Meu filho não fala bem: o que fazer?

A aquisição dos sons da fala progride à medida que a criança cresce. Os sons são adquiridos de acordo com o grau de dificuldade, de forma que quanto mais jovem a criança, mais ininteligível é o que ela “diz”.

À medida que envelhecem, têm mais controle sobre sua língua e onde a posicionam, sabem como diferenciar fonemas e entender, por exemplo, que “s” e “z” soam diferentes.


No entanto, a partir dos 5 anos, se a criança ainda não fala nada bem, há um problema. Os pais começam a se preocupar e se perguntar “por que meu filho não está se pronunciando bem?” e o que fazer. Bem, veremos a seguir.

    Por que meu filho não está se pronunciando bem?

    Uma característica muito característica das crianças é ter um pano por língua. Têm dificuldade em imitar palavras, não pronunciam bem os fonemas, viram-nos ou omitem-nos.

    Problemas com a articulação dos fonemas e a fala correta são perfeitamente normais nos primeiros anos de vida. Com menos de 5 anos não têm um controle efetivo da língua e do restante do aparelho fonoarticulatório, além disso, ainda precisam aprender a distinguir os fonemas que constituem sua língua materna.

    Cada criança cresce em seu próprio ritmo e, embora algumas possam falar com clareza com apenas 3 anos de idade, outras ainda lhes custam um pouco na mesma idade. Contudo, a partir dos 4 ou 5 anos de idade, há motivos suficientes para se preocupar se nosso filho ou filha não falar nada bem. Pode não ser nada sério, claro, mas nunca custa ir a um fonoaudiólogo avaliar o que exatamente está acontecendo, pois nossa planta ainda não articula bem os fonemas.

    dislalia

    O nome pelo qual é conhecido um problemas com a pronúncia correta dos fonemas da língua nativa isso é chamado de dislalia. Existem três tipos de dislalia, dependendo de quando ocorre e o que pode estar causando isso.

    1. Dislalia progressiva

    Como mencionamos, até os 4 anos de idade é normal que as crianças não consigam pronunciar todos os fonemas. Isso é chamado de dislalia progressiva, que é a dificuldade em pronunciar sons associada ao fato de os órgãos fonoarticulatórios não terem se desenvolvido adequadamente.

    Com o tempo, a criança terá melhor controle da língua, palato mole e duro, lábios e outras partes envolvidas na pronúncia dos fonemas. Aos 4 anos, espera-se que a criança já seja capaz de pronunciar corretamente, ou esteja muito perto de pronunciar bem todos os sons.

    2. Dislalia funcional

    Dislalia funcional é aquela em que a criança não usa os órgãos articulatórios corretamente ao tentar pronunciar um fonema. Isso pode ser devido a um problema na boca ou simplesmente por não ter aprendido a pronunciar os fonemas corretamente.

    Por exemplo, não posiciona corretamente a língua na posição necessária para emitir o som ou mesmo lateralizá-lo. Você também pode omitir, substituir, distorcer ou inserir um fonema.

    3. Dislalia audiogênica

    Na dislalia audiogênica, a criança não se articula corretamente, não por problemas na boca ou por não saber fazer, mas porque parece não perceber as nuances entre dois ou mais fonemas. Isso pode ser decorrente da surdez ou da não percepção de nenhum processo de estímulos auditivos.

      Tipos de erros

      Quando falamos em dislalia, é possível encontrar diferentes tipos de erros dependendo dos fonemas envolvidos e como eles são omitidos, substituídos ou rodados. Como dissemos, o principal problema da dislalia é que a criança não fala bem sua língua nativa, porém, é necessário tomar nota. Quando falamos da lingua materna não estamos nos referindo ao padrão ou variedade mais comum do idioma, mas ao que é ensinado em casa, Com seu vocabulário específico.

      Existem dialetos na mesma língua e nenhum deles deve ser visto como falando mal a língua. Talvez haja um dialeto mais difundido que os outros e esse discurso tenha servido de referência ou modelo de pronúncia. No entanto, isso não significa que falantes de outros dialetos falem mal, eles apenas falam de forma diferente.

      Pode ser que, nesses outros discursos, os fenômenos linguísticos ocorram de forma radicalmente diferente da maneira como a maioria fala, mas que eles não devem ser interpretados como erros de fala.

      Por exemplo, em alguns dialetos andaluzes existe um fenômeno denominado ceceo, que consiste na substituição de “s” por “z”. O ceceo é também um erro próprio na dislalia, no entanto, este é muito diferente do ceceo natural da fala andaluza. Uma criança andaluza que fala cegamente em casa não é uma criança com dislalia, mas é falante nativo do espanhol andaluz.

      Esclarecido tudo, vamos ver os principais tipos de erros característicos de crianças com dislalia ao usar o espanhol.

      • Ceceo: / s / para / z /: “caça” em vez de “casa”.
      • Seseo: / z / by / s /: “sapato” em vez de “sapato”.
      • Substituição de / f / por / p / ou / z /: “Marfo” em vez de “março”
      • Substituição de / k / por / t /: “giz” em vez de “talvez”
      • Rotacismo: “gumble” para “quebrar”.
      • Nasalização: / d / para / n /, “anima” para “hipóteses”.
      • Tocando consoantes surdas: por exemplo, / g / em vez de / k /, “gaze” para “casa”.
      • Problemas de antecipação, diga “titate” para “sair”.
      • Duplicação, “alerreror” em vez de “ao redor”
      • Substituição ou assimilação de um fonema por outro. Por exemplo, / t / para / s /.
      • Modificação da ordem dos fonemas: “palito” em vez de “pasta de dente”
      • Modificação da ordem silábica, p. por exemplo, “telefone”.

