Descubra os 3 erros que os treinadores esportivos cometem

Os erros mais comuns cometidos por treinadores

O esporte coletivo na idade do treinamento tem uma importância fundamental no desenvolvimento físico e psicossocial da pessoa. A prática competitiva pode motivar a criança a crescer junto com valores como esforço, amizade ou desenvolvimento pessoal, ou pode ser um fator limitante se os métodos de treinamento não forem apropriados.

Tanto no esporte profissional quanto na maturidade, o estilo e as técnicas usadas pelo treinador afetam tanto seu próprio desempenho atlético quanto suas áreas autopercepção de habilidades. Portanto, um dos principais objetivos da psicologia do esporte é detectar quais práticas são positivas ou negativas para os atletas, a fim de poder modulá-las e obter um melhor desempenho.


Neste artigo, detalharei um total de três erros na gestão de equipes esportivas que são frequentemente observados na prática de esportes competitivos. Esses erros geralmente são baseados em estratégias e metodologias que não entendem a realidade psicológica dos atletas em certas circunstâncias de jogo. Graças ao contínuo estudo nesta área da psicologia do esporte, os profissionais do esporte já possuem as diretrizes para reorientar as estratégias de treinamento em busca dos melhores resultados, tanto no esporte quanto na coesão de grupo.

1. Mão quente / mão fria

Altamente estudado em esportes coletivos, como basquete, Efeito de mão quente (Mão Quente) é o lado esportivo do erro do jogador e dos jogos de cartas.

Qual é o efeito Mão Quente? Quando um jogador completa uma seqüência de três arremessos, o técnico tende a pedir a outros jogadores que o joguem nos playoffs na próxima tacada. Este é um erro comum porque, embora seja contra-intuitivo, as chances de sucesso desta versão não são aumentadas por eventos anteriores.

Além de uma seqüência de golos positivos, o desafio do treinador é manter a cabeça fria e entender em que medida o jogador despojado consegue manter esse nível de precisão, seja por sua capacidade de crescer diante da pressão ou, no ao contrário, pode ser afetado por excessiva pressão e euforia, forçando os tiros com a desvantagem acrescida de defensores mais atentos aos seus movimentos.

Resumindo, o efeito Mão Quente é apenas um erro cognitivo. A decisão de continuar apostando no jogador do playoff não deve ser baseada na aprovação enganosa fornecida por eventos anteriores.

2. Reforço positivo

Muitos atletas que lerem este segundo ponto se sentirão identificados pela seguinte frase: “Gente, se vencermos os próximos três jogos, convido vocês para jantar”. Esta oferta, feita pelo treinador, pode ter um ligeiro efeito positivo no motivação extrínseca jogadoras. No entanto, a motivação intrínseca eventualmente diminui, por duas razões:

a) O prêmio que reforça as vitórias não potencializa o processo de crescimento esportivo e coletivo, mas o simples realização de certos fins. Isso é interpretado pelo atleta da seguinte forma: “Tudo bem aprender a jogar, não importa a ética, está tudo bem respeitar meus companheiros de equipe e rivais. É importante apenas vencer.” Portanto, a pontuação final (dependendo também de circunstâncias externas como a qualidade dos rivais) é priorizada em termos do processo de aperfeiçoamento técnico, tático, psicológico e coesão do grupo.

b) O prêmio é apresentado como algo estranho ao esporte; o esporte não é interpretado como um fim, mas como um meio. Essa circunstância também tem o efeito de reduzir o motivação intrínseca jogadoras.

O reforço positivo, como vemos, deve ser aplicado como um suplemento e considerar o mesmo esporte como motivação. Por exemplo, você pode tentar aumentar a motivação extrínseca do grupo, convidando-os a assistir a uma partida de uma equipe de alto nível no mesmo esporte (preço não externo ao esporte) se eles conseguirem treinar com uma boa intensidade e desempenho um jogo de aprendizagem durante os jogos (o processo é recompensado, não o resultado).

3. Treinador autoritário

Existe um perfil de treinador que só dá comentários para seus jogadores; se aplicável, apenas para o jogador estrela. Ele só é capaz de oferecer reforços negativos quando os jogadores falham ou não entendem um conceito tático, mas é difícil vê-los na tarefa de corrigir com instruções precisas e calmas.

Essas práticas levam a equipe a confusões táticas (como não saber por que um determinado jogo está sendo utilizado em determinada circunstância da partida), a questões de falta de confiança, que de fato geram o potencial dos jogadores é significativamente diminuído.

Como o treinador pode antecipar esses problemas? estabelecer um sentimento de confiança e comunicação com jogadores; tente usar correções positivas se alguém cometer um erro, sem apontar os culpados e geralmente mantendo uma dinâmica de grupo igualitária e construtiva.

Deixe um comentário