A mentalidade paradoxal: o que é, como nos ajuda e como melhorá-la

É difícil para você encontrar a solução para os vários problemas? A única maneira de inovar e encontrar novas soluções possíveis é considerar todas as alternativas, mesmo aquelas que possam parecer contraditórias.

Diante de demandas diferentes, tendemos a considerar uma solução, sem considerar outras possibilidades igualmente válidas. A mentalidade paradoxal é considerar todas as alternativas, até mesmo os opostos entre elas, porque esse conflito provou ser o que abre nossas mentes e nos ajuda a inovar sendo mais criativos.

A estabilidade não é ruim, mas às vezes pode levar a ficar preso em uma ideia e não encontrar a solução. Expandir as opções nos dá mais flexibilidade, o que aumenta nossas chances de sucesso. Foi constatado em vários estudos que o exercício dessa habilidade aumenta a probabilidade de encontrar a solução correta.

Neste artigo, você aprenderá mais sobre o que se entende por pensamento paradoxal.quão útil pode ser, quais estudos comprovam sua eficácia, por que é considerado útil para o sucesso na carreira e o que podemos fazer para aumentá-lo.

Qual é a mentalidade paradoxal?

Para entender melhor o conceito de mentalidade paradoxal, vamos primeiro ver quais palavras o compõem. O paradoxo é definido como um fato que se acredita ser contrário à lógica, ou seja, um fato em que se formam dois pólos opostos que não parecem poder aparecer ao mesmo tempo ou que não parece lógico ser juntos, mas não é impossível.

Essa abordagem contraditória dá uma nova perspectiva sobre a situação, algo que pode ajudar a resolver o problema ou a apresentação de novas alternativas antes não consideradas, ajudando a ampliar as possibilidades e a apresentar um pensamento mais divergente, lateral, que traz novas ideias e rompe com a habitual consideração.

Nesse caminho, a mentalidade do paradoxo é unir, aceitar, as alternativas opostas, pois melhora a flexibilidade mental e a criatividade e, portanto, a produtividade. Quando estamos presos sem encontrar novas alternativas que possam resolver o problema, uma boa estratégia é levantar as versões opostas para ampliar as possibilidades.

A mente humana tende a escolher uma solução, aquela que se apresenta mais facilmente, e as outras possibilidades são anuladas. Por esta razão, quando essa alternativa considerada em primeiro lugar não é a correta, é difícil mudarmos de direção e tendemos a ficar presos nesta ideia. Para romper essas limitações, é preciso considerar as alternativas opostas, pois permitem uma nova visão da situação, inovando as alternativas e tornando mais provável sua resolução.

Investigações de mentalidade paradoxal

O primeiro a propor o conceito de mentalidade paradoxal foi o psicólogo Albert Rothenbergapós obter os resultados de um estudo que realizou na Universidade de Harvard para conhecer a mentalidade ou o modo de pensar dos gênios mais relevantes da época, sujeitos que mereciam o Prêmio Nobel.

Depois de entrevistar mais de 20 autores e revisar as biografias de outros que já faleceram, ele concluiu que a maioria, ao verificar e constituir suas teorias, fez diferentes formulações de opostos ao mesmo tempo.isto é, eles haviam considerado declarações contraditórias ao mesmo tempo.

Um exemplo típico dessa cognição paradoxal é a experimentada pelo conhecido cientista Albert Einstein, que propôs que, dependendo de onde o mesmo objeto fosse visto, ele poderia ser considerado móvel ou imóvel.

Para entender melhor, imagine que você está viajando de trem, na mesa à nossa frente deixamos nossa mala; Pois bem, de acordo com nossa referência, a bolsa ficará imóvel, mas se for vista por alguém que esteja fora do trem, enquanto estiver no caminho, perceberá que a bolsa está se movendo.

Dada a utilidade desse tipo de pensamento em sujeitos que contribuíram significativamente para nossa sociedade, resta saber se essa cognição também pode aparecer na população em geral, ou seja, em indivíduos com capacidades médias. Para isso, foram realizados diferentes experimentos como o teste da associação remota ou o das velas, que visam entender ou encontrar o elo oculto que possui ideias ou pensamentos diferentes, sendo necessário pensamentos divergentes.

Antes de realizar esses testes, os participantes foram solicitados a pensar em três ações ou afirmações contraditórias, como “dormir cansado em vez de acordar” que são percebidas como o oposto, mas que podem ser possíveis. No entanto, quando os dois testes foram apresentados aos indivíduos, observou-se que aqueles que haviam realizado a prática das três afirmações contraditórias anteriormente, apresentaram maior percentual de acerto na resolução das tarefas em comparação ao grupo controle que não o fez. fez o treinamento anterior.

