Meu filho não quer estudar: possíveis causas e o que fazer

Estudar é uma daquelas tarefas que muitos meninos e meninas acham desagradáveis. Seria difícil para eles jogar ou assistir TV em vez de abrir o manual e fazer o dever de casa.

Embora muitas vezes associem isso a uma tarefa chata, a maioria dos meninos e meninas se envolve nisso. Qual escolha? Obrigações são obrigações e, em uma idade tão jovem, estudar é a única coisa obrigatória em sua vida.


No entanto, às vezes há crianças que não estudam diretamente. Esta é uma situação obviamente problemática porque sem pregar os cotovelos é apenas uma questão de tempo até que seu desempenho acadêmico seja ruim.

Isso já aconteceu com você como pai? Você tem um filho que não estuda nada? Se você continua dizendo “Meu filho não quer estudar”, aqui está o porquê e o que você pode fazer. Continue lendo para descobrir.

    Meu filho não quer estudar: por que isso está acontecendo?

    Meninos e meninas devem ser felizes. Os primeiros anos de vida são os que são lembrados com mais alegria porque a inocência e a liberdade de não ter muitas obrigações mancham essas belas lembranças.

    Além de ir à escola e aprender o que é ensinado lá, os pequenos não têm mais grandes obrigações. O resto é brincar com os amigos, aproveitar seu tempo livre com todo tipo de entretenimento sozinho ou acompanhado e viver uma vida despreocupada.

    A única obrigação de meninos e meninas é estudar. Os pequeninos têm que fazer a lição de casa, abrir os livros de vez em quando para se preparar para os exames e prestar atenção nas aulas. Isto também se aplica aos adolescentes que, embora tenham outra obrigação de cuidar dos irmãos mais novos ou ajudar nas tarefas domésticas, a verdade é que a única constante na vida dos menores de estudar é dedicar parte do seu tempo à obrigação de estudar.

    No entanto, estudar não é considerado uma tarefa agradável ou confortável. Enquanto alguns meninos e meninas gostam de aprender de uma maneira excelente, outros veem isso como algo que prefeririam evitar se pudessem. Eles acabam aprendendo o que têm que estudar no final porque não têm escolha. Só porque eles não gostam de estudar não significa que eles não acabam fazendo isso, talvez com bandidos, mas no final eles aguentam.

    Mas há muitos meninos e meninas que não querem estudar. Eles não abrem seus livros, não fazem a lição de casa e até passam nas Olimpíadas para responder aos exames. Os pais desses pequeninos só podem ficar bravos quando descobrem que seus filhos estão mal. e torná-lo a única obrigação que eles têm em sua vida jovem, mas as coisas não são tão simples.

    Pode haver muitas razões pelas quais nosso filho não está estudando e ficar bravo com ele só vai piorar as coisas. As razões pelas quais seu filho não quer estudar podem ser as seguintes.

    1. Falta de motivação

    Nós humanos fazemos tarefas ou atividades porque temos um propósito ou motivação. No caso das crianças, sua principal responsabilidade é aprender, mas simplesmente se não se sentirem motivadas, não estudarão. Se sim, é aqui que você deve se colocar no lugar dos pais e explicar a eles a importância de estudar. fazê-los entender os muitos benefícios que isso tem para o seu futuro.

    Faça um esforço e seja criativo. Tente encontrar maneiras divertidas e educativas de ensinar seu filho a começar a estudar, em vez de usar punições ou penalidades como método principal. Procure saber um pouco mais sobre o jeito que seu filho é, preste atenção no que ele gosta e reforce para que ele possa ir nessa direção, assim ele se sentirá mais motivado a fazer porque verá que é realmente algo que ele ama.

      2. Não entender certos tópicos

      Há disciplinas mais fáceis e disciplinas mais difíceis, às quais se deve somar o interesse e o talento que a criança pode ter por determinadas disciplinas. Sem a necessidade de um problema de aprendizagem, a criança pode não entender parte do conteúdo. Quanto menos ele entende, menos motivado ele fica para estudar, e ele pode até pensar que é realmente pouco inteligente. ou que ele é pior do que seus pares. Obviamente, se essa fosse sua crença, estaríamos diante de um grande problema de auto-estima.

