6 estratégias de manipulação utilizadas pelos agressores

Escrevo este artigo como uma ferramenta para a pessoa abusada identificar as armas que uma pessoa abusada pode usar para que a vítima a perdoe e retome o relacionamento.

Em muitos casos, quando o agressor comete o ato de abuso, ocorre uma série de comportamentos que podem se repetir com o tempo e se repetir à medida que passam de um indivíduo para outro.

Quando os perpetradores manipulam suas vítimas

Acho que pode ser útil fornecer esse material às vítimas de abuso, para que, uma vez ocorrida a agressão, elas tenham em mente que esse tipo de estratégia pode ser usado pelo torturador; fica, portanto, mais fácil perceber que é de fato um modus operandi muito comum no perfil dos agressores e, portanto, eles vão aumentar as chances de prevenir esses episódios e responder a eles de forma adequada.

1. Raiva como resposta

Muitas vezes, o agressor é o ofendido e indignado ao virar da esquina e sem argumentos que sustentem sua defesa, buscando com essa atitude que é a vítima quem acaba se responsabilizando pelos atos e se desculpando.

2. Faça luz de gás

Essa estratégia consiste em fazer alguém duvidar de seus sentidos, de sua forma de raciocinar e até mesmo da realidade de suas ações.. A pessoa tenta fazer a vítima duvidar de si mesma, apresentando dados falsos, negando a realidade com expressões como “eu não disse isso”, “não era assim que você é. ‘Explique’ ou ‘não lembra que começou ? “

O perpetrador diz que aconteceram coisas que realmente não aconteceram com firmeza e segurança geralmente muito críveis, de modo que a vítima acaba se perguntando se o que ela passou foi realmente como ela era. De repente, ele se pega pensando “bem, sou só eu, estou exagerando” ou “talvez ele esteja certo”, duvidando dos fatos, de sua sanidade e do que ouviu. É uma técnica manipulativa que busca na outra pessoa o sentimento de “vou ver coisas onde não há ou estou histérica”. No final das contas, a vontade da vítima é anulada e a percepção de sua realidade é distorcida.Às vezes, a tal ponto que cabe à própria vítima que acaba se desculpando. Assim, o agressor aproveita qualquer situação de instabilidade emocional do agressor para demonstrar sua vulnerabilidade psicológica: “Você vê como você está superando esse absurdo?”; “Você está louco” “um psiquiatra precisa ver você” etc.

Bem, uma das respostas a essa técnica pode ser anotar os detalhes do que aconteceu logo após o ataque, que serão usados ​​para descobrir como o conflito se desenrolou. Dessa forma, a vítima terá motivos mais convincentes para acreditar em seu lado dos acontecimentos, mesmo que a outra pessoa insista que as coisas não aconteceram dessa forma.

3. O que eu fiz porque quero você

Também é muito comum utilizar o conceito de “amor” como arma, e este tenta convencer a vítima de que os atos cometidos foram consequência do amor que sente por ela. “Desliguei porque estava com ciúmes”, “claro que te amo tanto que não consigo imaginar minha vida sem você”, “se você não for tão importante para mim, eu não o serei.

Aqui você tem que ter muita clareza sobre “quem te ama, vai te fazer amar” e deixar de lado as idéias de que ciúme, posse e controle são sinais de amor.

Se alguém te bate, eles não te amam. Se alguém faz você se sentir inferior, eles não querem você. Se alguém está abusando de você, eles não querem você.

4. Tornar a vítima responsável pelos eventos

A culpa é outra das estratégias mais comuns no perfil do agressor após uma agressão. Verbalizações como: “você já procurou”, “você provocou”, “se você sabe como estou, por que está me dizendo isso?” costumam ser usados ​​para que a pessoa maltratada acabe acreditando que foi ela quem promoveu a situação e que mereceu as consequências.

5. Chantagem emocional

Este tipo de estratégia consiste em manipulação em que o agressor ameaça a vítima com uma série de consequências catastróficas o que vai acontecer se ela não fizer o que ele quer. Mensagens como “se você me deixar, eu me mato”, “já que você não volta comigo não sou responsável por minhas ações”, “sem você não sou nada”, etc. Geralmente aludem aos pontos fracos da vítima e servem para vitimar para que no final a pessoa maltratada sinta pena, tristeza ou medo e os perdoe, caso contrário se sentiria culpada.

Para combater a chantagem emocional, precisamos ser muito claros sobre o que eles estão fazendo conosco. Proponho fazer uma lista de todas as ameaças que achamos que podem ser usadas e lembradas, para que, quando ocorrerem, você esteja ciente da técnica utilizada e seja capaz de agir.

6. Promessas de mudança

Mostre remorso e jure e perjúrio que o que aconteceu não se repetirá e que todos os meios possíveis serão colocados em prática para mudar.

Aqui, precisamos deixar claro que são nossas ações que nos definem, não nossas palavras. Não faz sentido prometer mudança quando um comportamento se repete um após o outro.

Uma coisa muito importante em todas essas estratégias é o tempo. Não lhes dê tempo para nos convencer. Se for claro que a situação é injustificável, não temos obrigação de esperar que eles tentem explicar suas razões ou motivos. Quanto mais tempo lhes dermos, mais fácil será nosso julgamento enfraquecer e seus argumentos prevalecerem, por causa do poder que eles têm sobre nós. O abuso geralmente não acontece da noite para o dia, então, quando ocorre, geralmente há baixa autoestima e baixa autoconfiança na vítima, que o agressor sempre usará para a vítima. É por isso que é importante não deixá-los desenvolver suas técnicas de manipulação.

Deixe um comentário