O que é uma adaptação curricular na educação? Seus tipos e vantagens

Nas ciências da educação, é cada vez mais considerado que a participação e a aprendizagem nas escolas não depende apenas de meninos e meninas se adaptarem às atividades escolares; mas a própria escola tem a responsabilidade de se adaptar às condições de meninos e meninas.

A partir dessa abordagem, diferentes propostas educacionais surgiram para lidar com a diversidade de modos de aprendizagem e participação. Um deles diz respeito às adaptações curriculares.


    O que são adaptações curriculares?

    As adaptações curriculares, também chamadas de adaptações curriculares, são uma das estratégias que a pedagogia tem desenvolvido para reduzir os obstáculos à aprendizagem e a participação de meninos e meninas.

    A palavra “curricular” vem de “currículo” (que significa “carreira” em latim) e se refere a planos ou projetos educacionais que moldam as atividades educacionais. Nesse sentido, um currículo nos permite responder às questões do que é ensinado? e como isso é ensinado? Isso pode variar dependendo da escola ou do sistema educacional.

    Assim, uma adaptação curricular consiste basicamente em planejar e fazer mudanças relevantes no currículo (por exemplo, no currículo do primeiro ano do ensino fundamental). para incentivar a aprendizagem e a participação de uma ou mais crianças.

      Quando eles são necessários?

      Ajustes do programa podem ser necessários caso uma criança tenha dificuldade em adquirir habilidades ou conhecimentos na velocidade exigida em uma escola através do currículo oficial (neste caso pode-se dizer que existe uma barreira à aprendizagem).

      Mas não só, também pode acontecer que uma escola precise se adequar às condições do seu espaço (arquitetura) para que meninos e meninas tenham acesso a programas educacionais. Por exemplo, no caso de uma pessoa com mobilidade reduzida.

      Ou também pode acontecer que meninos ou meninas passem por situações de conflito emocional e isso tenha impacto em seu desempenho acadêmico, que poderia ser prejudicado se o programa tivesse alguma flexibilidade.

      Estes últimos casos são obstáculos à participação e, embora eles não envolvem a modificação direta do programa educacionalSão importantes porque a participação das crianças é uma das condições necessárias para facilitar o seu acesso ao programa.

      Tipos de adaptações curriculares

      Existem vários tipos de adaptações curriculares, cada uma dependendo da condição da criança e também das condições da escola ou do sistema de ensino.

      1. Acessar as adaptações (ou agendar a aula)

      As adaptações de acesso são aquelas que, como o nome sugere, permitem que meninos e meninas para ser integrado em espaços educacionais. Eles podem ser de dois tipos, adaptações de acesso à condição física ou adaptações de acesso à comunicação.

      1.1. Acessar adaptações com base na condição física

      Consistem em revisar os meios e recursos que impedem ou permitem que a criança tenha acesso ao currículo. por razões de mobilidade ou comunicação. Ou seja, trata-se de adequar os espaços físicos das escolas, proporcionando os suportes tecnológicos necessários e garantindo que haja mobiliário adequado, para que possam garantir a todas as crianças o enquadramento nas salas de aula, nos jardins. etc. .

      1.2. Acesso a adaptações relacionadas à comunicação

      Eles envolvem levar em consideração que, ao longo de seu desenvolvimento, meninos e meninas podem ter diferentes dificuldades de comunicação com os outros, tanto oralmente quanto por escrito.

      Da mesma forma, no caso de crianças com deficiências sensoriais e intelectuais ou motoras, elas podem ter dificuldade de comunicação. Um exemplo de adaptação de acesso, neste caso, é a promoção de sistemas de comunicação aumentativa e alternativa e o uso de recursos como símbolos, sistema de sinalização, uso de aparelhos auditivos, sistema Braille, ou cartões eletrônicos ou pictóricos, que entre outras coisas podem facilitar a expressão e compreensão das crianças.

      Em suma, as adaptações de acesso podem ser facilitadas se nos perguntarmos como são as viagens, comunicações e interações que são promovidas no ambiente educacional.

      2. Adaptações dos elementos do programa

      Essas adaptações consistem em fazer alterações diretamente no programa escolar. É um processo que deve ser feito de forma gradual e com a participação das crianças e do corpo docente.

      Seu desenvolvimento pode ser subdividido em quatro etapas gerais: diagnóstico, design, implementação e avaliação. No entanto, essas etapas, como se desenvolvem e como se fecham dependem muito de quem as propõe e também das pessoas que as colocam em prática.

      2.1. Diagnóstico: Por que precisamos de uma adaptação curricular?

      Trata-se de conhecer as condições institucionais, ou seja, os apoios à disposição da escola na sua comunidade, bem como identificar o conhecimento do corpo docente sobre os planos de ensino aplicados de acordo com o ano letivo.

      É também uma questão de fazer uma avaliação psicopedagógica, não só da criança, mas das possibilidades reais dos professores de fazer um ajustamento e segui-lo. No mesmo sentido, identificar a condição da criança, ou seja, os motivos pelos quais seu acesso à aprendizagem é dificultado. finalmente conheça a área de desenvolvimento próxima, Suas necessidades e interesses, para que metas prudentes e realistas possam ser definidas.

        2.2. Design: como compensar a situação?

        Depois de analisar os documentos normativos, os planos educacionais atuais, as condições da escola e as necessidades das crianças, a situação deve ser priorizada, o que deve ser compensado pela adaptação do currículo, E a partir daí, gere uma proposta. Por exemplo, em alguns casos é prioritário que a criança adquira conhecimentos acadêmicos, e em outros é mais necessário estimular habilidades sociais.

        Trata-se então de desenvolver a proposta com a equipe docente, para que seja planejado um curso mensal, bimestral ou anual de acordo com as necessidades do contexto educacional, e adequar essa proposta às necessidades e à área de desenvolvimento. escola. ‘bebê.

        2.3. Implementação: implementação

        Consiste em começar a utilizar as unidades didáticas programadas para o tempo determinado e, principalmente, em implementá-las gradativamente. Também fornece materiais, estratégias detalhadas e considerar a forma de avaliação ou avaliação a ser realizada.

        2.4. avaliação constante

        Por último, é necessário avaliar o acesso da criança ao programa, tanto ao nível da mobilidade e da comunicação, como da facilidade com que agora tem de adquirir os conhecimentos que nos propusemos. Da mesma forma, detectar novas dificuldades, tanto do próprio menino quanto da própria menina, bem como dos professores e da comunidade educacional, Para que seja possível oferecer alternativas prudentes.

        Referências bibliográficas:

        • Direcção Básica de Educação Básica Especial. (2007). Manual de adaptações curriculares. Ministério da Educação: Peru
        • Puigdellívol, I. (1996). Programação de sala de aula e adaptação curricular: lidando com a diversidade. Grau: Barcelona

        Deixe um comentário