      A qualquer custo, É fundamental que os pais identifiquem a causa e, se necessário, ajudem o pequeno a reforçar os pontos que ele não entende.. Talvez você só precise aprender a lição mais algumas vezes, ou precise de mais alguns exemplos.

      É possível que o que ele não entenda sobre os assuntos seja uma ninharia, tão pequena que quando ele o entende ele começa a se dar bem neste assunto, pois ele realmente o entende e não é menos inteligente ou inferior aos demais. de seus pares. Se você está realmente tendo dificuldades com um assunto, não há problema em fazer uma revisão ou pedir ao professor que nos dê algum tipo de material de reforço para nosso filho.

        3. Problemas familiares

        As crianças são muito sensíveis ao relacionamento de seus pais. Muitos adultos acreditam que as crianças desconhecem os problemas em suas casas, mas a realidade é muito diferente. As crianças prestam muita atenção às discussões dos pais, mesmo quando parecem estar se concentrando em outra coisa, como jogar ou assistir TV. Eles têm sensibilidade suficiente para perceber quando as coisas não estão indo bem e, obviamente, são ainda mais quando testemunham a violência doméstica.

        A violência doméstica atinge diretamente as crianças, sejam elas testemunhas ou vítimas de violência, e indiretamente, quando os problemas tornam seus pais ausentes ou irritados, impossibilitados de cuidar de seus filhos. Entre os muitos efeitos negativos da violência sobre as crianças está o mau desempenho escolar, causado tanto por problemas de concentração em pensar sobre questões familiares como também uma forma de mostrar que você é afetado pelo que está acontecendo em casa.

          4. Bullying escolar

          Infelizmente, o assédio é um fenômeno muito comum nas escolas.. O comportamento violento de alguns alunos, tanto físico quanto verbal, pode ser um inferno para suas vítimas. Esse fenômeno ocorre mesmo nas escolas primárias, agravando-se no ensino médio e médio. É um flagelo para o qual ainda há muito esforço e um longo caminho a percorrer.

          A criança intimidada perde o interesse no estudo. O bullying é um dos principais determinantes do fracasso escolar. Ser maltratado pelos colegas, na forma de ameaças, insultos, humilhações e agressões físicas, dá vontade de estudar.

          a criança ir à escola não como um lugar seguro para aprender, mas como um ambiente hostil em que outras crianças irão machucá-lo e você não poderá se safar por 8 horas por dia, de segunda a sexta-feira. A criança intimidada tem problemas de concentração e atenção e é hipervigilante nas aulas, temendo a próxima agressão.

          Precisamos saber se nosso filho está sendo intimidado na escola. Às vezes é difícil porque há crianças que têm medo de contar aos pais ou que se sentem constrangidas. Como pais, não devemos ter problemas em ir à escola ou ao ensino médio, falar diretamente com o tutor e descobrir qual é a situação.

          Se conhecemos os pais de crianças que intimidam nosso filho, precisamos falar sobre isso. Esperançosamente, eles serão contra o que seus filhos estão fazendo e falarão com eles seriamente. Caso contrário, pode ser uma boa ideia informar aos outros pais o que o agressor está fazendo para manter seus filhos seguros e informar o tutor da turma.

          De qualquer forma, para mostrar aos nossos filhos que, como pais, não consentiremos com esse abuso e que lhes damos todo o nosso apoio.

          O que podemos fazer para ajudar nosso filho a estudar?

          Agora que analisamos as principais causas da relutância de nosso filho para estudar, veremos várias estratégias que você pode usar para mudar a situação. Enquanto alguns já foram apresentados com suas respectivas causas, a seguir explicaremos as principais com mais detalhes.

