“Runnorexia”: o vício moderno de correr

A prática de exercício físico produz benefícios psicológicos e físicos. a atualEspecificamente: reduz o estresse, melhora a capacidade cardiovascular, reduz o risco de doenças, etc. Portanto, para ter uma vida saudável, é aconselhável que correr ou praticar exercícios faça parte da nossa vida, pois é um importante componente do bem-estar.

Mas qualquer coisa levada a extremos pode ser prejudicial, E correr não é exceção. Hoje em dia, a moda de correr leva muitas pessoas a ficarem obcecadas por essa prática. Richard Benyo, em artigo publicado no Road Runners Club of America, afirma que “existe um lado negativo do exercício que, aos poucos, de forma insidiosa, pode substituir o efeito positivo”.


Vício em corrida não é o mesmo que overtraining

runnorexia não é o mesmo que overtraining. A obsessão com a corrida pode levar um indivíduo a overtraining, o que pode levar a overtraining. Os sintomas do overtraining são de curta duração e estão relacionados com o período de recuperação e repouso. Nesse sentido, pode-se dizer que a runnorexia está associada à síndrome do overtraining.

Runnorexia ou vício em corrida, por outro lado, é uma perda de perspectiva sobre o papel do exercício na vida de uma pessoa. Enquanto uma pessoa pode sofrer de um período de overtraining porque uma grande competição está se aproximando e eles planejaram mal sua instalação, uma pessoa com runnorexia sofre de um problema mais sério. Neste caso, existem aspectos psicológicos importantes: crenças irracionais, baixa autoestima, etc.

Além desses aspectos, o fatores sociais estão na origem desse transtorno, pois a cultura e a pressão social por estética e imagem desempenham um papel importante no desenvolvimento dessa patologia. Por outro lado, alguns especialistas também afirmam que eles existem fatores biológicos que causam esse vício, porque parece haver uma ligação entre as substâncias químicas agradáveis ​​que o cérebro libera durante a atividade física (endorfinas, dopamina, etc.) e esse distúrbio, como é o caso do vício de substâncias. Ou seja, a área de fortalecimento do cérebro está envolvida em comportamentos de dependência e obsessivos também está envolvida na runnorexia.

O psicólogo Eduardo Carreño, em entrevista ao jornal Asturias 24, explica: “Existem dois tipos de vícios: vícios de substâncias (drogas) e comportamentos (vício de trabalho, compras, desporto, etc.)”. Como podemos ver, o caso do vício em corrida é um vício a uma atividade e ao prazer gerado pela prática em questão.

Sintomas apresentados pela pessoa com runnorexia

A pessoa com runnorexia superestima a corrida, o que a torna a parte mais importante de sua vida, mesmo na família, amigos, trabalho, etc.

Ele pode cancelar compromissos ou pular o trabalho para poder correr. O cansaço ou a lesão não o impedem de realizar seus treinos, pois o desconforto que sente se não conclui essas sessões é maior do que ele. Seu tempo livre é gasto correndo, e sua vida se move com apenas uma ideia em mente: Operação.

Os sintomas que exibe são idênticos aos do viciado em qualquer tipo de exercício físico (por exemplo, preparo físico). Esses sintomas aparecem quando a pessoa não consegue realizar atividades físicas e podem ser: ansiedade, depressão ou irritabilidade.

Deixe um comentário