Avaliação forense de habilidades parentais: o que são e como são avaliadas

Nos processos de separação e divórcio em que existam menores, é prática comum buscar a intervenção de um profissional de psicologia forense para explorar as habilidades parentais dos pais.

Mas o que exatamente eles são? Como é determinada a capacidade ou incapacidade dos pais? Como ela é objetivada?


    A importância do contexto familiar no desenvolvimento físico e psicológico

    Apesar da diversidade de definições do construto família, a maioria dos autores concorda que se torna o núcleo onde se dá a maior parte da aprendizagem através das relações que se estabelecem entre os sistemas que o compõemisto é, o sistema parental e o sistema filial. Assim como o objetivo principal deste último sistema é o desenvolvimento, o sistema parental deve garantir o bom amadurecimento dos filhos, acompanhando-os em seu processo de individuação.

    No entanto, para que tal acompanhamento seja dado adequadamente, não basta atender às necessidades básicas, como alimentação ou higienemas os pais precisam de competências e habilidades específicas que possam conter as ansiedades de seus filhos e também suprir suas necessidades nutricionais, educacionais, de socialização e proteção, ou seja:

    • Oferecer experiências sensoriais, emocionais e afetivas que permitam às crianças construir vínculos seguros (necessidades nutricionais).
    • Promover a aprendizagem e o desenvolvimento cognitivo, privilegiando a autonomia dos menores (necessidades educativas).
    • Deixe-os modelar como sentir, pensar, fazer e se relacionar pelo exemplo, pois tudo isso afetará como as crianças se sentem, pensam, agem e se relacionam (necessidades de socialização).
    • Que ofereçam proteção adequada aos menores de contextos externos, familiares e sociais que possam prejudicá-los diretamente ou alterar seu processo de amadurecimento, crescimento e desenvolvimento (necessidades de proteção).

      Competência dos pais

      Para levar a cabo a tarefa de responder eficazmente a todas estas necessidades, os pais devem ser capazes de se relacionar adequadamente com seus filhosser capaz de mentalizar seus estados emocionais, ser sensível e acessível e engajar em sua atenção emocional.

      Da mesma forma, devem saber aplicar a disciplina positiva, orientar e orientar os mais pequenos, ao mesmo tempo que promovem a aprendizagem e oferecem garantias de segurança física, emocional e social. Eles devem ser competentes.

      Assim, competência parental é o conjunto de habilidades e habilidades pessoais que, quando aplicadas corretamente, promover o cuidado multidimensional, proteção e nutrição das crianças, garantindo seu desenvolvimento físico, cognitivo, social, emocional e pessoal saudável.

      Assim, o uso do estilo cognitivo, emocional, psicológico e social característico dos pais em cada situação, passará a ser sua competência para exercer uma parentalidade que pode ser saudável ou ineficaz dependendo da qualidade dessas particularidades.

        Como essa habilidade é avaliada?

        Uma vez que os pais receberam cuidados específicos de seus próprios pais, as características idiossincráticas de cada pai devem ser levadas em consideração na avaliação das habilidades parentais, bem como sua história pessoal em relação aos laços tecidos em sua família de origem.

        Para tanto, é realizada uma entrevista de anamnese que coleta informações sobre os estilos educativos recebidos na infância, as relações de apego vivenciadas na família de origem, a história evolutiva da pessoa avaliada e as mais relevantes para sua trajetória de vida. . É claro que, de acordo com o que o profissional de medicina legal julgar apropriado em cada caso, ele aprofundará aspectos como vinculantes, educacionais, psicopatológicos, sanitários, etc.

        Além dessa análise essencial, um exame psicológico completo será necessário para determinar o estado emocional dos cuidadoresbem como as características pessoais e/ou psicopatologias que possam existir, permitindo determinar se estas podem interferir negativamente no exercício da sua parentalidade.

          A importância da objetividade

          Como peculiaridade do campo forense, cabe destacar que, assim como no campo do atendimento clínico, o conhecimento da ontogenia do indivíduo e de suas características pessoais por meio da entrevista clínica pode ser suficiente, para a avaliação forense da capacidade parental, é necessário que o acima exposto seja objetivadopara que outro profissional, se necessário, possa replicar a análise realizada.

          Por isso, são administrados instrumentos psicométricos de comprovada confiabilidade e validade que avaliarão a parentalidade por meio de diversos indicadores, como o nível de conhecimento que os pais têm sobre como agir em determinados eventos críticos que ocorrem no cuidado diário dos filhos, sua capacidade de propor e utilizar soluções eficazes adaptadas a cada situação, a sua capacidade de reconhecer os sentimentos das crianças em diferentes contextos e o seu potencial comunicativo, ajustando as suas expressões ao nível de compreensão das crianças.

          Embora as competências parentais sejam da maior importância dado o impacto que têm no desenvolvimento e bem-estar dos menores, nas separações e divórcios onde existe um elevado nível de conflito entre os adultos. é comum que essas habilidades e habilidades sejam severamente prejudicadas.

          Além disso, o confronto entre os dois pode acabar eclipsando e obscurecendo a relevância da competência parental, questionando até mesmo a capacidade dos pais como meio de obter algum tipo de vantagem na guarda e guarda dos filhos.

          Tudo isso torna essencial enfatizar a importância da avaliação psicológica forense das habilidades parentais, ajudar a diferenciar os papéis que os adultos desempenham no sistema parental e no sistema conjugal.

          Referências bibliográficas

          • Barudy, J. & Dantagnan, M. (2010). Os desafios invisíveis de ser pai ou mãe. Gedisa.
          • Online Bricklin, B. (1995). O Manual de Avaliação de Custódia. Soluções e aplicações baseadas em pesquisa. Nova York: Brunner/Mazel.
          • Gómez, E. & Muñoz, M. (2014). Escala parental positiva. E2P. Fundação de ideias para crianças. Pinto, C., Sangüesa, P. & Silva, G. (2012). Habilidades parentais: uma visão integrada de abordagens teóricas e metodológicas. Revista eletrônica de psicologia, 24.
          • OnlineRosich, C. (2001). Qual é a família? In: Perez Testor, C. comp. (2001). A família: novas contribuições. Barcelona: Edebé-Blanquerna (Innova Universitas).

          Deixe um comentário