Os 3 níveis de agressão do casal (e seus perigos)

Há uma série de comportamentos agressivos que infelizmente ocorrem com bastante frequência em membros de diferentes idades, razão pela qual passaram a ser categorizados no que se conhece como “níveis de agressão em um casal” que permitem verificar a qualidade e a saúde de um casal.

Os níveis de agressividade no casal ao nos oferecer a possibilidade de medir a qualidade de um casal nos permite ver que um relacionamento é tóxico e assim perceber que quando certos limites são ultrapassados, talvez faça mais sentido terminar um relacionamento porque do risco de que esses comportamentos se transformem em comportamentos mais sérios.


Neste artigo, explicaremos brevemente em que consistem os diferentes níveis de agressão no casal. e quais são alguns dos comportamentos que ocorrem frequentemente em cada um.

    Níveis de agressão no casal (explicações)

    Em qualquer casal há certos conflitos, há discussões que podem levar a certos altos e baixos e até chegar a dizer certas palavras ofensivas que causarão remorso por parte da pessoa que as disse. Embora não nos orgulhemos disso, é normal que às vezes venhamos a ter tais discussões, é comum que a situação não se agrave ou que nem parte do casal.

    No entanto, existem algumas pessoas que ultrapassam os limites de respeitar seu parceiro e eles passam a agir agressivamente em diferentes níveis, tanto fisicamente quanto psicologicamente, o que corrói seu relacionamento e causará grande desconforto à outra pessoa.

    Quando esses limites são ultrapassados, é comum que a agressão aumente, dando origem a vários comportamentos categorizados nos diferentes níveis de agressão do parceiro existente e, portanto, seria melhor desacelerar esses ciclos de agressão antes que eles se instalassem. . .nível.

    Esquematicamente, explicaremos a seguir os três grandes níveis de agressão ao casal, dentro dos quais se agrupam um conjunto de comportamentos que transformam um relacionamento em um relacionamento do tipo tóxico. Esses níveis são classificados em ordem crescente de acordo com o grau de violência infligido ao casal, sendo um membro geralmente o agressor e o outro o agressor, embora pode haver abuso recíproco.

      Nível 1: agressão simbólica

      O primeiro nível de agressão em um casal é onde ocorre uma classe de agressão chamada “agressão simbólica”. Nesse primeiro nível de agressão ao parceiro, ocorre sobretudo a violência psicológica, sem que tenha ocorrido agressão física..

      Quando há agressão simbólica em um casal, é porque existem comportamentos como os descritos abaixo ou semelhantes. Quando há certos níveis de agressividade no casal, dando uma agressão simbólica, pode ser que uma das partes do casal seja ridicularizada em público várias vezes pelo parceiro, pois além disso, é normal que a parte ridicularizada se sinta humilhada .

      Por outro lado, a agressão simbólica é muitas vezes alvo de piadas de mau gosto que podem ofender os sentimentos da outra parte, bem como o uso frequente pelo agressor de frases ofensivas à outra parte do casal. Às vezes pode acontecer que a parte agressiva do casal tenha ido tão longe a ponto de ameaçar o casal.

      Quando comportamentos como os que acabamos de mencionar ou semelhantes se estabelecem entre os membros de um casal, podemos dizer que o relacionamento começa a ser tóxico, então é muito importante que a parte abusada e assediada termine antes que o abuso vá mais longe.

      Nos casos mais extremos de violência neste nível (por exemplo, há ameaças), a parte afetada provavelmente precisará procurar assistência jurídica por vários motivos. A primeira é que esse tipo de comportamento deve ser intolerável e, segundo, o risco de que essas ameaças acabem sendo carregadas pelo membro agressor do casal.

        Nível 2: Agressão Coercitiva

        O segundo nível de agressão contra o casal é o de “agressão coercitiva”, onde os níveis de violência aumentaram em relação a quando havia um nível de agressão simbólica.

        Quando há violência coercitiva, os níveis de agressão contra o parceiro são consideravelmente mais graves do que no nível anterior, sendo frequente, há abuso emocional e pode até acontecer a nível físico também.

        Nesse nível, é comum haver comportamentos como proibir a parte abusiva do parceiro de fazer certas coisas, como sair com os amigos da festa, conversar com certas pessoas, entre outras, de modo que sua liberdade parece muito limitada. Portanto, nesses casos, o abusador exerceria controle sobre a parte abusada, podendo acabar espionando seu parceiro por uma necessidade urgente de saber o que está fazendo a todo momento.

        Nos casos mais extremos pode haver intimidação por parte do agressor em relação ao parceiro para assustá-lo e torná-lo mais submisso. com as suas imposições ou podem mesmo chegar ao limite do recurso à agressão física.

        Aqui veríamos uma relação completamente tóxica em que a parte abusada deve terminar imediatamente porque sua integridade física e mental está em perigo. Diante desse tipo de relacionamento, é difícil sair dele, pois muito provavelmente o agressor do casal não aceitará que seu parceiro queira sair do relacionamento e agir de forma ainda mais violenta. É comum o agressor perseguir a outra pessoa quando esse relacionamento termina, ou ele também pode estar se desculpando para lhe dar outra chance.

        Nesses casos, é provável que o afetado tenha que fazer uma denúncia para buscar proteção, pois, diante desses níveis de agressão no casal, é possível que eles corram o risco de sofrer agressões futuras por terem se recusado a atender o agressor. terminar o relacionamento.

          Nível 3: agressão direta

          O terceiro nível de agressão contra o casal é o que se chama de “agressão direta”, onde ocorreram abusos constantes e extremos.

          Quando esses níveis de agressão são impostos ao casal, as agressões físicas geralmente ocorrem de forma contínua, podendo ser diárias, assim como ameaças de todos os tipos. (por exemplo, ameaças de chantagem). Nesses casos, é comum que a pessoa abusada se sinta intimidada pelo medo de novas agressões do parceiro.

          Nesses casos, também poderiam ocorrer os outros comportamentos característicos dos outros dois níveis de agressão ao casal que vimos acima, portanto, podemos ver que estaríamos diante do nível mais grave de abuso e assédio que pode ocorrer no casal . casal. demais comportamento agressivo muito cruel pode ocorrer, como seria o caso da violência indireta, que ocorre quando se pretende prejudicar o parceiro por meio de comportamento violento em relação a um ente querido (por exemplo, seu filho).

          Há exemplos bem conhecidos nos noticiários de violência indireta em que um pai sequestrou seus filhos para fazer sofrer seu ex-parceiro, em alguns casos até cometendo o assassinato de seus filhos, o que mostra a expressão mais cruel e implacável possível que pode haver todos os níveis de agressão no casal.

          Em tais casos é crucial que a parte abusada termine seu relacionamento antes que seja tarde demais e peça ajuda. O mais comum destes casos é que o interessado necessite de assistência jurídica (por exemplo, de um advogado e/ou de uma associação que colabore em casos de violência doméstica), tendo de apresentar queixa na esquadra, bem como a ajuda de um profissional de saúde mental, seja um psicólogo ou um psiquiatra.

          Referências bibliográficas

          • Conca, ML (2013). Ajustamento diádico ao casal: revisão teórica. Psicopatologia Clínica Forense e Forense, 13(1), p. 177-189.
          • Muñoz, JM & Echeburúa, E. (2015). Diferentes formas de violência na relação: implicações para a avaliação psicológica forense no contexto jurídico espanhol. Anuário de Psicologia Jurídica, 26, pp. 2-12.
          • Navarro, J. (2015). Violência nas relações íntimas: uma perspectiva clínica. Barcelona: Editorial Herder.

          Deixe um comentário