Os 4 principais tipos de raciocínio (e suas características)

A razão ou a capacidade de raciocinar é uma das habilidades cognitivas mais valorizadas ao longo da história, tendo sido vista nos tempos antigos como uma das características que nos separam dos outros animais e muitas vezes sendo confrontados com a emoção (tanto é que a emoção e a razão estão em fato profundamente interdependente).

Mas embora o conceito de razão seja muitas vezes considerado universal e único, deve-se ter em mente que não existe uma maneira ou mecanismo único para ter sucesso no raciocínio, para ser capaz de encontrar diferentes tipos de raciocínio, dependendo de como as informações são obtidas e processadas. É sobre alguns desses diferentes tipos de raciocínio existentes que falaremos ao longo deste artigo.


    Qual é o raciocínio?

    Entendemos como raciocínio o produto de um conjunto de habilidades cognitivas complexas por meio das quais somos capazes de relacionar e vincular diferentes informações de forma estruturada, elo que permite estabelecer diferentes estratégias, argumentos e conclusões a partir dessa estruturação da informação.

    O raciocínio nos permite desenvolver novas informações e ideias com base em um conjunto de regras, o que nos permite estabelecer e formar coisas como pensamentos, crenças, teorias, ideias abstratas, técnicas ou estratégias. Também nos permite encontrar a resolução de problemas ou situações que encontramos e a busca pelos métodos mais otimizados.

    Da mesma forma, o raciocínio não seria possível sem a existência de diferentes faculdades mentais, como a capacidade de associação, atenção, percepção sensorial, memória ou a capacidade de planejar ou inibir nossas respostas tanto no nível cognitivo quanto no comportamental. Assim, embora seja e seja considerada uma capacidade cognitiva, não seria possível sem a existência de muitas outras nas quais se baseia. Não estamos lidando com uma habilidade básica, mas com uma das habilidades cognitivas de nível superior ou superior.

    Principais tipos de raciocínio

    Embora o conceito de raciocínio possa parecer simples, a verdade é que, como acontece com a inteligência, definir de forma clara e delineadora (sem confundi-lo com outros conceitos) é muito complexo. A verdade é que o raciocínio em si é difícil de estudar como um todo, muitas vezes se decompondo em diferentes processos que levam a diferentes tipos de raciocínio. Isso inclui o seguinte; os três primeiros são os mais reconhecidos e os mais fundamentais.

    1. Raciocínio dedutivo

    Um dos principais tipos de raciocínio é o chamado raciocínio dedutivo, que, como o nome sugere, é o tipo de processo cognitivo que usamos para chegar a uma dedução.

    Esse tipo de pensamento se baseia na crença em uma premissa ou afirmação universal para chegar a uma conclusão para cada caso particular. Assim, vai do geral ao particular, podendo tirar conclusões para um caso específico a partir da hipótese ou da dedução. do que consideramos ser amplamente verdadeiro.

    Ele frequentemente usa a lógica para isso, é comum que silogismos, inferências e proposições encadeadas sejam usados ​​para chegar a uma conclusão concreta. O pensamento dedutivo pode ser categórico (a partir de duas premissas consideradas válidas, uma conclusão é tirada), proporcional (uma atua a partir de duas premissas, uma das quais é necessária para que a outra seja dada) ou disjuntivo (duas premissas opostas são confrontadas para chegar a uma conclusão de que elimina um deles).

    Muitas vezes, é o tipo de raciocínio que segue estereótipos, o que nos leva a pensar que, para fazer parte de um grupo ou profissão a que foram atribuídas certas características, uma pessoa terá um comportamento específico (seja bom ou ruim).

    É comum que uma simples dedução acione julgamentos, argumentos e crenças que não correspondem à realidade. Por exemplo, podemos pensar que a água hidrata, então, como o mar é feito de água, a água do mar nos hidrata (quando na verdade nos desidrata).

    2. Raciocínio indutivo

    O raciocínio indutivo é o processo de pensamento no qual partimos de uma determinada informação para chegar a uma conclusão geral. Este seria o processo inverso ao da dedução: observamos um caso particular após o outro, de modo que, pela experiência, podemos determinar uma conclusão mais generalizada. Isso é raciocínio menos lógico e mais probabilístico do que o anterior.

    O raciocínio indutivo pode ser incompleto (ou seja, apenas alguns casos específicos são incluídos e outros não para tirar conclusões) ou completo (incluindo todos os casos especiais observados).

    Este é geralmente um método muito mais usado do que parece quando se trata de tomar decisões do dia-a-dia, geralmente sendo o que usamos para prever as consequências futuras de nossas ações ou o que pode acontecer.

    Muitas vezes também está ligada à atribuição de causas aos fenômenos que percebemos. No entanto, como acontece com a dedução, é fácil tirar conclusões erradas, focando apenas no que vimos ou experimentamos. Por exemplo, o fato de que cada vez que vemos um cisne ele é branco pode nos fazer pensar que todos os cisnes são brancos, embora também existam negros.

    3. Raciocínio hipotético-dedutivo

    Este tipo de raciocínio ou pensamento é a base do conhecimento científico, sendo um dos mais aderentes à realidade e à verificação de lugares que são estabelecidas com base na observação.

    Parte-se da observação da realidade de uma série de casos particulares para gerar uma hipótese, da qual, por sua vez, devem ser deduzidas as consequências ou possíveis interpretações do que você observa. Estes, por sua vez, eles devem ser falseáveis ​​e empiricamente contrastados para verificar sua veracidade.

    Este tipo de raciocínio é considerado um dos mais complexos e adultos (Piaget, por exemplo, associa-o à fase tardia do desenvolvimento e geralmente o considera adulto, embora muitos adultos não o tenham).

    Isso não significa necessariamente que sempre cheguem a resultados válidos, sendo um tipo de raciocínio também suscetível a vieses. Um exemplo desse tipo de raciocínio pode ser encontrado, por exemplo, na descoberta da penicilina e sua transformação em antibiótico.

      4. Raciocínio transdutivo

      Este tipo de raciocínio é baseado no de combinar diferentes informações separadas umas das outras para estabelecer um argumento, crença, teoria ou conclusão. Na realidade, tendem a relacionar informações específicas ou particulares sem gerar nenhum tipo de princípio ou teoria e sem nem mesmo buscar verificação.

      É considerado típico da infância, Quando ainda não conseguimos estabelecer um raciocínio que relacione causas e efeitos e conseguimos associar elementos que nada têm a ver.

      Um exemplo desse tipo de raciocínio pode ser encontrado no tipo de pensamento que as crianças costumam fazer, que podem até pensar que está nevando porque hoje correu bem.

      Outros tipos de raciocínio

      Esses são alguns dos tipos de raciocínio mais importantes, mas existem outros tipos, dependendo de como são classificados. Por exemplo, podemos encontrar raciocínio lógico ou não lógico (dependendo se é usado ou não para que as conclusões sejam consistentes e extraíveis das premissas), raciocínio válido ou inválido (dependendo se a conclusão é correta ou não) ou o raciocínio relacionado a certas profissões ou áreas do conhecimento, como o médico ou o clínico.

      Referências bibliográficas:

      • Higueras, B. e Muñoz, JJ (2012). Psicologia básica. Manual de preparação CEDE PIR, 08. CEDE: Madrid.
      • Peirce, CS (1988). Homem, um signo (pragmatismo de Peirce). Critic, Barcelona: 123-141.
      • Polya, G. (1953). Matemática e raciocínio plausível. Ed. Tecnos. Madrid.

      Deixe um comentário