As 7 principais características da cannabis sintética

Sabe-se que a cannabis causa vários problemas de saúde mental entre os usuários, especialmente se eles a usam com frequência e a idade de início foi a adolescência.

Embora a planta de cannabis ainda seja uma droga, existe uma versão artificial que embora se apresente como uma alternativa legal, inofensiva e natural a esta planta, a verdade é que é produto de laboratórios clandestinos muito negligentes em termos de higiene.

Aqui você vai encontrar um resumo das características da cannabis sintética, embora possamos dizer com segurança que todos eles envolvem mais risco e potencial viciante do que a maconha convencional. Vamos descobrir abaixo.

    As características mais importantes da cannabis sintética

    A cannabis sintética, mais propriamente chamada de canabinóides sintéticos, é compostos químicos artificiais cujos efeitos psicoativos são semelhantes aos produzidos pela cannabis natural (Cannabis sativa). Esses produtos químicos são pulverizados em matéria vegetal seca e triturada e depois fumados, embora também possam ser encontrados na forma de líquidos para cigarros eletrônicos ou para preparar infusões.

    A cannabis sintética recebe todos os tipos de nomes no mercado de especialidades: maconha sintética, erva falsa, Spice Gold, Spice Silver, Fish, K2, hardcore e Yucatan fire. Independentemente do nome sob o qual é comprada, a cannabis sintética é na maioria dos casos apresentada como uma alternativa supostamente legal e saudável à maconha convencional ou ainda mais “natural”. A realidade é exatamente o oposto: é muito mais perigoso, viciante e potencialmente mortal do que a planta de cannabis real.

    Várias características da cannabis sintética a tornam visivelmente diferente da cannabis convencional.

    1. Alto teor de THC e zero CBD

    A principal razão pela qual a cannabis sintética é tão perigosa é a sua composição. Embora comercializado como uma alternativa saudável e natural à maconha, naturalmente não tem nada. É uma substância de laboratório, feita com alto teor de THC artificial (delta-9-tetra-hidrocanabinol).

    O THC é a substância “ruim” da cannabis, responsável por seus efeitos psicoativos nocivos. Além disso, é também esse componente que torna a cannabis sintética mais viciante do que a planta natural de cannabis. Adicione a isso, não contém canabidiol ou CBD, a substância “boa” da maconhaaos quais são atribuídas propriedades terapêuticas e neuroprotetoras.

    Isso significa que a maconha sintética tem todas as desvantagens da cannabis e nenhuma das propriedades medicinais que se tornaram populares nos últimos anos. Por esta razão, a cannabis sintética é extremamente neurotóxica.

      2. Fórmula instável e escorregadia em testes de drogas

      A cannabis sintética é classificada em um grupo de drogas chamadas “novas substâncias psicoativas”. São substâncias que alteram a mente, como as drogas convencionais, mas como são recém-criadas, ainda não há regulamentações claras. Por esse motivo, seu uso passa despercebido, pois há poucas evidências específicas para detectar cannabis sintética na análise de drogas.

      Adicione a isso, não existe uma fórmula única para canabinóides sintéticos. Toda vez que as autoridades registram uma forma de cannabis sintética como ilegal, os fabricantes mudam a fórmula e, aproveitando uma brecha, a vendem. A nova fórmula não é registrada por desconhecimento das autoridades, sua venda ainda não é crime e os vendedores se aproveitam dela.

      Graças a isso, a cannabis sintética é relativamente fácil de obter online e pode até ser obtida em postos de gasolina ou lojas de apetrechos para drogas em alguns países. É justamente essa facilidade com que podem ser obtidas que, somada à crença de que são “naturais” e, portanto, inofensivas, seu consumo entre os jovens explodiu na última década.

        3. Consumo semelhante ao da cannabis convencional

        A maneira mais comum de tomar canabinóides sintéticos é fumar material vegetal seco que foi pulverizado com esta substância. Essa matéria seca das plantas às vezes é misturada com um pouco de maconha de verdade, geralmente para fazer a pessoa que tem que fumar esse “alho-poró” acreditar que fuma maria pura e dar o pau.

        Há também opções para fazer um chá com folhas secas pulverizadas com esta substância ou comprar canabinóides sintéticos em forma líquida e vaporizá-lo.

          4. Efeitos desejados semelhantes à cannabis natural

          Esta droga é conhecida como cannabis sintética porque causa efeitos desejáveis ​​semelhantes aos da droga “natural”. Os canabinóides sintéticos atuam nos mesmos receptores neurais do THC, que é a principal substância psicoativa da planta de cannabis. é com a falsa crença de que é um verdadeiro derivado da maconha ou um óleo essencial da mesmaprincipal motivo do seu consumo.

          Dentre esses efeitos “desejáveis” teríamos:

          • Bom humor
          • Relaxamento
          • Alteração perceptiva

          Mas também compartilha vários efeitos comuns com a maconha real que eles não são tão agradáveis, mas não são sériosComo? ‘Ou’ O quê:

          • Inquietação
          • Nausea e vomito
          • aumento da frequência cardíaca
          • Comportamento violento
          • Pensamentos suicidas
          • Taquicardia
          • Arritmia

            5. Muitos efeitos colaterais graves

            A cannabis sintética é uma droga de produção ilícita que não respeita nenhum controle sanitário. Ao contrário da crença popular, não é um medicamento natural e, mesmo que fosse, não impediria o consumo de efeitos colaterais muito perigosos.