          1. Crie espaços de estudo

          É muito importante que haja quartos na casa projetados para cotovelos. Devem ser espaços propícios ao estudo, onde não haja estímulos de distração como barulho, televisão ou console.. A escrivaninha deve ser espaçosa para livros, canetas, lápis e todo o material que requer estudo. Se você tiver que sair da sala para procurar algo, isso pode distraí-lo, por isso precisamos garantir que você tenha tudo o que precisa sem precisar interromper seu estudo.

            2. Organize o estudo

            Se ainda for muito pequeno, É uma boa ideia ajudar seu filho a organizar seus estudos e trabalhos de casa. Você pode pensar que a responsabilidade e a organização acabarão aprendendo por conta própria, mas a verdade é que os filhos aprendem com os pais e se não formos organizados ou responsáveis, nossos filhos também não.

            Por esta razão, durante os primeiros anos de escola, é importante ajudar o seu filho com o seu calendário escolar. Organiza um calendário de cada um dos meses letivos. Assim ele aprenderá a se organizar e no futuro o fará sozinho, sem a ajuda de ninguém, tendo em mente quando tiver que entregar algo ou fazer um exame.

            Pode ser muito divertido. Use marcadores de cores diferentes para cada tarefa, como uma cor para os exames, uma para a lição de casa e outra para a lição de casa semanal. O calendário que você fizer deve ser colocado em um local visível da casa ou que a criança veja com frequência, como a porta do quarto dele, para que não seja esquecido.

            3. Estabeleça uma rotina

            As crianças precisam de estabilidade e rotina para funcionar bem. Isso se aplica não apenas às horas de estudo, mas também à alimentação, lazer e sono. Como pais, devemos estabelecer um horário mais ou menos estável durante a semana para gerar uma rotina, obrigando meninos e meninas a internalizar horários. que, mesmo que seja para fazer algo que não gosta, acaba fazendo por inércia.

            O lanche e o jantar devem ser sempre feitos à mesma hora todos os dias. O horário de estudo pode ser logo após o almoço, por volta das 17h ou no horário que for mais conveniente para o pequeno, mas sempre no mesmo horário. Quanto ao sono, devem sempre ir para a cama antes das 22h e garantir que dormem pelo menos 8 horas porque já sabemos que dormir mal é sinónimo de maus resultados escolares.

              4. Combata a frustração e estimule a gestão emocional

              As emoções modulam o grau em que aprendemos algo. É muito difícil aprender quando você está com raiva, desmotivado ou chateado porque a tarefa parece muito longa ou difícil. Se isso pode nos custar como adultos, custará ainda mais para uma criança que ainda não tem uma boa gestão emocional.

              Temos que vigiar a criança enquanto ela estuda, veja se ele mostra sinais de frustração que o impedem de aprender. Neste contexto, a nossa ajuda e a gestão da situação são essenciais. Por exemplo, se a criança está tendo problemas para ler um assunto inteiro em sequência, podemos dividi-lo em dois menores e fazer uma pausa um do outro. Se percebermos que ele está cansado, frustrado ou de mau humor, é melhor parar e tentar acalmá-lo do que insistir para que continue.

              Mas cuidado! Isso não significa que permitimos que você faça uma pausa para jogar ou se divertir. Essa pausa deve ser para acalmá-lo, para acalmá-lo, para tentar colocá-lo no clima certo para que ele possa começar a estudar e ensiná-lo a lidar com suas emoções. A ideia é evitar associar estudos ou trabalhos de casa de alguma forma a uma situação negativa, mas também evite ensiná-lo que se ele ficar frustrado durante seus estudos, ele permitirá que ele faça uma pausa para jogar.

              5. Estudar não é apenas ler o livro

              Estudar não é apenas ler o livro e tentar a sorte para ver se você se lembra do que leu. Se isso é algo que até estudantes universitários têm dificuldade em entender… Você pode imaginar crianças do ensino fundamental? Por isso, É fundamental explicar a eles que ler o livro ou simplesmente fazer o dever de casa não é estudar, mas fazer outras tarefas para consolidar o aprendizado..

