Efeito Mandela: quando muitas pessoas compartilham uma memória falsa

Nelson Mandela morreu em 5 de dezembro de 2013 de uma infecção respiratória. A morte do primeiro presidente negro da África do Sul e um dos principais ícones da luta contra o apartheid ocorreu em casa após um longo período de agonia aos 95 anos de idade, retomado pela grande mídia.

No entanto, muitos são os que se surpreendem com o fato, alegando se lembrar da morte do ex-presidente sul-africano na prisão e até alegando se lembrar de cenas de seu funeral. Este não é um caso isolado, mas em outras ocasiões foi relatado um fenômeno semelhante ao que algumas pessoas lembram de coisas que em princípio não aconteciam. Embora existam muitos casos antes da morte do presidente sul-africano, este fenômeno era chamado de efeito Mandela.


    O efeito mandela

    O efeito Mandela foi assim batizado por Fiona Broome, pesquisadora e apaixonada pelo paranormal, que receberia com grande surpresa a notícia da morte de Nelson Mandela. O motivo da surpresa é que Broome lembrou-se vividamente de sua morte e das consequências dela, Bem como seu funeral, vários anos antes de sua morte real. E não apenas ela, mas outras pessoas disseram para lembrar o mesmo. O debate irá posteriormente para a Internet, onde muitas pessoas compartilharão experiências semelhantes.

    Assim, com efeito, Mandela refere-se a situações em que várias pessoas parecem lembrar, de forma semelhante ou mesmo idêntica entre si, fenômenos que não ocorreram ou que não correspondem a dados históricos reais. Para essas pessoas sua memória é real e verdadeira, assim como o fato de que no presente elas recebem informações que contradizem essa memória e parece ser verdade.

    Outros exemplos deste efeito

    As memórias da morte de Nelson Mandela não são as únicas em que o Efeito Mandela apareceu. Outros fenômenos históricos causaram o mesmo efeito.

    Outro caso em que o efeito Mandela apareceu pode ser encontrado durante o massacre da Praça Tiananmen na China em julho de 1989. Em 5 de julho, um cidadão chinês parou na frente de uma fileira de carros de combate, conseguindo bloquear sua passagem. Essa cena, que seria fotografada e gravada e depois transmitida para diversos meios de comunicação, também surpreenderia muitos que viveram os acontecimentos, que dizem que se lembram de como o jovem não poderia ter bloqueado a passagem dos tanques mas foi esmagado por eles, causando sua morte.

    Madre Teresa de Calcutá foi beatificada, ou seja, transformada em Papai Noel, durante o ano de 2016. Este fato surpreendeu a muitos, pensando que se lembravam que esse acontecimento ocorrera em 1990, há sete anos antes de sua morte.

    Algo semelhante aconteceu com Muhammad Ali, que continuou a viver muito depois que um grande número de pessoas presumiu que ele estava morto.

    Na verdade, mesmo longe de eventos históricos de alto impacto ou de figuras históricas reais, fenômenos semelhantes ocorreram. Casos semelhantes podem ser encontrados no cinema, na música ou no teatro. Um exemplo muito comum que pode ser encontrado na maioria das pessoas pode ser visto no filme Star Wars: The Empire Strikes Back. Em uma das cenas mais famosas e reproduzidas, Darth Vader diz a Luke Skywalker que ele é seu pai com a conhecida frase “Luke, eu sou seu pai”. Porém, na versão original do filme, podemos perceber que o verdadeiro diálogo é “Não, eu sou seu pai”, tendo substituído um texto por outro no imaginário coletivo.

      Tenta explicar o efeito

      A tentativa de explicar este fenômeno gerou um amplo debate, Despertando várias tentativas de explicação de várias teorias e perspectivas.

      Algumas pessoas confiaram na teoria dos universos múltiplos na tentativa de explicar o efeito Mandela, propondo que a razão para isso pode estar na sobreposição de cronogramas de diferentes realidades alternativas. Assim, ele iria unir o que aconteceu nesta realidade com o de outra, fazendo surgir na memória do povo um acontecimento que na nossa realidade ainda não teria acontecido ou que em certas circunstâncias poderia ter acontecido.

      Indignado, alguns são baseados na teoria quântica considerar que esse efeito se deve ao possível deslocamento de nossa consciência por esses universos alternativos. Diante do fato real do universo atual, há confusão devido à dissociação entre o que lembramos e o que é relatado, sendo para o sujeito duas memórias totalmente credíveis.

