Cerimônia da ayahuasca: o que é, como acontece e os riscos a serem considerados

A ayahuasca é uma poção que se tornou famosa nas últimas décadas por ser misteriosa. Essa substância é atribuída à capacidade de lembrar e enfrentar nosso passado mais traumático, superando-o em um plano de consciência difícil de alcançar pelos meios convencionais.

As cerimônias de ayahuasca estão crescendo em popularidade, embora a celebração seja uma questão legal.. Um xamã administra essa droga, à qual são atribuídas propriedades terapêuticas, a seus visitantes, realizando um ritual típico das culturas ancestrais da América.

Hoje vamos estudar um pouco como acontecem as cerimônias da ayahuasca, os fenômenos que ocorrem no seu desenvolvimento e também alguns riscos relacionados à sua realização.

    O que são cerimônias de ayahuasca?

    A cerimônia da ayahuasca é o nome dado a uma prática ancestral dos povos originários da Amazônia. É sobre um ritual praticado por curandeiros e xamãs de culturas indígenas pré-hispânicas e é considerado parte da medicina tradicional desses povos. Quem a pratica diz que serve para curar o corpo, a mente e a alma, ajudando inclusive pessoas com transtornos mentais e contribuindo para o desenvolvimento da consciência em seus praticantes.

    Originalmente, o consumo da ayahuasca entre os povos nativos americanos fazia parte de vários rituais praticados para pedir aos deuses que satisfizessem as necessidades e desejos de seus fiéis. A ayahuasca estava presente em rituais em homenagem aos deuses, rituais de passagem para a vida adulta, para ir à guerra ou caçar.. Também, e intimamente relacionado com o que é usado hoje, essa substância era consumida em rituais para curar doenças que, segundo as crenças dos nativos da Amazônia e de outras regiões da América, eram produto de maldições. , magia negra, inveja e inveja. vingança.

    Nas cerimônias atuais da ayahuasca, segundo seus proponentes, é possível vivenciar um estado de consciência não comum que nos permite conectar com nossa sabedoria interior e vivenciar um processo de autocura e autoconhecimento. Ela experimenta uma intensa catarse, expurgos físicos e mentais que lhe permitem liberar bloqueios emocionais, psicológicos e espirituais.

      O que é ayahuasca?

      Ayahuasca é uma poção que é feito a partir da decocção de um cipó que cresce na selva, a planta ayahuasca (Banisteriopsis caapi), além das folhas de outra planta, a xacruna (Diplopterys cabrerana). O resultado é uma poção com poderosos efeitos psicoativos e que, para quem a consome e defende seu uso, tem poderes curativos. A bebida provoca alterações na percepção e na cognição ou, na opinião de quem a toma, abre portas que a mente havia fechado como mecanismo de autodefesa.

      Os xamãs encarregados das cerimônias da ayahuasca saem de a ideia de que, ao longo da vida, acumulamos diversos traumas e conflitos. Longe de resolvê-los de forma racional e eficiente, nossa parte consciente os esconde como se nunca tivessem existido. Assim, os problemas não causam dor consciente, mas continuam a nos afetar de alguma forma até que sejamos resolvidos. Eles continuam aqui, sem saber, condicionando muitos aspectos de nossas vidas, nossas relações com os outros e com nós mesmos.

      Consumir ayahuasca traria esses conflitos à tona, geralmente por meio de visões nítidas. Isso faria com que as memórias ocultas parassem de nos bloquear silenciosamente e, ao estarmos cientes delas, poderíamos resolvê-las de maneira ativa e eficaz.

      Por exemplo, imagine que quando você era criança caminhando, você caiu e se machucou. Foi uma experiência traumática para uma criança pequena, que estava escondida em algum lugar do seu subconsciente. Os usuários de ayahuasca diriam que, neste caso em particular, tomá-la poderia mostrar claramente essa memória, e agora que sua mente é adulta e madura, você pode colocá-la de volta no lugar. Este trauma de infância seria julgado pelo nosso pensamento adulto, já que não era assim e essa seria a explicação de por que hoje você não gosta nada da natureza ou das alturas.

      No entanto, o que muitas vezes acontece é que a memória que emerge não é tão simples. Depois de beber ayahuasca, ocorrem episódios intensos de todos os tipos de memórias, experiências, sensações e emoções que nos ajudam a ver o que está causando nossos problemas na vida, o que não está funcionando em nosso parceiro ou se fomos vítimas de algum tipo de abuso em nosso primeira infância.

      Não é uma droga para prazer ou sabor agradável. Há sensações desagradáveis ​​nas cerimônias de ayahuasca, porque a jornada com elas muitas vezes não é nada agradável. No entanto, quem o usa diz que é uma ferramenta muito poderosa para se reconectar consigo mesmo, para se livrar daquelas emoções, pensamentos e memórias reprimidas que nos impedem de ser felizes e conhecer um plano de existência que não pode ser acessado da terra avião.

        Como é a cerimônia?

