Os 3 elementos psicológicos da responsabilidade

Em psicologia, o termo “responsabilidade” refere-se a grau em que uma pessoa estava ciente de seus atos criminosos e sua disposição para fazê-lo.

Esta ideia é muito importante no processo judicial, pois consoante o responsável seja ou não a pessoa do seu comportamento, pode ser condenado ou dispensado do pagamento.


Por outro lado, a responsabilidade é um aspecto que é sempre levado em consideração na prática de qualquer crime e, sendo de natureza puramente psicológica, é uma das principais áreas de intervenção da psicologia forense. Nós descobrimos o porquê abaixo.

    O que é responsabilidade do ponto de vista da psicologia?

    Em psicologia forense, a responsabilidade é entendida como a capacidade de uma pessoa ser considerada responsável por uma transgressão legal que possa ter sido cometida. Esta é uma das áreas em que os psicólogos forenses são mais úteis na administração da justiça, mas isso não significa que seja função do psicólogo determinar se uma pessoa é responsável por seus atos ou não.

    A decisão de responsabilizar alguém cabe à administração da justiça, que conta com a perícia de psicólogos forenses e, portanto, toma uma decisão informada.

    A ideia de responsabilidade é antiga, encontramos nos textos legislativos dos gregos, romanos e até mesmo na lei hebraica.. Desde que essa ideia existe, os sistemas judiciários em todo o mundo incorporaram diferentes variações dela ao longo do tempo. O conceito central desta ideia é que um ato criminoso só pode ser punível se aquele que o cometeu tiver capacidade para reconhecê-lo como tal e tiver optado livremente por praticá-lo.

      Elementos psicológicos envolvidos na capacidade de entender o que está sendo feito

      Para que um ato seja reconhecido como imputável, o indivíduo deve ser capaz de compreender que sua conduta ou omissão constitui crime e que acarreta sanção penal. Para alcançar esse entendimento, o indivíduo deve ter três capacidades ou dimensões, embora as duas primeiras sejam consideradas fundamentais.

      1. Cognitivo

      Habilidade cognitiva é sinônimo de inteligência. Refere-se a a capacidade do indivíduo de compreender e integrar informações do ambiente, entenda o que está acontecendo ao seu redor.

      Dependendo do grau de inteligência do autor do crime, ele estará ciente da natureza ilícita de seus atos e das consequências de seu comportamento.

        2. Vontade

        Capacidade voluntária refere-se à disposição do sujeito em agir de acordo com seus desejos ou intenções, isto é, se ele deliberadamente agiu ilegalmente. Esta dimensão está ligada aos aspectos motivacionais do comportamento e consiste em dois aspectos principais:

        • Predisposição ou potencial para cometer um crime.
        • Capacidade de agir de acordo com o que as leis esperam do indivíduo.

        3. Judicial ou julgamentos

        A capacidade judicial refere-se a a capacidade do indivíduo de decidir e expressar um comportamento de acordo com seus critérios e seu interesse pelos problemas gerados pelo ambiente. Esta terceira dimensão às vezes é combinada com a dimensão volitiva.

          Quem é o culpado em uma ação judicial?

          Assim, levando em consideração essas três dimensões, consideramos que uma pessoa é imputável a um ato ilícito quando o cometeu sabendo o que estava fazendo, que o fez em plena liberdade e com a clara intenção de realizá-lo. .

          Essa ideia de responsabilidade é a mesma que rege a maioria dos códigos penais das nações democráticas., embora com as suas variantes, e em caso de falta de alguma dessas capacidades, o autor do crime de responsabilidade penal é exonerado.

          No caso espanhol, a imputabilidade é delimitada no artigo 20 do código penal, nos pontos 1 e 2e:

          1 Quem, no momento de cometer a infracção penal, por qualquer anomalia ou alteração mental, não possa compreender a ilegalidade do facto ou agir nos termos do presente contrato.

          Transtornos mentais transitórios não o impedirão de sofrer quando ele havia sido provocado pelo sujeito com o propósito de cometer o crime ou havia previsto ou teve que prever seu cometimento

          2 ° Que, no momento da prática do crime, se encontre em estado de intoxicação total pelo consumo de bebidas alcoólicas, drogas tóxicas, entorpecentes, substâncias psicotrópicas ou outras substâncias de efeito semelhante, desde que ” não o estivesse procurado com o propósito de cometer ou sua comissão não foi planejada ou deveria ter sido planejada, ou está sob influência de síndrome de abstinência, em razão de sua dependência dessas substâncias, o que o impede de compreender a ilegalidade do fato ou de atuar em de acordo com este entendimento. “

          Quem é o responsável por avaliar essas capacidades?

          Os profissionais responsáveis ​​por avaliar as capacidades psicológicas relacionadas à responsabilização são psicólogos forenses.