      O que está fazendo com que meu filho não pronuncie bem?

      Existem várias razões por trás da dislalia.

      1. Causa evolutiva

      Estaria associado a dislalia progressiva. simplesmente a criança não pronuncia bem os fonemas porque ainda não desenvolveu totalmente seu aparelho fonoarticulatório, Mas, mais cedo ou mais tarde, estará totalmente formado. Sua idade está entre 2 e 4 anos, portanto, espera-se que ele pronuncie incorretamente alguns fonemas. Porém, será necessário procurar um fonoaudiólogo se os problemas de pronúncia persistirem por mais de 5 anos.

      2. Problemas de percepção auditiva

      Há casos em que o indivíduo não consegue pronunciar corretamente porque não sente corretamente, o que levaria à dislalia audiológica. Pode haver uma lesão no ouvido, um problema no nervo auditivo ou uma lesão cerebral que impede a criança de ouvir um ou mais fonemas corretamente., Trate-os e diferencie-os dos outros. Isso confunde os fonemas e os faz sentir o mesmo.

      3. Articulador sonoro danificado e controle do motor deficiente

      À medida que a criança cresce, é normal que ela adquira habilidades motoras para movimentar a língua e os lábios, formando os fonemas que deseja. Mais idade, mais controle e melhor pronúncia. No entanto, às vezes ainda acontece não desenvolveu os músculos necessários ou tem lesões nos lábios, língua, palato duro e / ou mole, dentes, mandíbulas ou narinas o que torna sua pronúncia limitada.

      4. Falta de compreensão

      Às vezes, o problema não está na boca nem na percepção dos sons, mas na compreensão. As crianças omitem, substituem ou distorcem os sons ao mesmo tempo que conseguem reproduzi-los corretamente. Em alguns casos, a fala pode ser ininteligível se muitos sons forem afetados.

      Em vez disso, as questões subjacentes são de natureza psicológica, como um transtorno do desenvolvimento ou traços de personalidade, como timidez ou desinteresse. assim como as pessoas ao seu redor.

      Da mesma forma, eles estão cientes de que não falam bem, que se sentem frustrados com isso, que podem ter baixo desempenho acadêmico e pode ser agressivamente frustrado por adultos dizendo a eles repetidamente como eles deveriam dizer as coisas.

      E se uma criança com mais de 5 anos ainda não se pronuncia bem?

      Ressaltamos mais uma vez a importância de abordar o profissional responsável por esse problema: o fonoaudiólogo. Graças à sua avaliação, será estabelecido um diagnóstico no qual será especificada a causa das dificuldades de pronúncia do nosso filho. Se a criança tem problemas porque não entende como dizer as coisas provavelmente é o próprio fonoaudiólogo o responsável por ensiná-lo a falar corretamente.

      Por outro lado, se o problema for decorrente de possível surdez, lesões bucais ou suspeita de lesão neurológica serão encaminhados para outros profissionais, não sem descuidar do fonoaudiólogo. Este profissional irá verificar o progresso da criança após as cirurgias relevantes e avaliar se a dislalia melhorou ou piorou.

      Contudo, é muito importante que você também trabalhe em casa. Os pais e outros membros da família devem ser modelos para ensinar os filhos a falar. Mesmo que você não seja um fonoaudiólogo, existem muitas maneiras de corrigir o problema de pronúncia de nosso filho.

      A primeira coisa a ficar clara é que a linguagem infantil da criança não deve ser incentivada, ou seja, imitar ou usar suas próprias palavras mal pronunciadas. Por exemplo, se você disser “tetota” em vez de bola, não estamos usando a mesma palavra, mas a correta, por mais engraçado que pareça. O importante é que você entenda que essa palavra tem que ser dita da forma como a pronunciamos e que, se você quer ser compreendido, tem que aprender a pronunciá-la corretamente.

      É muito importante que, Ao corrigir esses erros de pronúncia, não pressione ou insista na maneira correta de falar.. Ou seja, se ele disse “tetota” para nós, não digamos “eu dei a bola, repita comigo: pe-ho-ta”. É melhor responder dizendo a palavra correta, por exemplo “Acho que vi o pe-ho-ta ali no seu quarto”. Também é muito importante evitar o uso de expressões como “isso não se chama” ou “está errado”, pois isso pode desencorajá-lo e desencorajá-lo, o que o impedirá de falar.

      Aos 4 anos, as crianças não precisam mais de mamadeira ou chupeta. Já faz muito tempo que não deveria ter parado de usá-lo, principalmente aos 2 anos de idade. O uso de mamadeiras e chupetas por mais de 2 anos faz com que os órgãos do sistema fonoarticulatório não se desenvolvam adequadamente, sendo muito contraproducente na aquisição da pronúncia correta.

      Mastigar é um aspecto muito importante. A mastigação é feita pela ginástica oral, treinando os músculos que usaremos para fazer os fonemas. Por isso é fundamental que quando você já tem dentes, paremos de lhe dar alimentos moles. Evitamos tudo, desde purê, mingau, suco e mudar para uma dieta sólida. Claro, ele precisa ser cortado e macio o suficiente para que você não fique entediado, mas forte o suficiente para mastigar.

      Referências bibliográficas:

      • Aguilar-Valera, JA (2017). Distúrbios de comunicação do DSM-V. A necessidade de diagnósticos diferenciais. Notebooks of neuropsychology (11) 1: 144-156.
      • Bauman-Wängler, Jacqueline Ann. (2004). Alterações articulares e fonológicas: uma abordagem clínica (2ª ed.). Boston: Allyn e Bacon. ISBN 978-0-205-40248-9. OCLC 493612551.

      Deixe um comentário