Assim, pode-se perceber como uma simples tarefa prévia, onde o pensamento paradoxal foi exercitado, permite maior eficiência na execução dos testes subsequentes, promove maior criatividade e um maior número de soluções possíveis.

Para que serve esta forma de pensar?

Mesmo que, como vimos, essa cognição possa ser útil em diferentes áreas de nossa vida, ela tem sido sobretudo funcional para o sucesso no trabalho. Esse tipo de pensamento gera um conflito entre duas alternativas que parecem opostas, optando por afirmar ambas e sair da nossa zona de conforto. Não devemos entender o conflito como algo a ser evitado, mas nos dá a oportunidade de mudar, ganhar novas perspectivas e crescer.

Observou-se que a cognição paradoxal possibilita lidar com diferentes demandas de forma mais otimizada, ou seja, o trabalhador consegue se adaptar mais facilmente a diferentes situações e é eficaz sob pressão. É importante que essa capacidade esteja presente nos líderes, pois beneficiará todo o grupo.

As empresas podem escolher diferentes formas de agir; por exemplo, eles podem se concentrar na produtividade que os beneficiará no presente, mas dificultarão a adaptação no futuro; ou na inovação que não gera tantos ganhos no início, mas graças à qual adquire mais facilidade de adaptação antes da mudança. A mentalidade do paradoxo consiste em não escolher entre uma das ações, mas em ajustá-las à situaçãoem tempos de maior estabilidade no emprego, seja mais produtivo e mude antes de optar pela inovação.

Como valorizar a mentalidade paradoxal?

Tal como acontece com outras habilidades, embora possamos ter uma predisposição maior ou menor, podemos treinar e trabalhar para aumentá-las. Vamos ver quais estratégias podem ser úteis para conseguirmos esse aumento.

1. Usou a mentalidade do paradoxo em situações cotidianas

Para que esse tipo de pensamento apareça mais facilmente em situações mais complexas deve ou pode ser ajudado a levantá-lo primeiro em situações mais simples, é lógico pensar que quanto mais se usa, se usarmos com mais frequência, será mais fácil para finalmente apresentar automaticamente.

Acredita-se que o próprio Einstein formou sua capacidade paradoxal diante das contradições do cotidiano.. Assim, estar atentos às oposições que surgem durante o dia e considerar as duas possibilidades como igualmente válidas nos permite exercer nossa flexibilidade necessária para a resolução.

2. Não evite conflitos

Como já dissemos, o conflito, a consideração dos opostos, ajuda no crescimento e desenvolvimento de nossa capacidade criativa, paradoxalmente facilitando a concepção de novas perspectivas e podendo propor outras soluções. Assim. não evite essas contradições, aceite-as como possível e alimente-se delas. Entendendo que tudo na vida não é branco ou preto, podemos encontrar as duas cores juntas.

3. Contemple as diferentes possibilidades da situação

Escolher a primeira solução que vem à mente, a solução que parece óbvia, não nos ajuda em nada, o que dificulta realmente encontrar a resposta certa. Diante de uma ação judicial, considere todas as alternativas possíveis, mesmo aquelas que são contraditórias entre si e parece impossível conceber juntos, pois assim abrimos nossas mentes e é mais fácil tomar a resolução certa.

A estabilidade às vezes pode ser boa, mas também pode nos bloquear e que não enxerguemos além da mesma solução, inovemos e levemos em consideração as possibilidades que possam parecer contrárias a você.

4. Ativa a cognição paradoxal

Três passos foram propostos para ativar o pensamento paradoxal e, portanto, ser mais criativo: primeiro formular a pergunta de maneiras diferentes, nem sempre repeti-la da mesma maneira, porque você só poderá bloqueá-lo mais, tente colocar de forma positiva e negativa ou mudar os termos; que o conflito não te assuste, pode parecer que propondo os opostos atrapalhamos a resolução ou agimos contra nós, mas longe de ser isso nos beneficiamos; e sair da zona de conforto, abrir a mente e aceitar outras possibilidades é a única forma de inovar e trazer novas respostas.

Referências bibliográficas

  • Heracleous, L. & Robson, D. (2020) Por que a ‘mentalidade paradoxal’ é a chave para o sucesso. vida profissional da BBC.
  • Miron, E.; Ingram, A., Keller, J., Smith, WK e Lewis M. (2017) Microfundamentos do Paradoxo Organizacional: Mentalidade Paradoxa, Recursos Limitados e Tensões. Anais da Reunião Anual da Academia de Administração.
  • Yanjun, L. (2019) Prosperando no trabalho: como uma mentalidade paradoxal influencia o comportamento de trabalho inovador. O Jornal de Ciências Comportamentais Aplicadas.

Deixe um comentário