          Embora a responsabilidade em si seja um conceito legal, existem muitos aspectos psicológicos que podem afetar a responsabilidade de uma pessoa por um crime. Entre esses aspectos psicológicos ou determinantes de seu comportamento, temos transtornos mentais como transtornos de personalidade, dependência de drogas, deficiência intelectual, intoxicação …

          Mas, como discutimos anteriormente, os psicólogos não são responsáveis ​​por avaliar se um indivíduo é ou não atribuível a um crime. A figura do psicólogo forense não requer defesa nem juiz, pois a responsabilidade legal cabe aos juízes.. O que os psicólogos forenses fazem é estabelecer causalidade psíquica entre o acusado e os atos cometidos, entendidos como imputabilidade psíquica.

          Determine até que ponto um indivíduo é responsável por seu próprio comportamento uma avaliação completa é necessária para ver se há um transtorno mental que o explique ou qualquer outra condição psicológica relevante para o caso..

          Além disso, é imprescindível uma análise que determine como esse transtorno diminuiu a capacidade do indivíduo de compreender a ilegalidade do ato e / ou sua capacidade de agir de forma diferenciada, estabelecendo uma relação causal entre o transtorno e o crime cometido.

          Deve-se notar que durante a avaliação forense não apenas a inteligência e a vontade do sujeito são levadas em consideração na prática do crime. A mente e o comportamento humanos são muito complexos para serem reduzidos à consciência do sujeito de suas ações e se houve um desejo expresso de cometer o crime. Como acontece com qualquer avaliação psicológica, primeiro é necessário estudar o caso tendo em conta as suas particularidades, para desenhar uma avaliação acurada e, com base nos dados obtidos, preparar uma perícia psicológica..

          Causas de responsabilidade

          São várias as causas pelas quais um indivíduo não tem consciência de seu comportamento ou não compreende a gravidade da situação. A responsabilidade ou irresponsabilidade do sujeito em relação ao ato criminoso que cometeu determina a presença ou não de responsabilização e, também, determina as suas causas. No caso da Espanha e de muitos países desenvolvidos, um sujeito não será responsável por conduta típica e ilegal quando qualquer uma das seguintes circunstâncias ocorrer:

          • Distúrbio mental
          • Deficiência intelectual
          • Grave perturbação da consciência
          • Ser menor de 16 anos

          1. Transtornos mentais, psicoses e psicopatias

          Os transtornos mentais, também chamados de doenças mentais no campo jurídico, correspondem à denominação geral de qualquer transtorno mental importante de origem orgânica ou emocional.

          No campo jurídico, são entendidos como condições caracterizadas por perda de contato com a realidade e frequentemente com alucinações e delírios. No caso da psicose, haveria uma alteração da inteligência, enquanto nas psicopatias haveria uma alteração da personalidade.

          Em psicologia forense, para determinar se existe ou não um transtorno mental e como ele influencia a responsabilidade de um indivíduo pelo crime cometido, os seguintes critérios são geralmente Acompanhamentos:

          • Biológico ou psiquiátrico: basta o diagnóstico para determinar a imputabilidade.
          • Psicológico: basta a manifestação da anormalidade no momento do crime.
          • Misturado. O juiz determina a imputabilidade com base no diagnóstico psiquiátrico de acordo com o momento da manifestação da anormalidade.

          2. Deficiência intelectual

          A deficiência intelectual envolve uma grave falta de inteligência, também conhecida como oligofrenia (de “oligo”, “pouco ou nenhum” e “phreen”, “inteligência”). No campo jurídico, seria definida como qualquer síndrome neurológica que envolva um déficit intelectual acentuado, seja congênito ou adquirido precocemente, e que tem um impacto global na personalidade e no grau de independência da pessoa afetada. Essa situação pode ocorrer pelos seguintes motivos:

          • Genética: déficit intelectual explicado pelas leis de Mendel.
          • Alteração cromossômica (por exemplo, trissomia 21, trissomia 18, Turner, Klinefelter …)
          • Germes: causa exógena no pré-parto (sífilis), parto (asfixia) ou pós-parto (queda acidental do recém-nascido)

          Surdez e cegueira também cairiam nesta circunstância, desde que seja desde o nascimento. Embora essas duas condições não sejam sinônimos de deficiência intelectual, considera-se que uma pessoa que nasce com problemas de surdez e cegueira, principalmente se ocorrerem em associação como é o caso dos surdos-mudos, não desenvolverá totalmente sua inteligência ou capacidade conhecer seu entorno, razão pela qual, embora exibam inteligência na normalidade, seriam tratados como oligofrênicos.

