Tríade didática: características e componentes deste modelo educacional

Existem diferentes modelos educacionais e psicológicos que tentam explicar como o ensino é transmitido e como a aprendizagem ocorre. A tríade didática é um modelo educacional que tem as suas raízes no final do século XIX e que se centra em três componentes: o aluno, o professor e o saber.

Neste artigo, analisaremos as características do modelo também conhecido como triângulo educacional, seus componentes e as relações (chamadas de “processos”) que ocorrem entre eles. Por fim, mencionaremos as críticas levantadas pela tríade didática.

Como aprendemos?

Dizem que aprendemos todos os dias da nossa vida. A aprendizagem envolve a aquisição de conhecimentos e habilidades; além disso, permite modificar crenças anteriores e enriquecer-se com os estímulos dos meios. Como mencionamos, existem diferentes orientações ou modelos para explicar como aprendemos.

Modelos de aprendizagem

Modelos clássicos ou tradicionais aludem a processos passivos, onde o aluno recebia as informações que tinha que aprender e as reproduzia no exame correspondente (de fato, o atual modelo de avaliação do sistema educacional é baseado nesta técnica).

Porém, mais tarde, outros modelos surgiram: modelos comportamentais, por exemplo, que se baseiam na afirmação de que o conhecimento é administrado ou ‘controlado’ pelo professor, que o oferece aos próprios alunos, mas ao fazê-lo. Esquecendo o mais cognitivo ou variáveis ​​emocionais.

Depois eles apareceram modelos cognitivos, que focaram sua atenção em como o aluno processa as informações durante a aprendizagem, Dê um papel central às capacidades cognitivas (atenção, memória, percepção, …).

Por outro lado, encontramos os modelos progressivos, que enfocam o próprio aluno como agente ativo na explicação dos processos de ensino-aprendizagem.

Por fim, temos o modelo da tríade didática, que apresenta as características de todos os modelos, e que supõe uma abordagem integrativa, mas sim construtivista. esta orientação recomenda que os alunos desenvolvam seus próprios conhecimentos, mantendo uma função ativa. Vamos dar uma olhada nos recursos mais importantes do modelo.

Tríade didática: características

A tríade didática é um modelo educacional proposto por Jean Houssaye, professor de francês, em 1986. Foi neste ano que apresentou a sua tese, que aludia à relação entre três componentes em qualquer ato pedagógico ou educativo. Esses três componentes são: o professor (ou o professor), o aluno e o conhecimento.

A tese de Houssaye foi o ponto de partida para começar a desenvolver este modelo psicoeducacional, embora na verdade tenha sido anos antes, em meados do século XIX (1850), quando começaram a surgir as primeiras ideias para esta teoria.

A tríade didática se afasta dos modelos comportamentais que enfatizam o papel do professor como “controlador” do conhecimento.. Este modelo visa explicar os processos de ensino-aprendizagem a partir de relações bidirecionais entre três elementos que se influenciam: o professor, o aluno e o conhecimento.

Componentes do triângulo educacional

Como nós vimos, os componentes que compõem a tríade didática são: o professor, o aluno e o saber. Segundo esse modelo, esses três elementos são essenciais para que a aprendizagem aconteça, ou seja, qualquer ato pedagógico que envolva alguém ensinando algo para alguém (no caso, professor e aluno).

1. Professor

O primeiro elemento da tríade didática, o professor, é a pessoa que transmite seu conhecimento ao aluno por meio de uma série de estratégias pedagógicas. É a figura de referência para o aluno em termos de crescimento cognitivo e educacional, porque lhe permitirá assimilar e compreender novos conceitos, que irão enriquecer a sua cultura e a sua pessoa.

2. Alunos

Na tríade didática, o aluno é quem “recebe” o conhecimento; mas este não é um recebimento passivo, mas sim consiste no fato de que o próprio aluno desempenha um papel ativo no processo de aprendizagem, Dê sentido ao que está internalizado.

Ou seja, o aluno aprende, adquirindo conhecimentos que antes não possuía, porém ele deve, portanto, estar motivado e aberto ao conhecimento. É o agente ativo da tríade.

3. Conhecimento

O conhecimento é o material a ser aprendido. Não é um material fisicamente tangível, mas de uma coleção de informações, dados, experiências, teorias e ideias que o professor deve transmitir ao aluno, fazendo-o participar para que finalmente o apreenda (apreender vai um pouco além do aprender, e implica assimilação, compreensão de algo).

Relacionamentos ou processos

Entre os componentes da tríade didática, ocorrem relações de mão dupla. Esses relacionamentos são chamados de processos e três ocorrem simultaneamente: Entre professor e conhecimento (ensino), entre professor e aluno (formação / prática) e entre aluno e conhecimento (aprendizagem).

Vamos analisar cada um desses processos:

1. Educação

Na tríade didática, o ensino é o processo que surge da relação entre o professor e o saber. Esses dois elementos são essenciais para que o ensino aconteça; assim, o professor transmite seu conhecimento para ensinar ao aluno.

2. Treinamento

Também chamada de prática, é a relação que ocorre entre professor e aluno. Dependendo da natureza dessa relação, o aprendizado ocorrerá com mais ou menos facilidade.

Se a relação for favorável e fluida, a comunicação será mais fácil e o treinamento, ou seja, o processo que surge entre esses dois componentes será mais positivo, o que permitirá que o aluno se beneficie mais facilmente da situação de ensino.

3. Aprendizagem

A terceira relação da tríade didática ocorre entre o aluno e o saber. Ou seja, tem a ver com a forma como o aluno interage com o conhecimento que lhe é transmitido pelo professor, com como você lida com essas informações, como você se beneficia delasetc.

Se a relação for lucrativa, o aluno acabará aprendendo, ou seja, o aprendizado ocorrerá e o ato de ensinar terá sido bem-sucedido, pois terá cumprido seu propósito.

Avaliações do modelo

Se a tríade didática oferece uma explicação muito completa para ilustrar os processos de ensino-aprendizagem, como qualquer modelo ou teoria, também atraiu críticas.

Os que não são tão favoráveis ​​à tríade didática como modelo explicativo desse tipo de processo aludem a três argumentos:

1. Contexto

este modelo ele deixa de lado o contexto em que a aprendizagem ocorre. Os críticos da tríade didática argumentam que o contexto também é um elemento fundamental para entender como uma pessoa aprende e / ou como outra ensina, transmitindo conhecimentos.

2. Conhecimento como algo tangível

Os críticos também acreditam que o conhecimento não é realmente algo tangível, físico ou que pode ser “tocado” (como argumenta a tríade didática). Em outras palavras, isso quer dizer não é algo que pode ser “aprendido” e não é algo que afeta outros componentes do processo de aprendizagemAo contrário do que diz o modelo da tríade.

3. Independência e conhecimento dos professores

Outra crítica que os detratores fazem do modelo é que consideram que o professor e o conhecimento não são componentes realmente independentes, E que isso não pode ser afirmado, conforme mostrado em modelo.

Referências bibliográficas:

  • Coll, C.; Palacios, J.; Marchesi, A. (2003). Desenvolvimento psicológico e educação. 2. Psicologia da educação escolar. Aliança: Madrid.
  • Román, CF e Taronger, MP (2015). A tríade didática em um modelo de educação construtivista. Escritos na Faculdade: Reflexão Pedagógica, 109: 56-57.
  • Sampascual, G. (2007). Psicologia Educacional. 2 volumes. UNED: Madrid.
  • Uljens, M. (1997). Didática e aprendizagem escolar. East Sussex: Psychology Press.

Deixe um comentário