        Cada xamã tem seu próprio método. Contudo, na maioria das cerimônias de ayahuasca podemos ver uma série de passos comuns que, segundo seus praticantes, facilitam a introspecção e a liberação de traumas e memórias enraizadas nas profundezas de suas mentes.

        Podem participar nestas cerimónias quantas pessoas desejarem, mas o melhor é fazê-lo em pequenos grupos. Há xamãs que fazem as sessões com sete pessoas e outros até 25. Tudo depende de sua experiência e capacidade de lidar com quaisquer problemas que surjam enquanto os visitantes manifestam os efeitos da ayahuasca.

        O ritual geralmente acontece dentro de casa, ideal para qualquer inconveniente. Esses espaços devem ser habilitados para que sejam agradáveis, limpos e espaçosos. Na sala há instrumentos musicais, pedaços de cipó ayahuasca e qualquer ferramenta que o xamã julgue necessário para realizar a cerimônia. Os participantes devem usar roupas confortáveis, geralmente fornecidas pelo xamã ou atendentes do retiro encarregados das cerimônias de ayahuasca.

        Cada participante será colocado em um colchão, esteira ou tapete, sentado em posição de lótus e aguardando o início do ritual. É fundamental entregar a cada participante um rolo de papel higiênico e um balde ou bacia de plástico, pois muitas coisas podem ser expelidas do corpo humano após a ingestão da ayahuasca.

        1. Início da cerimônia

        O xamã é colocado no meio da sala e se prepara para o início do ritual, não sem antes explicar de forma muito concreta o que vai acontecer.. Os participantes devem saber desde o início que estão se preparando para uma situação emocionalmente intensa, na qual abrirão mão de muita coisa. É literal e figurativo, porque com a agitação, não são apenas as emoções que são liberadas.

        A planta Aiahuasca tem efeitos muito intensos no corpo humano. Os xamãs lhe atribuem poderes purificadores, e não é incomum, então, tomá-lo, o corpo é purgado: sudorese excessiva, lacrimejamento, micção e excreção excessivas, e vômitos, vômitos numerosos. É principalmente por isso que um balde é colocado ao lado de cada participante, para que possam liberar o que precisarem sem se sujar muito.

        Os efeitos da ayahuasca fazem com que as pessoas vejam claramente o que estão expelindo, seus traumas ou bloqueios, que são removidos e deixados com vômitos e lágrimas. Talvez um veja em seu vômito o tijolo metafórico que representa sua repressão, outro que suas lágrimas representem todo o sofrimento que silenciaram durante anos de abuso. Este passo é desagradável, mas os xamãs garantem que o alívio vem imediatamente.

        Antes do início da cerimônia, os xamãs recomendam que ninguém se assuste se a jornada ficar fora de controle. É um pouco raro, embora ainda seja uma possibilidade. Os bons xamãs especialistas de As cerimônias de ayahuasca têm, ou pelo menos fornecem, ferramentas para reorientar aqueles que são muito ruins. No entanto, eles também alertam que, para se sentir melhor do que nunca, você deve primeiro passar um tempo muito desconfortável com todos enfrentando seus medos. Você tem que deixar o remédio agir, o que nunca é fácil ou confortável.

          2. Harmal e a Molécula de Deus

          Curiosamente, a primeira coisa tomada durante a cerimônia da ayahuasca não é esta poção, mas um pouco de outra bebida feita da planta harmal ou alharma (Peganum harmala). Está bêbado porque atua como um inibidor de uma enzima no corpo humano que bloqueia a dimetiltriptamina (DMT), o componente da ayahuasca que causa alucinações e que muitos chamam de “a molécula de Deus”.

          O xamã dá a cada participante um pouco dessa bebida nociva. Em princípio, esta poção não tem efeito físico, além de fazer funcionar o DMT da ayahuasca. Não tem um gosto bom. Há quem diga que serve para relaxar um pouco antes de chegar à parte intensa da cerimônia. Esta poção leva cerca de dez minutos para funcionar., sendo esta quantidade de tempo o necessário para iniciar a cerimónia propriamente dita.

            3. Primeira mãe da ayahuasca

            O que os xamãs fazem a partir de então é apagar as luzes e acender as velas. Com a garrafa de ayahuasca na mão, o xamã ele acende um charuto feito de uma planta de tabaco e sopra fumaça no gargalo da garrafa. Ele se levanta e reza olhando para os quatro pontos cardeais. As orações são muito variadas, de acordo com a cultura do xamã e a corrente religiosa que se segue. O tema pode ser sobre os espíritos da mãe natureza, fogo e água, a proteção do beija-flor dourado ou o poder da onça.

            É normal que, quando começam os efeitos da droga, por volta dos trinta minutos, cada participante descanse em seu colchonete e se envolva em introspecção. Enquanto os participantes se aconchegam em seus cobertores e tentam se sentir seguros, nesse momento o pajé que conduz a cerimônia começa a cantar Ícaro, composições sagradas de ritmo altamente repetitivo que fazem alusão constantemente à ayahuasca e a outras plantas sagradas e medicinais da Amazônia. . Animais, espíritos e o poder curativo do ritual também são mencionados. Eles ajudam você a relaxar.