      Dentro dessa corrente, outros parecem considerar o efeito Mandela o produto da abertura de portais entre universos paralelos devido a colisões entre partículas que ocorrem no CERN. Ambas as perspectivas são baseadas puramente em especulação e são rejeitadas pela grande maioria dos pesquisadores em psicologia e neurociência.

      Outra escola de pensamento parece indicar que as causas do efeito Mandela podem ser encontradas em uma tentativa de controle e manipulação da mente por agências governamentais, introduzindo informações falsas para fins incertos.

      Por fim, outra explicação oferecida por alguns se baseia no fato de que vivemos em uma realidade programada, na qual de tempos em tempos ocorrem modificações que alteram nossa programação interna e deixam rastros de nosso estado anterior.

      Explicação psicológica do efeito Mandela

      Embora várias teorias a esse respeito possam ser de grande interesse, este fenômeno é explicável da psicologia. Especificamente, a origem do efeito Mandela pode ser encontrada em vários processos mentais relacionados à disfunção ou distorção da memória.

      A presença de um efeito Mandela não indica que a pessoa está mentindo sobre o que lembra. Para isso, a memória é muito real e existe a memória como tal. No entanto, a origem desse efeito pode ser encontrada na interferência de outras informações ou na criação de fragmentos de memória com os quais a memória de eventos está cheia.

      A razão para a geração dessas memórias pode ser encontrada no fato de que a memória é em grande parte construtiva, lembrando os principais elementos que faziam parte de uma cena e reconstruindo-os mentalmente quando precisamos resgatar a memória. De agora em diante, é tão fácil quanto introduzir novos elementos a posteriori ou interferir com outros pensamentos, memórias ou crenças pode causar uma memória falsa.

      Alguns dos fenômenos mentais que podem explicar o efeito Mandela são os seguintes. Embora possam estar presentes como sintomas de vários problemas médicos ou mentais, não é incomum que apareçam na população não clínica. Em outras palavras, não deve ser um sinal de transtorno mental.

      1. A conspiração

      Um dos principais elementos que podem explicar a existência do efeito Mandela é a conspiração, fenômeno pelo qual os humanos preenchemos as várias lacunas em nossa memória com memórias fabricadas, Inconscientemente. Esse problema pode ser observado, entre outros, nos casos de amnésia e demência, mas não é incomum que apareça em pessoas sem problemas clínicos. Essas conspirações também são comuns entre pessoas que sofreram traumas graves, como abuso sexual na infância, às vezes gerando falsas memórias na mente para proteger o indivíduo da dor mental e do sofrimento causado.

      Assim, a partir de uma memória real, o indivíduo elabora e cria diferentes espaços e fragmentos de memória. Na maioria dos casos, a geração desses fragmentos não é feita com o intuito de enganar os outros, mas o próprio indivíduo acredita que sua memória o seja.

      2. Indução externa de memórias

      O facto de várias pessoas corresponderem à mesma memória pode ser devido ao facto de não ser impossível induzir uma falsa memória noutras pessoas. Na verdade, processos hipnóticos ou baseados em sugestões foram mostrados para eles pode induzir com alguma facilidade. Por meio da linguagem e dependendo do tipo de pergunta feita sobre uma determinada situação, a pessoa analisada pode mudar sua percepção interna dos fatos relembrados, como demonstrou a psicóloga Elizabeth Loftus.

      É por isso que, ao usar a hipnose para recuperar memórias, deve-se tomar extremo cuidado para evitar a geração de falsificações. Atenciosamente. Na verdade, há evidências de que o uso da hipnose em casos de histeria na época das escolas Salpêtrière em alguns casos produziu a falsa memória de ter sido abusado.

        3. Criptomnésia

        Relacionado ao ponto anterior, podemos encontrar o fenômeno denominado criptomnésia, que permite que uma memória seja vivenciada como algo vivido pela primeira vez devido à presença de confusão quanto à sua origem. Tomamos como nossa uma ideia ou informação que lemos, vimos ou ouvimos, para que possamos identificar como memória algo que nos chegou por meio de outros, confundindo a memória do que pensamos ou percebemos com a memória. fatos.

        Com isso, uma pessoa pode identificar as crenças de outras pessoas como sua própria elaboração, de modo que seja possível expandir a mesma ideia sem que ela seja vista como proveniente de outras pessoas.

        Deixe um comentário