Pais não tão pais

Se certas feridas da infância nos afetam por toda a vida, é importante aprender a conviver com elas.

É doloroso aceitar que as pessoas que mais nos machucaram são nossos próprios pais.. Embora bullying escolar, decepções amorosas, perdas emocionais ou materiais sejam potenciais perigos emocionais que um ser humano pode vivenciar, o trauma causado pelos pais é tão profundo que acabam formando uma ferida de rejeição acompanhada de um sentimento de inadequação que pode afetar o criança desde a infância e durante toda a vida adulta.


É assim que podemos ver as pessoas que foram feridas por aqueles que deveriam protegê-las, cuidar delas, amá-las, compreendê-las e aceitá-las como são. Sim, eles, seus próprios pais, a quem devemos amor, respeito e admiração pelos princípios morais. Humanos cheios de falhas e feridas carregando outro humano vulnerável em suas mãos: seu filho.

    O impacto psicológico do mau comportamento dos pais

    Algumas crianças percebem que algo está errado quando podem comparar seus pais com os pais de seus amigos., não porque os amigos tenham um lar perfeito, mas porque veem afeto e cuidado em sua dinâmica familiar. Uma criança não entende de questões econômicas ou políticas, mas sabe identificar amor e desprezo.

    Quando essa criança cresce e tem a capacidade de ver a distância emocional de seu pai ou mãe, que o amor incondicional de seus pais não vem, que ela não pode ter sua aceitação, isso não é suficiente para eles, ela sente que há um condição para poder obter a aprovação de seus pais: consiste em ser alguém diferente. Mas não se trata apenas de mudar certos aspectos de sua vida, trata-se de mudar todo o seu ser, não sendo ele ou ela.

    É algo que uma criança não consegue entender. Portanto, na forma de uma resposta, ele se sente culpado pela maior parte de sua infância. Como ele pode não conseguir que seus próprios pais o amem incondicionalmente? A criança chega à conclusão errada e pensa que há algo errado.que ele está errado porque sua ação é rejeitada, ele pensa que pode ter nascido imperfeito.

      Efeitos psicológicos no processo de crescimento

      Infelizmente, quando o jovem decide colocar uma distância emocional entre ele e seus pais, pode haver muitos danos. Quando criança, não sentia aquele apego seguro à própria família, sempre era comparado e avaliado com um resultado constante: ser encontrado desaparecido. A crítica estava na ordem do dia. Frases como: não pode, não usa, não sabe, não entende… Julgamentos com graves consequências que convenceram a criança de que essas declarações eram verdadeiras.

      Essa voz de comparação e desaprovação permaneceu em sua mente até se tornar adulto e pode tê-lo acompanhado até hoje, mesmo não estando mais com seus pais. Esse aprendizado da rejeição pessoal permaneceu dessa infância dolorosa e agora essas palavras são repetidas e internalizadas como autocrítica que o desaprova, o julga, o compara, o desencoraja e o prejudica. É um sentimento de inadequação pessoal, hipervigilância e hipersensibilidade à rejeição.

      Por que isso acontece? Porque… Como você pode acreditar que alguém pode aceitar ou acreditar que pode ser bom em seu trabalho ou aceitar aprovação para si mesmo quando seus próprios pais não fizeram isso com ele? Em tais casos a pessoa não pode se valorizar pessoalmente, e essas inseguranças cortam suas asas.

        E a causa?

        Milho… Por que existem pais nocivos ou tóxicos? Sem justificar o seu comportamento, podemos analisar várias causas que podem levar alguns pais a agir desta forma.

        Os principais são os efeitos psicológicos não tratados, as feridas da própria infância, a repetição dos estilos parentais dos pais com eles…

        Às vezes, o problema é o que essa criança significa para eles, como planos frustrados, projetos pessoais fracassados, a sensação de um romance passado ou sua própria criança interior rejeitada. A partir de então, esses adultos tornaram-se pais indigentes.

        Por isso é necessário que esse jovem ou esse adulto procure ajuda profissional para começar a conhecer sua ferida, ouvi-la, compreendê-la e decidir não continuar vendo a vida através dela, escolher pensar e sentir diferente da lesão. É um processo em que a autoestima, a ansiedade e a aceitação terão que trabalhar.

        Deixe um comentário