Vício do jogo, um vício muito perigoso

O vício do jogo é um problema sério que afeta as pessoas de maneiras diferentes. Pode ter um grande impacto na saúde mental, nos relacionamentos, na vida profissional e nas finanças.

Para combater o vício, é importante quebrar o ciclo do jogo, caso contrário a pessoa irá cair mais no vício do jogo.

Portanto, o vício do jogo é um sério transtorno de saúde mental que pode ter consequências devastadoras. Se não for tratada, pode causar problemas pessoais, sociais, financeiros e jurídicos.

Existem muitas opções de tratamento disponíveis para o vício do jogo, no entanto melhores resultados vêm de terapia individualizada adaptado às necessidades individuais.

    O que exatamente é o vício do jogo?

    O vício do jogo é um vício do jogo. Esse comportamento viciante aparece gradual e continuamente e muda o comportamento de uma pessoa. A pessoa sente que precisa jogar mais do que pode. Como se costuma dizer, o jogador se vicia em adrenalina e na oportunidade de ganhar dinheiro.

    Ao contrário da crença popular, o jogo ou o vício do jogo é reconhecido como doença pelo Departamento de Saúde, pela Associação Psiquiátrica Americana e pela OMS (Organização Mundial da Saúde).

    A raiz cultural do problema

    O jogo é um grande negócio em todo o mundo. Só no ano passado, no nosso país, esta indústria gerou cerca de 42 milhões de euros, e este valor está a aumentar. E também viciados em drogas.

    Na verdade, o jogo tem sido um passatempo popular há séculos, mas foi apenas nos últimos anos que ele entrou na arena da saúde mental.

      Quais são as consequências desse transtorno?

      se você sabe as pessoas se tornam viciadas em jogos de azar e isso pode fazer com que percam o senso de responsabilidade, o que não permitiria que eles se deixassem levar pelo seu comportamento.

      O vício do jogo é um problema sério que pode ter um grande impacto no viciado e em quem convive com ele. Quando uma pessoa é viciada em jogos de azar, ele frequentemente negligencia suas responsabilidades de continuar seu vício.

      Esta é a principal razão pela qual o tratamento para o vício do jogo não deve incluir apenas ajuda profissional, mas também um grupo de apoio. Esta terapia deve ser abrangente e incluir todas as áreas vitais do paciente.

        O vício do jogo não é um hábito, é um vício

        O jogo tornou-se uma atividade comum para muitas pessoas. É fácil pensar nisso como algo que nos distrai de nossos problemas, mas o jogo pode ter consequências muito graves para a saúde mental..

        Em geral, muitas vezes pensamos que um jogador é porque quer, porque, segundo outros, “é tão fácil como não jogar nas slot machines”. Você apenas tem que parar de fazer isso. Mas a realidade é muito mais complexa do que essa visão simplista do problema.

        É sobre a emoção de aumentar suas chances de ganhar, mesmo sabendo que provavelmente perderá. É o ritual. Trata-se de esquecer um pouco a realidade para existir em um mundo alternativo onde podemos vencer, onde a sorte finalmente vai virar.

        O vício é diferente para cada pessoa, mas existem alguns traços comuns que todos os que apostam compartilham.

        O jogo não é um comportamento que pode ser facilmente quebrado, é um vício que requer ajuda profissional e deve ser tratado como tal.

          Como surge o vício do jogo?

          O jogo é uma experiência altamente viciante e envolvente que chama a atenção do jogador. Os jogadores têm uma sensação de poder, e alguns jogadores podem até ter uma sensação de superioridade sobre outros no mundo dos jogos.

          O transtorno do jogo é caracterizado por comportamento mal-adaptativo persistente e recorrente que causa sofrimento ou prejuízo clinicamente significativo.

          Uma pessoa com transtorno de jogo ele freqüentemente joga para escapar de problemas, dor, depressão, solidão e outras emoções negativas.

          Além desses sentimentos de alívio das emoções negativas, o humor de uma pessoa pode mudar dependendo do resultado do jogo. Essas mudanças de humor podem ser tão graves que as pessoas têm dificuldade em controlar seus impulsos para jogar.

          É importante ressaltar que, de fato, a alteração não tem nada a ver com a frequência com que é tocada. Normalmente, o jogo muda de comportamento esporádico para um pouco mais comum em um período de dois a cinco meses. Nesta fase, o viciado ainda acredita que pode controlá-lo.

          É um círculo vicioso em que o adicto desenvolve uma preocupação porque em algum momento pode perceber que está perdendo muito dinheiro e pensar que precisa apostar para recuperá-lo. Tudo isso é temperado com uma sensação de vazio e medo de que outros possam descobrir o que realmente está acontecendo em suas vidas.

          Deixe um comentário