo geral concentra-se na identificação do objeto como um todo como uma unidade única e realiza sua análise como tal. Tudo é tratado a granel. No entanto, o estilo analítico subdivide tudo em diferentes detalhes a partir dos quais ele começa a processar as informações sem a necessidade de conhecer o todo Dados

          6. Convergente vs Divergente

          Ligado em parte à criatividade, enquanto o estilo convergente se concentra em encontrar uma solução concreta com base na convergência das informações disponíveis, o tente encontrar várias alternativas que pode ser difícil de escolher.

          7. Nivelador vs apontador de lápis

          Os estilos cognitivos nesta dimensão referem-se à habilidade ou grau em que os sujeitos são capazes de ver semelhanças e diferenças entre os estímulos. Enquanto o nivelador tende a ignorar ou subestimar as diferenças entre os itens por simplicidade e isso permite generalizar mais facilmente, os apontadores tendem a manter diferenças e observações, distinguindo mais claramente os diferentes elementos.

          8. Tolerante vs intolerante

          Essa dimensão refere-se à capacidade de cada pessoa ser flexível e ter a mente aberta diante da possibilidade da existência de elementos que divergem do que era esperado e estabelecido pelo padrão ou auto-observação. O tolerante aceita a possibilidade de que existam outras alternativas e é capaz de modificar suas estruturas cognitivas para cobrir, enquanto o intolerante não faz tal coisa.

          Importância dos estilos cognitivos

          Os estilos cognitivos são uma parte importante de nossa pessoa e podem nos ajudar a entender melhor como cada pessoa processa as informações do ambiente ou de dentro. Além da descrição, pode ter implicações em vários campos, como educação ou prática clínica.

          Por exemplo, uma criança com processamento predominantemente visual achará mais complexo capturar informações verbais e lembrar melhor do conhecimento se gráficos ou estímulos centrados na visão forem aplicados. Isso é o que acontece com muitas crianças com diferentes distúrbios, como em muitos casos de transtorno do espectro do autismo ou em muitos distúrbios da fala, em que o uso de mais pictogramas visuais e informações torna mais fácil compreensão e aquisição de competências e conhecimentos.

          No nível clínico, também é muito relevante considerando que o estilo cognitivo facilita a interpretação da realidade de certa forma. Por exemplo, foi identificado que pacientes dependentes de campo tendem a ser mais propensos a patologias como depressão, enquanto pacientes independentes de campo eles fazem isso para transtornos psicóticos. Da mesma forma, o impulsivo tende ao estresse, ou o reflexivo pode se aproximar do transtorno obsessivo-compulsivo.

          Levar em consideração os estilos cognitivos pode ser muito útil no estabelecimento de planos individualizados na diversidade de campos, permitindo uma melhora substancial nas habilidades e no bem-estar de cada pessoa a partir do ajuste das expectativas e das ajudas que lhes são oferecidas.

          Referências bibliográficas:

          • Hernangómez, L. e Fernández, C. (2012). Personalidade e psicologia diferencial. Manual de preparação CEDE PIR, 07. CEDE: Madrid.
          • Quiroga, Mª. A. (1999). Diferenças individuais nas inter-relações cognição-emoção: estilos cognitivos. Em Sanchez, J. & Sanchez, MP (Eds.). Psicologia diferencial: diversidade e individualidade humanas. 2ª edição. Madrid. Fundação Ramón Areces.
          • Padilla, VM; Rodríguez, MC e López, EO (2007). Estilos cognitivos e aprendizagem. In: A voz dos pesquisadores em psicologia educacional. Ed. Culture of Veracruz.

          Deixe um comentário