Divórcio com filhos: como lidar com suas implicações?

O divórcio ou separação é uma das situações mais estressantes na vida de uma pessoa. Na verdade, trata-se de um duelo ou de uma ruptura com o casal, com um modo de vida, que suscita muitas implicações a nível pessoal, familiar, social e profissional.

O divórcio é deixar para trás sentimentos, bens, projetos comuns ou, pelo menos, realocá-los em sua vida e enfrentar uma situação nova, incerta e desconhecida. E é claro … O mais recente nos assusta e nos assusta!


Se não houver filhos, o divórcio pode ser uma transição mais suave afetando menos pessoas e facilitando a reorganização. De qualquer forma, teve um efeito profundo em suas próprias emoções e nas posses tangíveis e intangíveis que você tem em comum com seu ex-parceiro.

A título de exemplo de bem tangível, teríamos as decisões a tomar em relação à casa (vendê-la ou quem vai mantê-la), o que implicaria considerar uma mudança de residência e uma remodelação para funcionar com uma única entrada de dinheiro. Também não podemos esquecer aspectos intangíveis como a necessidade de esclarecer e redefinir família e amizades (principalmente se forem comuns).

    As implicações psicológicas do divórcio com filhos

    O divórcio com filhos envolve uma situação mais complexa do que antes, afetando um número maior de pessoas. Nestes casos, quando se pensa em uma pausa, surgem várias questões que precisam ser refletidas.

    1. Qual será o impacto de nossa decisão nas crianças?

    Aqui estamos nos referindo à preocupação de se nossa separação afetará nossos filhos e se existe a possibilidade de que eles tenham sequelas futuras e quais seriam essas sequelas.

    2. Como comunicar às crianças

    Outro aspecto importante que questionamos na fase de pré-separação é como o comunicamos às crianças.

    O que dizemos a eles e se eles vão entender é uma pergunta comum que surge entre os pais.. Muitas vezes, isso envolve superar o medo em nossas próprias emoções (não ser capaz de falar, não ser capaz de parar de chorar ou não saber como conter as emoções de nossos filhos ao incorporá-las em nossa decisão).

    O momento ideal para comunicá-lo às crianças também é essencial. Antes de comunicar isso aos filhos, no entanto, você precisa pensar sobre as mudanças que ocorrerão na vida familiar e como será a futura organização que seus filhos pedirão que você faça.

    3. A necessidade de desenvolver uma nova maneira de viver juntos

    O Plano Parental é o documento que iria recolher esta nova concepção de convivência pós-ruptura.. Deve refletir quem terá a guarda dos filhos (será exclusiva, compartilhada), o tempo que os filhos passarão em cada uma das casas (dias de semana, fins de semana e feriados), bem como a comunicação entre os pais (questões importantes, o que é a forma ideal de se comunicar – WhatsApp, telefone, e-mail …) e como a relação dos filhos será articulada com o pai com quem não estão atualmente.

      O desafio de se adaptar à nova situação

      Hoje, encontramos cada vez mais casos em que são os próprios pais que concordam com a guarda compartilhada ou é o juiz que a concede. Assim, os dados de 2019 publicados no inquérito do INE revelam que custódia compartilhada tem sido o sistema de custódia que governa 37,5% dos casos de divórcio e separação para casais com filhos.

      Como esperávamos, tomar a decisão de terminar não é nada fácil. Quanto mais filhos você tiver, mais complicada pode ser a decisão, embora outros fatores como a idade dos filhos sejam obviamente influentes, se um deles está em uma situação particular ou tem algum grau de vulnerabilidade (dificuldades sensoriais, físicas ou emocionais ) )

      Outro fator que pode complicar e atrasar o processo emocional e legal de separação (com ou sem filhos) ocorre quando os espaços comuns são compartilhados entre os dois protagonistas da ruptura.

      Um exemplo seria que um tem uma relação de trabalho com o outro. Nestes casos, quer continue a trabalhar com o seu ex-companheiro ou saia do trabalho e procure um novo emprego, é uma fonte adicional de stress. No primeiro caso, você se encontrará no local de trabalho e os limites terão que ser redefinidos; no segundo caso, uma mudança de emprego implica um processo de busca e posterior adaptação à nova organização e ao novo emprego.

      Ter a mesma rede de amigos também pode complicar a separação e o período pós-separação., Porque ou existe um amadurecimento entre as mesmas pessoas que se separam e amizades, no sentido de que não se posicionam com uma ou com a outra ou, caso contrário, uma das duas pessoas deve deixar de se relacionar com elas e construir um novo rede de contatos; e isso significa tempo e esforço excessivo.

      87% por cento das separações e 79% dos divórcios em 2019 foram por mútuo acordo, independentemente de terem ou não filhos. Esse percentual é encorajador e indica que a maioria das pessoas inicia um novo capítulo em sua vida depois de aceitar de forma “civilizada” o término. Na verdade, esta pergunta permite que você “feche este capítulo da sua vida”, o passado, com uma certa maturidade, e se concentre em todos os problemas que surgem no presente e no futuro.

      O que fazer?

      No caso de você estar planejando se separar, e especialmente se houver filhos, é importante considerar essas questões.:

      • Tente encontrar viabilidade no relacionamento. Isso o ajudará a ficar calmo no futuro, porque você fez tudo ao seu alcance para que as coisas dessem certo.
      • Caso isso não seja possível e você decida ir em frente com o rompimento, pergunte-se o que já mencionamos: repercussões nos filhos, nova organização (Plano Parental), mudança de residência, trabalho, amizades.
      • Concorde e concorde com seu parceiro o máximo possível de suposições. São vocês que conhecem perfeitamente a sua vida, os seus filhos e as questões emocionais e particularidades de cada um deles.
      • Se você precisar resolver qualquer questão emocional ou infantil, pode perguntar a um psicólogo especialista em família e em separações e separações (psicólogo forense). Se as perguntas estiverem relacionadas a procedimentos legais, pergunte ao seu advogado.

      Uma vez alcançada a separação física, procure não só estar atento à sua recuperação emocional, financeira, social, mas também você deve estar atento ao desenvolvimento emocional de seus filhos.

      Alguns de seus comportamentos podem ser mal interpretados se o período pós-separação for contextualizado, e eles podem ser adaptativos. Porém, se depois de um tempo você continuar a ver a atitude e o comportamento mostrando sinais de desconforto e inadaptação, então é hora de procurar a ajuda de um profissional especialista na área, para sua detecção e posterior solução.

      Concluindo, a separação nem sempre precisa ser negativa, pois costuma ser a única solução viável. Se esta alternativa for escolhida em conjunto por ambos os cônjuges e implementada com vistas ao amadurecimento, seus filhos passarão por um processo de mudança funcional.

      E lembre-se: a adaptação das crianças a um processo de ruptura é proporcional à adaptação dos adultos. Se você está bem, eles também estarão.

      Fr FERRAMENTAS PSICOLÓGICAS Oferecemos serviços de aconselhamento psicológico, mediação e coordenação parental por profissionais especializados na área. Contacte o nosso Centro e solicite uma visita de orientação gratuita e não vinculativa.

      Autor: Marisol Ramoneda, psicóloga.

      Deixe um comentário