Vício em bebidas energéticas: eles podem nos fazer “grudá-los” a eles?

As bebidas energéticas tornaram-se, em relativamente pouco tempo, um verdadeiro fenômeno social.

Hoje, algumas marcas desses produtos contam com poderosas campanhas de marketing e iconografia que fazem parte da cultura popular e são particularmente atraentes para a população jovem.

Mas, infelizmente, há uma série de riscos e efeitos adversos à saúde dos quais você deve estar ciente ao usar esses produtos. eu Este conjunto de riscos inclui aqueles associados ao uso de bebidas energéticas e os hábitos associados.. E é que algumas pessoas podem vir a gerar com elas um relacionamento viciante que, embora possa não ser tão poderoso quanto o causado pelas drogas pesadas, pode ser um problema.

    É possível desenvolver um vício em bebidas energéticas?

    Todos nós sabemos, até de ouvido, a existência de vícios em “drogas pesadas” ilegais, como a cocaína ou a heroína, e também o álcool. No entanto, os problemas associados à dependência não se limitam ao uso dessa substância: primeiro, porque também existem as dependências não-substâncias, como é o caso do jogo; e segundo, porque também é possível “aderir” a outras substâncias.

    As bebidas energéticas são um exemplo de produtos cujo consumo é muito padronizado e que podem, no entanto, levar a um problema de dependência porque, entre outras coisas, contêm certas substâncias que interagem diretamente com o nosso cérebro.

    Por exemplo, taurina, amplamente utilizada em bebidas energéticas populares e pode estar presente em 1000 ou 2000 miligramas por porção, atravessa a barreira hematoencefálica (O “filtro” que separa o cérebro das substâncias que circulam nos vasos sanguíneos) e interage com os neurônios, influenciando os processos psicológicos e fisiológicos de várias maneiras. Embora seja uma substância encontrada em um grande número de alimentos saudáveis, sua alta concentração em algumas bebidas está associada a importantes problemas de saúde.

    Algo semelhante acontece com a cafeína. É até certo ponto um psicoestimulante “natural” que, entretanto, é incorporado em grandes quantidades em muitas bebidas energéticas e também tem efeitos na mente humana. Embora na prática não seja possível morrer de intoxicação por essa substância simplesmente obtendo-a nas bebidas, ela pode nos levar a internalizar comportamentos disfuncionais em nossa relação com esses produtos e seu uso.

    Deve-se notar que essas moléculas não têm a capacidade de gerar “dependências químicas” que contenham substâncias como codeína ou nicotina. Isso significa que, ao consumir bebidas energéticas, seus elementos que passam a interagir com o cérebro não fazem com que os neurônios comecem a funcionar de maneira que precisemos cada vez mais dessas substâncias para não nos sentirmos muito mal.

    É por isso que, tecnicamente, a tendência de querer consumir constantemente bebidas energéticas não é, tecnicamente, um vício, mas um problema de vício em que o neurológico desempenha um papel, mas é menos relevante que o psicológico. Ou seja, ao “nos agarrarmos” a essas bebidas, internalizamos uma série de padrões de comportamento e hábitos que nos levam a não querer nos livrar delas (e do consumo das bebidas a elas associadas) e em que isso tem que acontecer. veja como é beber esses refrigerantes, mas nosso cérebro não sofre uma transformação drástica na cabeça de relativamente poucas bebidas, como acontece nos vícios químicos.

    Como se forma a dependência desse tipo de bebida?

    Aqui estão algumas das maneiras de ser “viciado” em bebidas energéticas.

    1. Um vício na forma de um ritual

    Algumas pessoas desenvolvem uma espécie de superstição com bebidas energéticas: eles se sentem mal se não podem contar com eles, Como eles deveriam dar a eles um “plus” diante dos desafios diários (pelo menos é o que eles acreditam).

    2. Uma maneira de lidar com a ansiedade e o desconforto geral

    Algumas pessoas recorrem a essas bebidas quando se sentem estressadas ou ansiosas porque associam seu gosto às pausas que fazem para descansar e, ao mesmo tempo, dão-lhes uma desculpa para parar de se expor ou focar no que os faz se sentir mal.: É um método para escapar da realidade.

      3. A pressão do contexto

      Deve-se lembrar que muitas vezes os problemas de dependência e dependência de drogas eles têm grande parte de suas causas no contexto social a que a pessoa está exposta. Se estamos acostumados a conviver com pessoas que passam muito tempo bebendo, simplesmente não ter uma lata ou um copo nas mãos em situações como essa pode ser embaraçoso.

      Você está procurando uma terapia anti-dependência?

      Se procura uma equipa de profissionais que ofereça tratamentos para ultrapassar as dependências com todas as garantias, contacte-nos. Fr Clínicas CITA Somos especializados em atendimento médico e psicoterápico para pessoas com problemas de dependência química, com ou sem substâncias. Além disso, oferecemos a possibilidade de entrar em nosso módulo residencial totalmente equipado, localizado em um ambiente natural na área de Barcelona.

      Referências bibliográficas:

      • American Psychiatric Association (APA). (2013). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (5ª ed.). Arlington, VA: American Psychiatric Publishing.
      • Banerjee, SP et al. (2013). Ações neuropsicofarmacológicas da taurina. Advances in Experimental Medicine and Biology, 775: páginas 3-18.
      • Curran, CP e Marczinski, CA (2018). Taurina, cafeína e bebidas energéticas: uma revisão dos riscos para o cérebro do adolescente. Research on Birth Defects, 109 (20): páginas 1640-1648.
      • Griffiths, RR, Evans, SM, Heishman, SJ, Preston, KL, Sannerud, CA, Wolf, B. & Woodson, PP (1990). Discriminação com baixas doses de cafeína em humanos. Journal of Pharmacology and Experimental Therapeutics, 252 (3), 970-978.
      • Kalivas, PW; Volkow, ND (2005). A base neural do vício: uma patologia de motivação e escolha. The American Journal of Psychiatry, 162 (8): páginas 1403-1413.
      • Rao, A., Hu, H. e Nobre, AC (2005). Os efeitos das bebidas combinadas com cafeína e glicose na atenção ao cérebro humano. Nutritional Neurosciences, 8 (3), 141-153.
      • Salazar, M.; Peralta, C.; Pasteur, J. (2006). Manual de psicofarmacologia. Madri, Editora Médica Pan-Americana.

      Deixe um comentário