Sobre a infância e o vírus que mudou nossas vidas

Nossas vidas mudaram nos últimos dois anos; este vírus fez com que todos tivéssemos de reorganizar os nossos estilos de vida, os nossos ritmos e rotinas, os nossos horários e locais de vida…

Nesse novo contexto, as residências se transformaram em escritórios, centros de teleconferência, cinemas, ginásios e até escolas. Como adultos, fomos motores de adaptação à nova ameaça e em muito pouco tempo começamos, quase sem assimilá-la, a funcionar de forma diferente. Milho… E as crianças e adolescentes?


    Um desafio à nossa adaptabilidade

    A resiliência cidadã permitiu que a sociedade como um todo avançasse; ou pelo menos não terminou abruptamente. Como sociedade, tentamos não deixar ninguém para trás: garantir que todas (ou quase todas) as pessoas tenham uma renda mínima para sobreviver; medidas de flexibilização trabalhista ajudaram a conter a queda na produção; o cumprimento das restrições pela maioria dos cidadãos ajudou a conter o contágio, as empresas se mantiveram à tona graças aos auxílios estatais e assim por diante.

    Diante do exposto, parece que conseguimos responder de forma eficaz à pandemia, fornecendo proteção; porém, tomando como referência o sino gaussiano, fica claro que conseguimos reagir e proteger as faixas etárias que ocupam posições centrais da população, deixando a cabeça e a cauda da curva em segundo plano. Quer dizer, eumenores e idosos, que não têm recebido a atenção prioritária que merecem devido à sua grande vulnerabilidade.

    Sem diminuir a importância do grupo de idosos, neste artigo gostaria de focar nos menores, pois são o grupo com o qual mais trabalho na minha profissão. E pretendo oferecer uma reflexão sobre aspectos que, do meu ponto de vista profissional, considero subestimados ou não suficientemente levados em conta porque outros elementos têm captado a atenção mediática e social. Assim, botellones, o aumento de suicídios ou tentativas de suicídio, regressões a estágios evolutivos anteriores ou certas variantes de agorafobia devido ao risco de infecção, são alguns exemplos de efeitos indiretos desse vírus que têm sido amplamente discutidos na mídia, mas também em o nível social. nível.

      O impacto psicológico das restrições sobre os jovens

      Uma coisa que afeta adolescentes e pré-adolescentes, e que parece ter ficado em segundo plano, é que seu desenvolvimento psicossocial foi abruptamente interrompido devido a medidas e restrições sanitárias. Da noite para o dia, suas redes sociais -reais- (que nos últimos anos já foram diminuídas pela massificação dos “smartphones”) desapareceram quase completamente.

      O mundo virtual tornou-se o espaço social para esta faixa etária; A formação, a sociabilidade e o lazer desenvolvem-se assim num ambiente virtual desprovido de aspectos comunicativos não verbais, tão importantes para o bom desenvolvimento da comunicação.

      Essa digitalização da experiência social não só a empobrece, gerando um sentimento de solidão e isolamento já detectado por certas pesquisas, mas também influencia negativamente o desenvolvimento social. A experiência social pessoal é rica em estímulos (físicos e emocionais) que nos ajudam a interpretar os outros, aprender novas habilidades por meio da imitação, explorar novas possibilidades para gerenciar melhor os conflitos, etc.

      Além disso, o contato físico nas relações interpessoais tem efeito positivo no humor e ajuda a melhorar a autoestima.

      No caso de crianças em idade escolar entre 6 e 11 anos, o valor do contato entre meninos e meninas de diferentes idades parece ter sido subestimado em seu desenvolvimento. Os benefícios de alguma heterogeneidade nos relacionamentos das crianças Eles foram amplamente documentados por autores eminentes como Maria Montessori, cujos estudos mostraram que as salas de aula com vários níveis beneficiam todas as crianças, independentemente da idade.

      Pois bem, em nossas escolas, o contato entre menores de diferentes idades já é raro por si só, e só acontece no recreio e no lazer; mas agora, depois da pandemia, a metodologia do grupo “bolha” fez com que esse contato intergrupal fosse reduzido ou desaparecido completamente..

      Assim, o efeito “bolha” gera áreas de sociabilidade endogâmica onde as crianças são privadas da possibilidade de se relacionar com outros pares, mais novos e mais velhos, o que produz uma sociabilidade cristalizada em que o papel e o status de cada membro do grupo são dificultados para modificar; as alianças também sofrem com a pobreza de alternativas, a possibilidade de aprender por imitação desaparece para os pequenos, assim como a possibilidade de vivenciar o cuidado e a responsabilidade não é oferecida aos mais velhos.

      Quanto às crianças em idade pré-escolar (0-5 anos), existem também algumas limitações que afetam o seu desenvolvimento provocadas pela pandemia. E neste ponto eu gostaria de focar em dois aspectos que têm sido tratados de forma um tanto superficial na mídia, e que talvez – pelo seu aspecto mais técnico – tenham passado despercebidos pela sociedade.

      A primeira tem a ver com desenvolvimento da linguagem; Alguns artigos científicos já foram publicados alertando para um possível atraso no início da fala na “geração Covid”, devido à perda de informações visuais relacionadas ao uso de máscaras. Esse efeito ocorre não apenas em surdos, mas também em crianças que a priori não apresentam outras dificuldades.

      A segunda delas diz respeito capacidade visual. Nosso cérebro, devidamente exposto à realidade externa, gera profundidade de campo ou visão tridimensional; Bem, existe uma fase crítica, que começa antes dos dois anos de idade, em que essa função adaptativa se desenvolve devido à exposição ao mundo exterior.

      O aumento do uso de telas, devido à necessidade de teletrabalho por parte dos pais, aliado à obrigação de ficar em casa ou limitar as saídas devido ao risco de infecção, afeta o desenvolvimento dessa função cerebral nas crianças. uma vez que as imagens que recebemos através deles são bidimensionais.

        Conclusão…

        Concluindo, acredito que, como sociedade, estamos em um momento em que os profissionais da educação e da saúde, bem como as famílias e as instituições públicas, devem prestar especial atenção aos menores conceber e desenvolver ações que possam mitigar os efeitos negativos que a pandemia está a ter no seu desenvolvimento.

        Como profissional do dia-a-dia com menores, acredito que a nossa população mais jovem se comporta geralmente de forma responsável no cumprimento das restrições sanitárias, e tem contribuído para a sua forte adaptabilidade e resignação para dominar a situação de saúde. Agora é a nossa vez de sermos responsáveis, empáticos e protetores. Devemos isso a ele.

        Autor: Ivan Zancolich, psicólogo e psicoterapeuta do VALIA, serviço especializado em trabalhar com crianças e famílias em dificuldade.

        Deixe um comentário