Habilidades motoras grosseiras: o que é, características e estágios de desenvolvimento

As habilidades motoras grossas são aquelas que nos permitem realizar movimentos de larga escala com a participação de diferentes músculos e a intervenção do equilíbrio, agilidade, força e velocidade envolvida em cada movimento.

Os movimentos motores grossos típicos são caminhar e pular ou atividades mais complexas como andar de bicicleta ou nadar, que são movimentos que requerem um grande número de músculos para funcionar. Quando uma doença afeta a mobilidade pesada, essa capacidade é limitada, o que é visto em indivíduos com falta de coordenação, com movimentos desajeitados, lentos e imprecisos.


Neste artigo veremos qual é a definição de habilidades motoras grossas, destacando as características mais típicas, áreas do cérebro envolvidas no movimento e algumas das alterações ou distúrbios que afetam o tipo de habilidades motoras.

    O que são habilidades motoras grossas?

    Habilidades motoras grossas são um tipo de habilidades psicomotoras que permite que você faça movimentos de longa distância, como mover seus braços ou pernas e que envolvam a participação de diferentes músculos do corpo, sendo também importante saber a agilidade, a força e a velocidade com que cada movimento é executado.

    Da mesma forma, este tipo de habilidades motoras nos permite manter o equilíbrio e mudar a posição do nosso corpo de forma coordenada. Comparados às habilidades motoras finas, esses são movimentos um pouco menos precisos e mais relacionados à força.

    Portanto, os movimentos que podemos realizar usando habilidades motoras grosseiras serão caminhar, pular, correr, nadar e andar de bicicleta, entre outros. Vemos que esta é uma habilidade que engloba várias ações mais ou menos complexas; por isso, seguirá um processo de desenvolvimento que se iniciará na infância. A criança começa a engatinhar e vai crescer até que possa realizar atividades mais complexas, como andar de bicicleta.

      Processo de desenvolvimento motor bruto

      O processo de desenvolvimento deste tipo de habilidades motoras continua dois princípios psicofisiológicos: o cefalo-caudal e o proximal-distal. O primeiro se refere ao eixo vertical que vai da cabeça ao cóccix, e o segundo está associado ao eixo horizontal que vai do centro do corpo às extremidades. Isso moverá primeiro a cabeça, depois os braços, depois as mãos, o abdômen, as pernas e os pés.

      Quanto às crianças, O Teste de Desenvolvimento de Denver é usado para medir o progresso das habilidades motoras grossas e finas, assim como linguagem, personalidade e desenvolvimento social, desde o primeiro mês de vida aos 6 anos.

      Progressão correta das habilidades motoras grossas em crianças saudáveis

      O desenvolvimento correto das habilidades motoras em crianças é o seguinte.

      • Aos 3 meses, ele tomba voluntariamente.
      • Aos 4 meses, você pode assumir o controle de sua cabeça.
      • Aos 6 anos consegue sentar-se sem nenhum apoio, aos 8 e meio fá-lo sem ajuda.
      • Ele começa a engatinhar entre 6 e 10 meses.
      • Ele permanece de pé por 1 ano.
      • Ele consegue vagar cerca de 12 a 13 meses.

      Está provado que Habilidades motoras grosseiras são essenciais para que as crianças sejam capazes de se mover e explorar o ambiente ao seu redor.. Também se constatou que é importante para o desenvolvimento de habilidades de aprendizagem e atenção, pois permite a formação de habilidades visuoespaciais, integração lateral, orientação … habilidades relacionadas às funções cognitivas, especialmente alfabetização.

      Também deve ser notado que habilidades motoras grossas começa a se desenvolver antes das habilidades motoras finas, que envolve a execução de movimentos menores, mais precisos e mais controlados que requerem músculos menores.

        Regiões do cérebro envolvidas em habilidades motoras grossas

        O lobo mais relacionado ao movimento é o lobo frontal, embora haja outros envolvidos, como o parietal. Como todas as funções motoras, é composta de uma área motora primária e áreas de associação; a área motora primária é o número 4 de acordo com a classificação de Brodmann, e as áreas de associação (também chamadas de “pré-motores” neste caso) são o 6 e 8 de Brodmann.

        Diferentes fases são necessárias para alcançar o movimento voluntário. Primeiramente ocorrerá a preparação ou planejamento do objetivo, nesta primeira fase participa a zona dorso-lateral do córtex pré-frontal, encarregada da intenção e do planejamento; E a área medial do córtex pré-frontal, usada para atenção e motivação, e o córtex posterior e junção, que fornecem informações sensoriais.