          3. Grave perturbação da consciência

          Com grave perturbação da consciência, referimo-nos ao facto de quem cometeu o crime ele estava sob a influência de algo ou alguém que o impedia de agir conscientemente. O sujeito se encontrava em uma situação em que sofreu uma profunda alteração na percepção da realidade. Nesse tipo de circunstância, encontramos:

          1. Intoxicação por álcool

          Os efeitos do álcool diminuíram os processos cognitivos do sujeito e reduziram seu controle voluntário sobre os atos ocorridos no momento da prática do crime. Nesta circunstância, existem diferentes categorias.

          • Fortuito: involuntário. É a ingestão de uma quantidade excessiva de álcool para o sujeito que causou intoxicação aguda. Ele está isento.
          • Culpado: voluntário. Ingestão ocasional ou usual sem moderação, mas sem intenção de intoxicação. É atenuante.
          • Delicioso: voluntário e premeditado. Ingestão com a clara intenção de, posteriormente, cometer um crime e obter isenção do mesmo.

          Ao mesmo tempo, dependendo do grau de intoxicação manifestado pelo sujeito no momento da prática do crime, temos: Plena ou completa: é o estado de confusão em que o sujeito está totalmente embriagado e privado de inteligência e vontade; semi-completo ou incompleto: o sujeito tem certa capacidade de querer e entender o que está fazendo, mas não de forma lúcida.

          Se a embriaguez for fortuita e completa, considera-se isenta de responsabilidade, enquanto se for parcial, é mitigada.. Se ela for culpada, ela se declara culpada e, se for intencional, é considerada um crime totalmente consciente.

          2. Sono

          Durante o sono, surge uma situação que impede a capacidade de compreender e saber e, portanto, não haveria culpa.. Um exemplo dessa situação seria a mãe esmagando o bebê.

          O sonambulismo também estaria incluído nessa situação, um distúrbio do sono caracterizado pela capacidade do sujeito de realizar atos típicos do estado de vigília, apenas por estar profundamente adormecido. É considerada uma situação atribuível.

          Menção especial obriga o caso de hipnose, estado de profunda sugestão que, via de regra, também é atribuível, desde que ele tenha agido se comportando como instrumento daquilo que o hipnotizador ordenou à sua vítima.

          3. Dor extrema e estados de paixão

          Certas condições médicas podem alterar temporariamente a vontade e a inteligência da pessoa afetada. Dor extrema é considerada um alívio e, caso isso destrua o motivo ou faça com que a pessoa afetada se abra como se tivesse entrado em um episódio de psicose, geralmente é dispensado. O estado apaixonado diminui.

            Utilidade social para determinar a responsabilidade

            Você pode pensar que não importa o quão consciente um indivíduo esteja ao cometer um crime, quando se trata de penalizá-lo por isso. Cometer um crime tem certas consequências sociais que vão além da vontade e inteligência do perpetrador e, por isso, o fato de sofrer de transtorno mental ou deficiência intelectual não seria desculpa suficiente para reduzir sua pena ou isentá-lo de um crime.

            Essa ideia geralmente se baseia na crença de que a lei e a punição são feitas para vingar o comportamento repreensível de quem cometeu um crime. Muitos ainda veem a prisão e as medidas punitivas hoje como simples punições por darem seu próprio remédio a quem fez o mal, quando na realidade essas medidas visam reintegrar o indivíduo e fazê-lo refletir sobre seu comportamento., Entender o que ele fez de errado para poder impedi-lo de fazer isso novamente.

            No caso de pessoas com deficiência de vontade e inteligência, se não entenderem o que fizeram de errado ou se seu comportamento for resultado de um transtorno mental, o que eles precisam não é de prisão, mas de tratamento especial para suas condições psicológicas.

            Eles também precisarão de um programa educacional para mostrar a eles por que seu comportamento foi legalmente errado e fornecer-lhes as ferramentas e estratégias para evitar que cometam novamente. Condenar alguém que não tem conhecimento de suas ações é uma medida extremamente improdutiva, que não garante que o sujeito não fará mais mal.

            Referências bibliográficas

            • Código Penal [CP]. Lei 281 de 1995. Artigo 20. 23 de novembro de 1995 (Espanha)
            • Maple, Ramon & Novo, Mercedes & Chère, Barbara. (2014). Avaliação psicológica forense da responsabilização.
            • Cabrera, J. e Fuertes, JC (1997). Psiquiatria e direito: duas ciências necessárias para compreender uma a outra. Madrid: leitura editorial.
            • Carbonell, JC, Gómez, JL e Mengual, JB (1987). Doença mental e crime. Aspectos psiquiátricos, penais e processuais. Madrid: Civitas.
            • Torre, J. de la (1999). Responsabilidade penal em psicopatologias: avaliações judiciais e jurisprudenciais. Studies in Psychology, 63-64, 163-173.

            Deixe um comentário