Dependência de novas tecnologias: sintomas, causas e tratamento

Nos tempos de hoje, os avanços tecnológicos ocorrem em um período de tempo relativamente curto e, para muitas pessoas, isso representa a necessidade de estar constantemente atualizado com esses avanços.

Neste artigo veremos quais são as principais características da dependência de novas tecnologiasFalaremos sobre como esse tipo de necessidade pode surgir nas pessoas e as formas de tratamento mais eficazes nesses casos.

    Qual é a dependência de novas tecnologias?

    A dependência de novas tecnologias é uma forte necessidade de um sujeito continuar a interagir com dispositivos eletrônicos associados a plataformas digitais interconectadas, que permitem o acesso à Internet por meio de aplicativos de smartphone ou programas de computador

    De modo geral, além de ter que estar conectado à web, o sujeito precisa de dispositivos que atendam a parâmetros específicos, para que possam oferecer uma experiência mais completa quanto aos conteúdos que podem acessar.

    Os principais elementos digitais que podem ser a base de um vício em novas tecnologias são dois: o uso de videogames (em particular aqueles com multijogador online), por um lado, e o uso de mídias sociais, O outro.

    Embora esses dois elementos eletrônicos em si não sejam prejudiciais à saúde mental, dependendo de como você interage com eles, alterações como a dependência de novas tecnologias podem ocorrer. Em outras palavras, esses tipos de transtornos não residem no uso de videogames ou redes sociais, mas em certas formas de adaptação ao seu uso (e em certas predisposições pessoais).

    Principais sintomas deste comportamento viciante

    Existe toda uma gama de vícios, cada um com suas próprias características e sintomas. Todos eles representam uma necessidade irracional do indivíduo de ter acesso a algo uma atividade. Haverá diferenças dependendo de qual é o gatilho para o comportamento viciante do sujeito.

    No caso de dependência de novas tecnologias, os sintomas serão os seguintes.

    1. Necessidade forçada de informações

    Pessoas com esse tipo de dependência sentem uma forte necessidade de serem constantemente informadas, principalmente no que se refere a questões relacionadas ao que interessa em seu círculo social.

    2. Necessidade de dispositivos tecnológicos avançados

    À medida que aumenta a dependência de novas tecnologias, o sujeito não tem o suficiente para satisfazer sua necessidade de informação por meio de qualquer dispositivo, mas este você precisará dele para dar-lhe as últimas descobertas teológicas e sentir que atende às suas necessidades.

    3. Tendência ao isolamento

    Pessoas que se tornaram viciadas em novas tecnologias tornam-se assuntos relativamente distantes do contato social físico. Isso significa que eles podem socializar silenciosamente por meio de seus dispositivos eletrônicos, por meio de seus perfis de mídia social, mas a coexistência pessoal é um incômodo ou uma fonte de estresse.

    4. Dependência da tecnologia

    Esses tópicos concentram toda a sua atenção e recursos no acompanhamento dos avanços tecnológicos, em todos os aspectos. Situação que representa uma limitação quando se trata de lidar com situações fora do contexto das telas.

    Por exemplo, um viciado em tecnologia pode ser muito eficaz ao realizar atividades usando um dispositivo inteligente, mas se ele precisar fazer algo em outro contexto, o sujeito não será capaz de fazer com a mesma eficiência. Nos casos mais intensos desse vício, você pode até ser incapaz de realizar essa tarefa sem a ajuda da tecnologia.

    5. Problemas de concentração

    Pessoas que encontram esses problemas eles tendem a se distrair facilmente pensando sobre o que pode estar acontecendo nos mundos digitais aos quais eles adoravam estar conectados na época.. Portanto, é difícil para eles se concentrarem em tarefas que nada têm a ver com essa forma de lazer. Como resultado, muitas vezes eles não prestam atenção ao falar com os outros, muitas vezes mudando suas responsabilidades, etc.

    6. Irritabilidade

    Por sua vez, passar muitas horas sem usar esses dispositivos eletrônicos faz com que essas pessoas fiquem de mau humor e experimentem ansiedade.

    as causas

    De um modo geral, os vícios são o produto de uma distorção no sistema de recompensa do sujeito, O que pode levar ao fracasso no nível orgânico.

    Quando começamos a nos envolver em atividades compulsivas ou a adotar novos hábitos que nos satisfaçam, nosso cérebro secreta um neurotransmissor chamado serotonina (o hormônio da felicidade). Quanto mais tempo passamos fazendo esta atividade sem dividir nosso tempo em outras atividades, as quantidades de serotonina secretada pelo nosso cérebro são maiores, Contribuindo assim para nos tornarmos cada vez mais dependentes.

    tratamentos

    Existem basicamente duas maneiras de lidar com a ansiedade que surge por não usar tanto esses dispositivos. Em primeiro lugar, é psicoterapia; que consiste em sessões com um profissional de psicologia onde o foco estará na parte emocional do sujeito e nas causas psíquicas que podem explodir o comportamento ansioso da pessoa.

    Ao longo do processo psicoterápico, aprendemos a aplicar no dia a dia novos hábitos que levam a pessoa a assumir um papel mais ativo e a se afastar das telas, sem deixá-la “preencher” todos os seus momentos mortos e os momentos em que ‘vestimos’ não sei o que fazer. por isso técnicas cognitivo-comportamentais são usadas principalmente.

    Em segundo lugar, existem os medicamentos, que só devem ser usados ​​quando for determinado que a principal causa da ansiedade é orgânica e sempre sob supervisão médica. Da mesma forma nestes casos idealmente, o medicamento deve ser usado em conjunto com processos de psicoterapia. Em qualquer caso, o medicamento deve ser sempre prescrito por um médico.

    Alguns dos medicamentos mais comumente usados ​​para a ansiedade são:

    • Antidepressivos.
    • Benzodiazepinas.
    • Buspirona.

    • Bloqueadores beta.
    • Anti-histamínicos.

    Referências bibliográficas:

    • American Psychiatric Association (APA). (2013). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (5ª ed.). Arlington, VA: American Psychiatric Publishing.
    • Vocci, FJ; Acri, J; Elkashef, A. (2005). Desenvolvimento de drogas para transtornos aditivos: o estado da ciência. American Journal of Psychiatry (162): páginas 1431-1440.
    • Salamone, JD (1992). Função motora e sensório-motora do corpo estriado e do complexo dopaminérgico accumbens: participação em processos instrumentais comportamentais. Psychopharmacology (107): p. 160-174.
    • Sydor A, Brown RY. Molecular Neuropharmacology: A Foundation for Clinical Neuroscience (2ª ed.). Nova York: McGraw-Hill Medical.

    Deixe um comentário