        Outra fase necessária para o movimento ideal é a programação, neste atuarão principalmente as diferentes regiões da área pré-motora para poder criar um programa motor levando em consideração os padrões espaço-temporais, a direção desejada e o sequenciamento temporal.

        A última fase é a realização; este é o córtex motor primário, que é aquele que gera a ordem, que é enviada à medula espinhal para iniciar o movimento voluntário. Assim, determina as características básicas dos movimentos e os adapta às diferentes condições ambientais.

        Outra região importante para a movimentação é o cerebelo, pois tem a função de fazer ajustes, regulando também a postura e o tônus ​​muscular, proporcionando assim um bom equilíbrio.

          Patologias que afetam as habilidades motoras grossas

          Eles são diferentes distúrbios que afetam a execução adequada do movimento, que apresentam variações diferentes dependendo de quando se desenvolveram e se foram adquiridas, se o paciente já tinha a doença desde o nascimento, ou se há aumento ou diminuição da mobilidade.

          A quinta edição do Manual de Diagnóstico da American Psychiatric Association (DSM 5) classifica vários distúrbios motores, entre os quais encontramos dispraxia. Isso é definido como uma mudança nas habilidades motoras que é menor do que o esperado, dada a idade e as oportunidades de aprendizagem que a criança teve. Assim, a criança apresentará uma execução desajeitada de movimentos com lentidão ou imprecisão em sua execução.

          Esse distúrbio surge durante o período de desenvolvimento, visto que crianças com ele tropeçam e caem com mais facilidade do que o normal, têm dificuldade para agarrar e manusear objetos e apresentam hipotonia muscular, que consiste em fraqueza do corpo, tônus ​​muscular, flacidez.

          O manual também descreve o desordem por movimentos estereotipados, que se refere ao comportamento motor repetitivo, aparentemente orientado e aparentemente orientado. Por exemplo, você pode notar um movimento dos braços, um balanço do corpo ou uma tendência para bater a cabeça. Portanto, deve-se observar se ocorre comportamento autolesivo e se o comprometimento é leve (se resolver com estimulação), moderado (se medidas de proteção forem usadas) ou grave (quando o monitoramento contínuo for necessário. Para evitar lesões graves) .

          Finalmente, o terceiro distúrbio classificado como distúrbio motor no DSM 5 é tique nervoso. É caracterizada por movimentos repetitivos, rápidos, recorrentes e não rítmicos, que podem ser motores simples (como piscar), motores complexos (como pular), vogais simples (consistindo em fazer sons ou ruídos sem sentido) ou vogais complexas (onde há repetição de palavras). Entre os diferentes tiques observados, os mais comuns são os motores.

          Diferentes tipos de tiques nervosos serão diagnosticados dependendo do tipo de tique apresentado e sua duração. Assim, o transtorno de Tourette compreende múltiplos tiques motores e pelo menos um tique vocal, que persistem por mais de um ano e começam antes dos 18 anos.

          Outro tipo são os tiques nervosos persistentes, em que os tiques motores ou vocais aparecem e devem durar mais de um ano e começar antes dos 18 anos.

          Finalmente, o tique nervoso transitório mostra tiques motores e / ou vocais, mas dura menos um ano, também começando antes dos 18 anos.

            Como tratar distúrbios motores grosseiros

            Dada a dificuldade de realizar determinados movimentos, será imprescindível trabalhar e treinar para progredir e assim também ajudar a mostrar mais confiança e segurança em um. Por aqui, diferentes atividades são realizadas em consulta com o profissional de saúde e em casa com a ajuda e colaboração dos pais.

            Materiais, jogos dinâmicos e lúdicos para crianças que auxiliam na prática motora, podem ser o paraquedas, que consiste em um tecido que permite a brincadeira em grupo, melhorando assim as habilidades motoras e a coordenação motora; a via motora, que permite ganhar autoconfiança; ou circuitos de forma, onde lateralidade, coordenação e equilíbrio podem ser trabalhados.

            Também pode ser exercido por movimentos mais comuns sem a necessidade de equipamentos; por exemplo, por meio de rotas como descer escadas, andar sobre os calcanhares ou pular. Podemos começar com exercícios mais simples e aumentar a dificuldade à medida que ganhamos confiança e segurança.

            Referências bibliográficas

            • Alonso, V. (2018) Manual de preparação CEDE PIR: psicologia clínica infantil. CEDE: 5ª Edição.
            • Taravillo, B., Espejo-Saavedra, JM. e Gómez, M. (2018) Manual para o desenvolvimento do PIR CEDE. Psicobiologia. CEDE: 5ª Edição.
            • De la Cruz, LM (2014) Importância das habilidades motoras grossas no processo de desenvolvimento do tamanho corporal.

            Deixe um comentário