Síndrome de Einstein: características, sintomas e efeitos nas crianças

Por síndrome de Einstein entende-se um atraso no início da fala; quando isso acontece, a criança não atinge os objetivos evolutivos que deveria ter alcançado de acordo com sua idade.

Esse atraso na fala ou o processo de maturação mais lento não é um marcador de patologia, pois em crianças com síndrome de Einstein observamos altas capacidades intelectuais principalmente de pensamento analítico e criativo. Apresentam também boa motricidade, alta capacidade de memória e interesses limitados que remetem a um grande interesse por determinados assuntos.


Assim, esta síndrome não aparece em nenhum manual de diagnóstico, e mais pesquisas e estudos são necessários para saber mais. No entanto, tem se mostrado útil como diagnóstico diferencial do autismo, evitando que crianças com desenvolvimento de linguagem mais lento sejam erroneamente classificadas como autistas.

Neste artigo veremos o que é síndrome de Einstein e quais são suas características e sintomas definidores.

    O que é a Síndrome de Einstein?

    A síndrome de Einstein é definida como um atraso no início da fala. Os meninos e meninas que o desenvolvem eles não falam ou o fazem de forma incompleta, enquanto com a idade devem ter essa habilidade mais desenvolvida.

    Em linhas gerais, estabeleceu-se como critério que as crianças já deveriam expressar frases ou frases de uma palavra por ano, período conhecido como holofrásico; aos 2 anos, devem ser capazes de combinar as primeiras palavras, de duas palavras a mais (este fato é conhecido como discurso telegráfico); aos 3 anos, há aumento do vocabulário; e aos 4 anos, o vocabulário da criança já é semelhante ao do adulto.

    Podemos ver como esses são períodos bastante específicos, mas nem todas as crianças os enfrentam da mesma maneira. Tem sido observado que 15% da população desenvolve a linguagem tardiamente. Entre eles estão as crianças com síndrome de Einstein que, como já apontamos, começarão a falar mais tarde, mas uma vez que adquirirem a habilidade, não sofrerão nenhuma deficiência ou deficiência que indique um início tardio. Da mesma forma, também observamos que esses são assuntos avançados em outros campos, especialmente em termos de pensamento analítico e criativo.

    Essa síndrome foi descrita e nomeada pelo economista americano Thomas Sowell, com a função principal de distinguir sujeitos com atraso na fala e crianças diagnosticadas com autismo. Hoje sabemos que um sintoma de autismo pode ser o atraso no início da linguagem, mas esse sintoma não é específico ou determinante dessa condição; um atraso pode ser observado, mas os outros critérios diagnósticos para o autismo nem sempre serão atendidos.

    Se olharmos para o nome da síndrome, veremos que presta homenagem ao famoso e importante cientista do século 20 Albert Einstein. isso ocorre porque Einstein começou a falar tarde, não chegou a uma frase completa até os 5 anos de idade, mas esse desenvolvimento adicional dessa habilidade não impediu que suas habilidades intelectuais progredissem adequadamente e se tornassem um gênio.

      Defina os sintomas da síndrome de Einstein

      Como vimos, o termo “síndrome de Einstein foi cunhado por Sowell”. Sowell então se juntou a Stephen Camarata para realizar pesquisas sobre as características das pessoas com essa síndrome. O principal critério que conhecemos é que a criança não progride normalmente no aparecimento da fala, por mais existem outros sintomas que podem indicar que você realmente tem essa síndrome.

      Algumas dessas características são: habilidades excepcionais em habilidades analíticas ou musicais, com domínio de tecnologias além de sua idade; grande capacidade de memória; grande teimosia (é difícil convencer essas pessoas a fazer algo que não querem); interesses seletivos, especialmente aqueles relacionados à música ou criatividade; atraso na capacidade de controlar a micção e usar o banheiro; quando algo lhes interessa, concentram completamente sua atenção; apresentam dificuldades na comunicação verbal nos primeiros anos, adquirem a construção correta de uma frase logo aos 4 anos e têm um bom desenvolvimento das habilidades motoras. Além disso, eles geralmente têm pais com altas habilidades analíticas ou musicais;

        O diagnóstico

        É normal que nós, pais, estejamos atentos ao desenvolvimento do nosso filho, nos preocupemos se achamos que ele não está atingindo os marcos estabelecidos em cada idade. Nossas mentes começam a imaginar as piores situações, pensando que podem ter um problema sério, uma deficiência de desenvolvimento ou autismo. Mas outras deficiências também são conhecidas por serem atrasadas na fala.