            Devido ao alto teor de THC e à ausência de CBD, como mencionado, produz todas as coisas ruins da maconha natural e não tem a função neuroprotetora atribuída à maconha real. Como resultado, os seguintes efeitos adversos, compartilhados com a maconha convencional, são mais prováveis.

            • Delírio
            • Agressão
            • Acidente vascular encefálico
            • Convulsões
            • Ataque cardíaco
            • Decomposição do tecido muscular
            • danos nos rins
            • Psicose
            • Vômitos prolongados
            • Morte

            6. Induz surtos psicóticos

            Os possíveis efeitos psicóticos da planta de maconha são estudados há algum tempo. O principal culpado por esses efeitos é o THC, mas sua ação é parcialmente neutralizada pelo CBD na planta natural. Como mencionado, este não é o caso da cannabis sintética, onde há uma alta concentração de THC e, portanto, maior probabilidade de sintomas psicóticos. Há mais casos de surtos psicóticos em usuários de cannabis sintética do que naqueles que consomem a própria planta.

            Os principais efeitos psicóticos da cannabis sintética são:

            • Ansiedade extrema
            • Confusão
            • Paranóia
            • Alucinações e outras alterações da percepção
            • catatonia
            • Despersonalização
            • Dissociação

            Psicose causada pelo uso de cannabis sintética prejudicar a saúde mental do consumidor a longo prazo. Eles podem ocorrer sem histórico de transtornos mentais antes do uso de canabinóides sintéticos e são mais comuns em homens e usuários mais jovens. O uso dessa substância é um fator de risco para o desenvolvimento de esquizofrenia e está associado a uma maior probabilidade de necessitar de tratamento farmacológico com antipsicóticos do que aqueles que usam maconha convencional.

            7. Risco de overdose

            Os usuários de cannabis sintética podem sofrer uma overdose, ou seja, podem tomar muito dessa droga e experimentar uma reação perigosa com sintomas muito graves ou até mesmo a morte. O a Principal sintomas associados à overdose de cannabis sintética filho:

            • Aumento da pressão arterial
            • Diminuição do fluxo sanguíneo para o coração
            • Disritmia (distúrbio do ritmo cardíaco)
            • Convulsões
            • Insuficiência renal
            • Insuficiência hepática
            • Infarto do miocárdio
            • Hipotermia

            Se a cannabis sintética veio misturada com opióides sintéticos, como o fentanil, aumenta o risco de morte.

            Referências bibliográficas

            • Curran, HV, Freeman, TP, Mokrysz, C., Lewis, DA, Morgan, CJA, Loren H. Parsons (2016). Não andando na grama? Cannabis, cognição e vício. Nature Reviews Neuroscience, 17(5): p. 293-306.
            • Dresen, S., Ferreirós, N., Pütz, M., Westphal, F., Zimmermann, R. e Auwärter, V. (2010). Monitoramento de misturas de ervas que potencialmente contêm canabinóides sintéticos como compostos psicoativos. Journal of Mass Spectrometry: JMS, 45 (10), 1186-1194. https://doi.org/10.1002/jms.1811
            • Filbey, FM; Aslan, S.; Calhoun, VD; Spence, Jeffrey S.; Damaraju, E.; Caprihan, A. & Segall, J. (2014). Efeitos a longo prazo do uso de maconha no cérebro. PNAS. voo. 11; 47. Centro de Saúde do Cérebro. Universidade do Texas.
            • Mathews, EM, Jeffries, E., Hsieh, C., Jones, G. & Buckner, JD (2019). Uso de canabinóides sintéticos entre estudantes universitários. Addictive Behaviors, 93, 219-224. https://doi.org/10.1016/j.addbeh.2019.02.009
            • Trecki, J., Gerona, RR e Schwartz, MD (2015). Doenças e mortes relacionadas a canabinóides sintéticos. The New England Journal of Medicine, 373(2), 103-107. https://doi.org/10.1056/NEJMp1505328
            • Volkow, ND, Baler, RD, Compton, WM, Weiss, SRB (2014). Efeitos adversos à saúde do uso de maconha. The New England Journal of Medicine, 370, p. 2219-2227.
            • Weinstein, AM, Rosca, P., Fattore, L. e Londres, ED (2017). As drogas sintéticas de catinona e canabinóides representam um risco significativo para a saúde pública. Frontiers in Psychiatry, 8, 156. https://doi.org/10.3389/fpsyt.2017.00156
            • Yeruva, RR, Mekala, HM, Sidhu, M. & Lippmann, S. (2019). Canabinóides sintéticos: “O tempero” pode induzir psicose: uma breve revisão Innovations in Clinical Neuroscience, 16(1-2), 31-32.

            Deixe um comentário