            Milho o relaxamento é interrompido pelos efeitos da poderosa ayahuasca. É quando começam os primeiros vômitos, suores frios e uma necessidade extrema de ir ao banheiro. Os participantes precisam se esforçar muito, então é hora de usar o balde. Isso é normal no contexto da cerimônia da ayahuasca e o xamã de guarda não parará com seu canto enquanto os participantes se purificam tanto física quanto espiritualmente.

              4. Segunda tomada de ayahuasca

              Depois de uma hora, é hora de tomar a ayahuasca pela segunda vez. Após esta segunda barragem o xamã pode tocar instrumentos para gerar uma atmosfera maior de solenidade e autorreflexão para os participantes. Pode haver todo tipo de emoções: medo, ansiedade, tristeza, euforia… As imagens que passam pela cabeça dos usuários de ayahuasca vêm em todos os tipos de formas e conteúdos.

              As experiências ao longo da sessão de ayahuasca podem ser muito diversas. Sentindo-se como um personagem de um videogame, relembrando uma discussão com seu falecido marido, lembrando como você caiu da bicicleta quando tinha 5 anos, revivendo o abuso de um professor… ou menos realismo, cores marcantes, experiências quase sobrenaturais.

              Depois de todas essas experiências emocionais, vem a calmaria e o fim da cerimônia. Os efeitos após este episódio são geralmente leves, não mais graves do que uma ressaca comum. De fato, o grau de lucidez e bem-estar físico e emocional dos participantes é tão alto que costumam falar sobre o que vivenciaram durante a cerimônia. O ritual é concluído quando os participantes estão todos quietos consigo mesmos.

              Ayahuasca não é para todos

              Embora as experiências de muitos usuários de ayahuasca pareçam positivas, servindo-lhes para se reconciliar com uma parte de si mesmos e ajudando-os a superar questões do passado que nem sequer lembravam, não se deve esquecer que é uma droga. Por mais natural que seja, o consumo não é mais recomendável do que ir à psicoterapia e optar por tratamentos psicológicos reais.

              Mas para agora seu consumo não pode ser recomendado devido aos seus riscos reais, que vão além dos poderes terapêuticos aparentes. Ayahuasca não é para todos. É conhecido por causar sintomas psicóticos graves e irreversíveis, principalmente em pessoas com histórico de psicopatologia como esquizofrenia ou transtorno bipolar.

              Tomar ayahuasca é incompatível com drogas psicotrópicas, como antidepressivos e ansiolíticos, e não recomendados em combinação com medicamentos.

              Essa recomendação não significa que a ayahuasca não tenha efeitos terapêuticos reais, mas ainda não há informações científicas suficientes para torná-la um benefício terapêutico seguro. Sua pesquisa é promissora porque, assim como a planta de cannabis, se conseguir extrair seus princípios ativos terapêuticos, ela será usada para fabricar drogas úteis para combater transtornos mentais e problemas psicológicos como depressão, ansiedade e dependências.

              Referências bibliográficas

              • Barker, SA, McIlhenny, EH e Strassman, R. (2012). Uma revisão crítica de relatórios de N,N-dimetiltriptamina endógena psicodélica em humanos: 1955-2010. Drug Test Anal, 4(7-8): 617-35.
              • Davis, AK, Clifton, JM, Weaver, EG, Hurwitz, ES, Johnson, MW e Griffiths, RR (2020). Investigação de experiências de encontro com entidades causadas por N,N-dimetiltriptamina inalada: fenomenologia, interpretação e efeitos duradouros. Revista de Psicofarmacologia. https://doi.org/10.1177/0269881120916143
              • Dean, J., Liu, T., Huff, S. et al (2019). Biossíntese e concentrações extracelulares de N,N-dimetiltriptamina (DMT) no cérebro de mamíferos. Sci Rep 9, 9333. https://doi.org/10.1038/s41598-019-45812-w
              • Nichols DE (2018). N,N-dimetiltriptamina e a glândula pineal: um fato que se destaca do mito. Journal of Psychopharmacology (Oxford, Inglaterra), 32(1), 30–36. https://doi.org/10.1177/0269881117736919
              • Plataforma de Defesa da Ayahuasca (sf) Home. Planta para a Defesa da Ayahuasca. Recuperado de: http://www.plantaforma.org/
              • Frecska, E., Bokor, P. & Winkelman, M. (2016). O potencial terapêutico da ayahuasca: possíveis efeitos contra várias doenças da civilização. Front Pharmacol, 7h35
              • Timmermann, C., Roseman, L., Williams, L., Erritzoe, D., Martial, C., Cassol, H., Laureys, S., Nutt, D. & Carhart-Harris, R. (2018). O DMT modela a experiência de quase morte. Antes de. Psicologia, 9.

              Deixe um comentário