As 4 diferenças entre inteligência fluida e inteligência cristalizada

Um dos modelos mais importantes que influenciaram a compreensão do que é inteligência é a teoria de Cattell-Horn, uma teoria em que a inteligência é apresentada como a combinação e o trabalho conjunto de dois componentes: a inteligência fluida e a inteligência cristalizada.

Embora essas duas inteligências sejam muito importantes para nossa capacidade de resolver problemas, tanto novos quanto aqueles que já experimentamos, elas apresentam algumas diferenças.

Abaixo veremos as diferenças entre inteligência fluida e inteligência cristalizada.

Diferenças entre inteligência fluida e inteligência cristalizada, e suas características

Ao longo da história, diferentes definições foram dadas sobre o que é inteligência. Embora cada modelo tenha proposto o seu próprio conceito, a maioria concorda com as capacidades essenciais que constituem esta ideia, incluindo como inteligência o conjunto de capacidades que permitem a compreensão e a compreensão dos problemas, resolvê-los e que de uma forma ou de outra se relacionam. a aquisição de conhecimentos e novas aprendizagens.

Há quem veja a inteligência como um componente puramente genético e hereditário, algo que se possui e que não pode ser melhorado de forma alguma ao longo da vida.

Outros, por outro lado, trataram a inteligência como algo que pode mudar ao longo da vida e que é muito influenciado pelo aprendizado que ocorre ao longo da vida. Em última análise, temos modelos que integram as duas ideias, como a teoria de Raymond Cattell.

O psicólogo britânico Raymond Cattell é amplamente conhecido na psicologia por seu modelo particular de inteligência. Com a colaboração de John Horn, Cattell propôs um modelo no qual dois componentes são projetados para a inteligência, que interagem e trabalham juntos para produzir inteligência individual geral: inteligência fluida e inteligência cristalizada.

A teoria de Cattell-Horn combina as idéias mencionadas acima nas quais a inteligência é concebida como algo que depende da genética do indivíduo, mas também é alimentado pela aprendizagem ao longo da vida. Assim, haveria o componente intelectual muito dependente de fatores hereditários, que seria a inteligência fluida, e o componente que dependeria mais do meio em que crescemos, que seria a inteligência cristalizada.

Inteligência fluída

De acordo com o modelo Cattell-Horn, a inteligência fluida está relacionada à capacidade de pensar e raciocinar de forma abstrata. Essa habilidade, que tem um importante componente genético, é a capacidade das pessoas de se adaptarem e enfrentarem novas situações de forma ágil, sem terem sido ensinadas ou ter experiência anterior.

Exemplos onde este tipo de inteligência seria aplicado, nós os teríamos em resolver quebra-cabeças, fazer um balde de rubik, desenvolver uma nova estratégia para resolver um exercício de matemática ou filtrar informações irrelevantes de um texto.

Os componentes da inteligência fluida são:

  • Capacidade de raciocinar com conteúdo abstrato
  • Raciocínio lógico
  • Capacidade de construir relacionamentos ou extrair diferenças

Pode-se entender porque essa inteligência está tão relacionada ao componente genético no fato de que está intimamente relacionado a variáveis ​​neurofisiológicas, como o desenvolvimento de conexões neurais. Isso também não significa que depende exclusivamente de nossa genética, já que essas mesmas conexões podem ser fomentadas por viver em ambientes culturalmente enriquecedores, ou seja, o fator ambiental influencia a inteligência fluida também.

A inteligência fluida ganha seu momento de desenvolvimento mais intenso em uma idade precoce, momentos em que ocorre um grande desenvolvimento das estruturas cerebrais. Poderíamos dizer que é na adolescência o momento em que o indivíduo está o mais próximo possível de ter desenvolvido plenamente sua inteligência fluida, ainda que também tenhamos visto que continuamos a desenvolvê-la, embora em um ritmo mais lento, até a década de 1940.

Só depois de 40 anos essa inteligência começa a declinar. Essa diminuição da inteligência fluida, especialmente perceptível a partir dos 60 e 70 anos, deve-se a vários fatores que implicam na diminuição da funcionalidade das estruturas cerebrais, como envelhecimento normal, acidentes, desenvolvimento de patologias cerebrais e / ou uso de substâncias.

inteligência cristalizada

A inteligência cristalizada é o componente da inteligência geral relacionado ao conhecimento e aprendizagem do indivíduoou, isto é, é um componente intelectual intimamente ligado à experiência e ao ambiente em que a pessoa se desenvolveu. As situações em que está envolvida essa inteligência são todas aquelas em que é necessário recuperar a informação aprendida e colocá-la em bom uso, como em um exame de linguagem, aplicação de fórmulas matemáticas ou apresentação de uma aula expositiva.

