O perfil psicológico típico do terrorista

Cada vez que há um ataque terrorista, todos fazem a mesma pergunta: “Como eles puderam fazer uma coisa dessas?” É necessário ter algum tipo de psicopatologia para realizar tais atos? Qual é o perfil dessas pessoas? Como alguém é capaz de perder a vida por um ideal?

O fator da aparente irracionalidade dos terroristas é o que mais confunde as vítimas, que não encontram explicações lógicas nas ações realizadas.


Terrorismo e doença mental: mito ou realidade?

Para começar, é importante saber que não há transtorno mental específico para essas pessoas do ponto de vista da psicologia clínica. Eles não são psicopatas. Portanto, no sentido jurídico, eles são pessoas totalmente responsáveis ​​legalmente. Eles estão cientes de suas ações, tanto na responsabilidade quanto na capacidade de governar sua vontade. No entanto, alguns psicólogos falam de patologia social ou política. Eles tendem a se sentir culpados por causa de suas crenças. Eles são considerados mártires. Neles, o pensamento dicotômicoIsso quer dizer “ou você está comigo ou você está contra mim”.

Sua capacidade de matar ou perder a própria vida pode ser decorrente de um contexto histórico ou ideológico, promessas de ascensão ao céu, ratificação social ou simplesmente bem-estar para si e / ou sua família. A intenção do terrorista vai muito além do simples assassinato múltiplo. Seu objetivo isso inclui provocar o efeito psicológico do caos, produzindo desamparo, desespero, terror, Medo, insegurança. O terrorista acredita que tem um objetivo, pode até vir a se ver como um salvador da sociedade.

O típico perfil terrorista

O perfil geralmente é um menino de 20 a 35 anos. As dificuldades de adaptação social dessas gerações podem favorecer esses atos provocativos que chegam a dar vida a valores, sem que isso seja um transtorno psiquiátrico em si. Geralmente são filhos de imigrantes que agora vivem no Ocidente, mas não se adaptaram (ou não os deixaram) no sistema ocidental.

Eles não são diferentes de nós. Na verdade, seres humanos em situações extremas são capazes de realizar tais atividades com absoluta normalidade. Um exemplo? As Guerras Mundiais ou a Guerra Civil Espanhola. Sem falar em situações sociais e políticas como o Holocausto nazista. Neles, você poderia matar o vizinho apenas por estar do outro lado. É aqui que surge o conceito de categorização social, onde a categorização nos torna “nós” e “eles”.

Quanto ao grupo, existem pressões de grupo e distorções de percepção do grupo. Existe uma generalização exagerada, em que tudo gira em torno de suas crenças e pensamentos. Sua ideologia pode vir a dominar o que eles fazem e o que pensam. Eles consideram seu grupo superior e a necessidade de obter controle e poder. Eles sentem seu status de grupo, eles têm laços morais, religiosos ou nacionalistas.

Ideologia, dogmatismo e irrealização

Eles passam por um processo de lentamente se desconectar da realidade, bem como um perda de empatia com suas vítimas. Eles têm um forte senso de pertencimento e coesão de grupo. São indivíduos que não agem de forma isolada e individual. Dentro do grupo, as necessidades pessoais são atendidas que a sociedade não tem fornecido para eles. Eles trazem valores, motivações e até esperança. Bem como a possibilidade de desempenhar um papel nas ações do grupo. Tudo isso pode até levar ao reconhecimento e prestígio que nunca tiveram, tornando-se uma motivação existencial e uma busca pela aceitação do grupo.

O grupo cobre suas necessidades de comunicação, para serem ouvidos. Assim, acabam criando ideias compartilhadas dentro do grupo e, com isso, fortalecendo a coesão dos integrantes. que significa maior identificação do grupo, maior obediência, pela necessidade de continuar pertencendo ao grupo e até mesmo a capacidade de se envolver em algum tipo de conduta que produza resultados visíveis na sociedade para mostrar seu compromisso com “o deles”.

Fanatismo e os fatores psicológicos que o desencadeiam

Pode surgir em momentos de pressão máxima o que em psicologia se denomina “visão em túnel”, ou seja, em uma situação de perigo ou alta atividade, com pressão física e mental, a visão simplesmente foca em um objeto comum ou perigo (neste caso seria a sociedade ocidental). Hierarquias, disciplina ou respeito à autoridade fazem parte das regras do grupo que são estabelecidas. A mesma pressão do grupo exige a ausência de dúvidas e críticas.

O assunto às vezes ele se vê como uma vítima do sistema, apresentando sérios problemas de identidade. Muitos nasceram no Ocidente, onde não se sentem integrados. Eles também não sentem. Isso, junto com as redes sociais, promove o recrutamento de jovens que precisam obter uma identidade, um futuro, um sentido na vida.

Eles são fãs? Talvez. Nós, ocidentais, também. Também bombardeamos suas cidades sem nenhum problema, só porque éramos “eles” e não “nós”. Tudo isso não deve ser confundido com lavagem cerebral. O simples sentimento de pertencimento pode levar à radicalização dos sujeitos, um grande exemplo básico são os radicais de times de futebol.

Resumidamente, o homem-bomba é feito, não nasce.

Deixe um comentário