Flexibilidade mental: o que é, por que funciona e como treiná-la

Algumas das habilidades que permitem ao ser humano se adaptar ao ambiente em mudança em que vive são os processos cognitivos, a aprendizagem, a socialização com outras pessoas, entre outras.

Nesse sentido, há uma aptidão do cérebro humano que deve ser destacada, para influenciar múltiplos processos de grande importância para a adaptação do ser humano ao meio ambiente, e não é outra flexibilidade mental.


Abaixo, veremos mais de perto o que é flexibilidade mental e sua importância na adaptação do ser humano a diversos contextos e situações.

    O que é flexibilidade mental?

    A flexibilidade mental é uma capacidade do cérebro que permite ajustar efetivamente processos e comportamentos cognitivos em contextos e situações novas, inesperadas e/ou instáveis, a fim de se adaptar ao meio ambiente e às exigências resultantes.

    Ressalta-se que a flexibilidade mental é um construto psicológico muito complexo, pois engloba muitos processos mentais e comportamentais humanos e está constantemente em uma dinâmica de mudança e adaptação dependendo do ambiente, situação, cultura, fase da vida. ciclo onde a pessoa está, etc.

    Também oferece a possibilidade de reestruturar nosso conhecimento anterior enquanto assimilamos novos aprendizados, de forma a poder adaptar-se às exigências em constante mudança e/ou resolver vários problemas ou incógnitas.

    Por outro lado, a flexibilidade mental ou cognitiva também permite que as pessoas trabalhem em múltiplas tarefas em paralelo ou ao longo de um processo sucessivo, sem que o cérebro fique sobrecarregado e não haja interferência entre as tarefas. , permite realizar todas as tarefas.

      Principais características da flexibilidade mental

      A flexibilidade mental está intimamente relacionada à inteligência fluida e, portanto, influencia o raciocínio humano e a capacidade de resolver vários novos problemas que podem surgir de maneira flexível e eficiente.

      Nesse sentido, a flexibilidade mental é uma das habilidades cognitivas superiores da metacognição e como tal influencia diversos processos cognitivos como controle de comportamento, conhecimento, consciência e aprendizagem, entre outros. O conhecimento de uma pessoa de sua própria capacidade dentro desses processos cognitivos Permite-lhe controlar de forma mais eficaz as suas competências e conhecimentos para que possa agir de forma voluntária e controlada para promover a sua própria aprendizagem e, assim, o seu próprio progresso e aperfeiçoamento em diferentes áreas.

      Outra característica é que a flexibilidade mental influenciar as funções executivas, é, portanto, muito relevante na aprendizagem e, portanto, afeta o desenvolvimento ao longo da vida, bem como o sucesso acadêmico e profissional. Isso porque a flexibilidade mental permite que as pessoas façam planos, estabeleçam metas e objetivos, comecem com planos já estabelecidos, avaliem suas próprias ações ao longo do processo, bem como aprendam com seus erros, corrija-os e evite que se repitam.

      A flexibilidade mental também permite que as pessoas levar em conta outros valores, crenças e ideias, ou seja, outras formas de pensar que os outros têm e ao mesmo tempo de compreender outros pontos de vista, de se respeitar se são diferentes dos seus, de poder valorizar outras perspectivas e opções além daquela que tínhamos antes de. É por isso que a flexibilidade mental está intimamente associada à empatia, que ao mesmo tempo facilita e melhora a capacidade de uma pessoa interagir socialmente com os outros.

      Ao praticar Mindfulness, a flexibilidade mental oferece a oportunidade de colocar em prática todas as habilidades mentais necessárias para trazer total atenção ao momento presente, para que a pessoa esteja focada em todas as nuances do aqui e agora. que uma melhor adaptação a determinados contextos e circunstâncias pode ser facilitada. Por isso você tem que ter uma atitude de abertura para a experiência e agir sem julgar nada.

      Como mencionado anteriormente, a flexibilidade mental é que ela proporciona ao ser humano a capacidade de se adaptar rapidamente às mudanças ou inovações no ambiente, de modo que é possível mudar o comportamento ao longo do tempo de acordo com as demandas do ser humano, contexto e também antecipar possíveis erros ou consequências negativas para evitá-los ou pelo menos aprender com eles para evitar sua recorrência.

      Por outro lado, essa flexibilidade mental ajuda as pessoas a tolerar mudanças que possam surgir durante uma tarefa e gerar alternativas mais eficazes.

      Boa flexibilidade mental, que foi suficientemente treinada pela prática em tarefas que exigem trabalho cognitivo suficiente para que o cérebro seja exercitado, isso tornará mais fácil para a pessoa fazer a transição de uma tarefa para outra de maneira eficiente sequencialmente sem que um interfira no outro, enquanto ainda permite a capacidade de realizar duas tarefas simultaneamente sem perder o foco e realizá-las com sucesso.

        Sua importância em uma situação de crise

        Em tempos difíceis, como os vividos pela pandemia global causada pelo coronavírus, a flexibilidade mental adequadamente desenvolvida é uma ferramenta fundamental para seguir em frente. suportar o sofrimento e o sofrimento emocional da melhor maneira possível.

        Por outro lado, a inflexibilidade mental pode agravar problemas que se arrastavam antes de um momento de crise, de modo que essa situação incerta e difícil de ajustar pode levar a muitos tipos de problemas.

        Flexibilidade mental está intimamente relacionado com a resiliência, conceito que na psicologia se refere à capacidade do ser humano de lidar com as adversidades por meio de pensamentos e comportamentos que permitem a adaptação. É por isso que é necessário dar um passo atrás, considerar todas as alternativas às possibilidades que estão ao nosso alcance e pôr em marcha uma série de comportamentos que vão em direção aos objetivos que permitem alcançar nestas situações difíceis e até sair fortalecido para enfrentar um futuro em que situações semelhantes possam surgir.

          Dicas para treinar e estimular a flexibilidade mental

          Algumas dicas que você pode achar úteis treinar flexibilidade mental são as seguintes:

          • Não seja muito rígido e se abra para novos aprendizados, possíveis mudanças e outros pontos de vista.
          • Ouvir ativamente os outros para valorizar e conhecer outras formas de ver as coisas.
          • Tente ver as coisas de múltiplas perspectivas ou pontos de vista.
          • Seja proativo para que estejamos atentos a quaisquer imprevistos e tomemos providências.
          • Treinar a criatividade através de várias atividades artísticas.
          • Procure tarefas que ajudem a mente a funcionar, como aprender um novo idioma, ler, fazer aulas, etc.
          • Manter a curiosidade pela aprendizagem ao longo da vida e em diferentes áreas (por exemplo, ciência, arte, etc.).
          • Exercite-se porque o exercício demonstrou ajudar o cérebro a ficar oxigenado.
          • Quando confrontado com um desafio ou circunstância específica, avalie as muitas opções disponíveis para nós.
          • Exercícios também podem ser realizados para treinar as várias funções executivas.

          Referências bibliográficas

          • Andrade, MT, Trenes, MM e Gómez, E. (2014). Capítulo 1: Flexibilidade cognitiva. A E. Gómez e MJ de Córdoba (Coords.). Flexibilidade mental (p. 7-28). Granada: Edições Fundación Internacional artecittà.
          • Jericó, P. (24 de março de 2021). Conselhos práticos para treinar a flexibilidade mental. O país.
          • Regader, B. (Sf). Lara Tormo: “A flexibilidade mental é a chave para suportar o sofrimento.” Psicologia e a mente. Recuperado de https://psicologiaymente.com/entrevistas/lara-tormo-flexibilidad-mental.

          Deixe um comentário