        A síndrome de Einstein não aparece como transtorno em nenhum manual de diagnóstico, pois se observou que as características definidoras não são determinantes desse transtorno; em outras palavras, é, Existem características desta síndrome que também se apresentam em indivíduos sem patologia, e nem todos os indivíduos com esta síndrome têm capacidades intelectuais superiores.. Consequentemente, será necessário continuar a investigação sobre esta patologia porque atualmente a informação de que dispomos é escassa.

        Mas o diagnóstico dessa condição serve para diferenciar e não para fazer um diagnóstico precoce da síndrome do espectro autista. Se olharmos para os critérios descritos na seção anterior, descobrimos que alguns correspondem ou também podem ter um transtorno autista, como o principal sintoma de atraso na fala ou interesses restritos.

        É por isso que os dois autores definiram a síndrome de Einstein para diminuir o sobrediagnóstico ou erro de diagnóstico do autismo. Temos que ter em mente que colocar alguém em uma categoria, rotulá-lo, tem uma série de efeitos, como a necessidade de tratamento ou tratamento diferente, por exemplo, na escola. Portanto, é importante que antes de classificar um sujeito em uma categoria, um transtorno, tenhamos certeza de que ele realmente atende aos critérios.

        Mas o autismo não é o único diagnóstico semelhante a essa condição. Há um distúrbio na quinta edição do Manual de Diagnóstico da American Psychiatric Association chamado distúrbio de fala, que também apresenta alterações na linguagem expressiva e compreensível, embora isso tenda a persistir e não melhorar como em crianças com síndrome de Einstein.

        Como dissemos, nem todas as crianças se desenvolvem igualmente e isso não significa que elas tenham um transtorno, nem que todas as pessoas com patologias tenham as mesmas características, o que dificulta ‘A atribuição de um diagnóstico em idade precoce, pois as crianças pequenas têm ainda a desenvolver e não temos certeza de como será esse processo.

        Também é importante ter em mente os sinais de alerta ou marcos mais comuns que as crianças apresentam em cada idade, mas sempre tenha em mente que eles não são determinantes ou uma causa direta de uma deficiência ou problema grave de saúde mental. Se tivermos dúvidas se nosso filho pode ser afetado, é melhor consultar um profissional. descartar possíveis patologias e se algum problema for detectado, poder intervir e tratá-las o mais rápido possível, pois isso evitará que elas evoluam para deteriorações mais graves.

          Como é a síndrome de Einstein?

          Feito o diagnóstico e avaliadas todas as possíveis patologias que possam estar ligadas aos sintomas manifestados pela criança, é estabelecido e orientado o tratamento mais adequado e adaptado ao sujeito em particular. Tentamos tornar a intervenção o mais personalizada possível, porque cada indivíduo é diferente, com diferentes dificuldades, capacidades e ambientes.

          Por aqui, avaliamos quais são as dificuldades mais características de cada assunto para poder tratá-las desta forma. Por exemplo, nós vamos examinar se o problema de linguagem é apenas expressivo (ou seja, apresenta alterações no modo de expressão com extensão reduzida do vocabulário e sem formulação completa das frases), ou se apresenta também compreensão. .

          Se a compreensão estiver prejudicada, já se entende que a expressão também será afetada e, portanto, o comprometimento será mais grave e exigirá outro tipo de tratamento. Esses sujeitos, além de terem dificuldade para falar, também têm dificuldade para compreender o que lhes é dito, compreender as informações que recebem.

          Em suma, entendemos a síndrome de Einstein como uma forma de categorizar sujeitos com dificuldades de fala, mas que muitas vezes acabam desenvolvendo altas habilidades e sucessos significativos, sempre tendo em mente que não é um problema médico e que não é conhecido por certeza da influência que tem sobre o meio ambiente e qual a porcentagem de pessoas. Devemos lembrar também que cada criança tem diferentes períodos de maturação e desenvolvimento, o que é bastante normal, e não há necessidade de se alarmar.

          Referências bibliográficas

          • Smith, D. (2020) Síndrome de Einstein: características, diagnóstico e tratamento.
          • Sowell, T. (2003) Síndrome de Einstein: Crianças brilhantes que falam tarde. Livros Básicos, Nova York.
          • Alonso, V. (2018) Manual de preparação do CEDE PIR: psicologia clínica infantil. CEDE: 5ª Edição.

          Deixe um comentário