              Fazer anotações nas margens das páginas, fazer esboços e resumos dos textos, percorrer as tabelas e gráficos do livro didático… Esses são apenas alguns exemplos de tarefas que ajudam a tornar o aprendizado mais profundo e significativo, em vez de uma tarefa puramente memorial. .

              Os pais devem ajudar os filhos a estudar?

              Uma das questões mais debatidas sobre a educação dos filhos é se os pais devem ajudá-los a estudar. Os pais devem se interessar em como os estudos de seus filhos estão indo não apenas quando eles recebem as notas, mas ao longo do curso.. Você tem que ver se eles estão fazendo o dever de casa, se estão realmente aprendendo e se estão estudando para as provas. Não significa cuidar deles o tempo todo ou fazer a lição de casa com eles o tempo todo, mas mostrar interesse suficiente para mostrar que estamos lá para apoiá-los.

              A resposta à pergunta sobre se os pais devem ajudar seus filhos a estudar depende da situação:

              Por um lado, a resposta é “sim”, desde que seja lucrativo fazê-lo. Especialmente com crianças pequenas, é recomendável que os pais os ajudem a estudar de maneiras como verificação ortográfica ou verificando se eles resolveram um bom problema de matemática. e ensiná-los caso esteja incorreto. Desta forma, os pais atuam como um suporte de reforço que protege a criança, evitando mal-entendidos sobre um determinado assunto ou exercício.

              Por outro lado, a resposta é “não” quando sabemos que a criança é capaz de fazer a lição de casa ou estudar sozinha. Ajudá-los a estudar não é fazer a lição de casa ou arrumar as coisas para eles sem tentar. Ajudar consiste em fazê-los entender o que fizeram de errado em determinado exercício ou tirar dúvidas, mas permitir que tenham um papel ativo e promover sua autonomia quando começam a estudar.

              E devemos sempre deixar claro que oa ajuda e o apoio devem ser dados de forma descontraída e amorosa. Ajudar com uma cara desagradável, usar um tom como se fosse menos inteligente, não ajuda e faz com que ele associe o estudo a uma reprimenda ou a um desprezo de seus pais, aquelas pessoas que deveriam querê-lo incondicionalmente. O que você precisa fazer como pai é valorizar o que fez bem e, se fez algo errado, explique bem.

              Reforçar quando você faz certo é fundamental para o seu aprendizado para que você fique mais motivado para estudar e não associar lição de casa ou estudo a um momento desagradável.

              Referências bibliográficas

              • Butterworth, G.; Harris, M. (1994). Princípios da psicologia do desenvolvimento. Associados de Lawrence Erlbaum.
              • Credé, M., & Kuncel, NR (2008). Hábitos, habilidades e atitudes de estudo: o terceiro pilar que sustenta o desempenho acadêmico universitário. Perspectives on Psychological Science, 3(6), 425-453.
              • Cromdal, J. (2009). Infância e interação social cotidiana: introdução ao número especial. Revisão pragmática. 41 (8): 1473-1476.
              • Dunlosky, J., Rawson, KA, Marsh, EJ, Nathan, MJ e Willingham, DT (2013). Melhorando a aprendizagem dos alunos com técnicas de aprendizagem eficazes: direções promissoras da psicologia cognitiva e da educação. Ciência Psicológica no Interesse Público, 14 (1), 4-58.
              • Figuereido, SM, de Abreu, LC, Rolim, ML e Celestino, FT (2013). Depressão infantil: uma revisão sistemática. Doenças e Tratamentos Neuropsiquiátricos, 9, 1417-1425.
              • Ruiz-Martin, H. (2020) Como acontece a aprendizagem? Uma abordagem científica para aprender e ensinar. Espanha, Grão.
              • Ruiz-Martin, H. (2020) Aprendendo a aprender: melhore sua capacidade de aprender descobrindo como seu cérebro aprende. Espanha, Grupo Editorial da Penguin Random House.

              Deixe um comentário