Os componentes da inteligência cristalizada são os seguintes.

  • Compreensão da linguagem
  • Revisão da experiência
  • Capacidade de fazer julgamentos e conclusões
  • Conhecimento mecânico
  • Orientação para o espaço

A inteligência cristalizada, baseada na experiência, pode ser tecnicamente aprimorada ao longo da vida., no sentido de que sempre podemos aprender algo novo, a menos que estejamos sofrendo de algum tipo de patologia que nos impede de armazenar novos conhecimentos. Ou seja, essa inteligência aumenta com a idade, pois quanto mais vivemos, mais experiências temos.

Ressalta-se que essa inteligência depende não apenas do ambiente em que o indivíduo pode ter se desenvolvido, mas também de fatores relacionados à personalidade e à motivação. Um indivíduo que tem curiosidade em aprender algo novo a cada dia, sente-se motivado a buscar e descobrir coisas novas, será uma pessoa cuja inteligência cristalizada tende a ser superior à de uma pessoa que não possui essas mesmas características.

Como distinguir os dois tipos de inteligência?

A principal diferença entre esses dois tipos de inteligência está em sua função. A inteligência fluida é aquela habilidade que nos permite resolver novos problemas, situações que não temos experiência anterior ou aprendizado já feito e que precisamos usar nossa criatividade para ver como podemos sair vitoriosos. Em vez disso, é na inteligência cristalizada que fazemos bom uso do conhecimento que já adquirimos para resolver uma situação que vivemos antes.

Outra diferença é à medida que evolui ao longo da vida. A inteligência fluida geralmente atinge seu pico na adolescência, embora seja verdade, como vimos anteriormente, que pode continuar a se desenvolver até os 40 anos de idade, embora em um ritmo mais lento. Por outro lado, a inteligência cristalizada sempre aumenta, desde que não se sofra de uma doença que implique a aquisição de novos conhecimentos.

Também há diferenças quanto a quando essas inteligências estão em declínio. A inteligência fluida começa a declinar gradualmente a partir dos 40 anos, acelerando esse declínio a partir dos 60 anos. Em contraste, a inteligência cristalizada diminui em uma ampla variedade de maneiras, dependendo se a pessoa sofre ou não de um distúrbio cerebral. Se não houver dano cerebral, o mais normal é que mesmo aos 70 anos, continuam a aprender coisas novas, que poderia no máximo ser afetado por erros de memória típicos desta idade.

Deve-se notar que, curiosamente, essas duas inteligências compartilham um fato que também depende da idade. Tanto a inteligência fluida quanto a cristalizada se desenvolvem com grande intensidade nas primeiras idades, especialmente na infância e na adolescência. Isso é visto em crianças do ensino fundamental à medida que aprendem muito conteúdo novo e palavras atualizadas (inteligência cristalizada) enquanto ao longo dos meses são capazes de resolver problemas cada vez mais complexos (eficiência de fluido inteligente).

Mas, além do fator idade, outro aspecto diferenciador entre inteligência fluida e inteligência cristalizada é o peso da genética e do meio ambiente. Na verdade, os dois fatores influenciam ambas as inteligências, mas como já mencionamos, a inteligência fluida é muito dependente da genética e é muito hereditária, sendo difícil mudá-la uma vez que o pico máximo é alcançado na adolescência.

Em contraste, a cristalização é altamente dependente do ambiente e do aprendizado. Embora seja verdade que cada pessoa nasce com uma capacidade mais ou menos inata de memorizar conteúdos, a experiência é um aspecto que depende muito do meio em que crescemos, se é culturalmente mais enriquecedor ou se é o contrário. , tem falhas, eles nos impedem de expandir nosso conhecimento.

Referências bibliográficas

  • Shaffer, D. (2005). “Psicologia do Desenvolvimento: Infância e Adolescência. »Edição, 5ª ed. Publicação, México, DF

Deixe um comentário