Dislexia: causas e sintomas de dificuldades de leitura

Para muitas pessoas, ler é um hobby, um passatempo agradável que nos faz relaxar e imaginar histórias e mundos diferentes dos nossos, ou refletir sobre diferentes áreas da vida. É também uma forma de aprender e adquirir conhecimentos, de apreender e dar sentido aos símbolos escritos que percebemos através da visão, grafemas.

Mas ler fluentemente não é algo fácil de conseguir.. É necessário um longo processo de aprendizado e automação para que a leitura se torne um meio de adquirir informações. E nem em todos os casos, esse processo ocorre de forma normativa.


Para algumas pessoas, ler é um processo extremamente complicado, com erros frequentes que dificultam a compreensão da escrita. Muitos desses casos de pessoas com dificuldades de leitura sofrem um distúrbio de aprendizagem da leitura que, por sua vez, pode afetar o desempenho acadêmico e profissional: dislexia.

Dislexia: uma dificuldade de aprendizagem

Pessoas que sofrem de dislexia ou dificuldades de aprendizagem com dificuldades de leitura apresentam um padrão de aprendizagem com grande dificuldade em reconhecer palavras no nível escrito. Além dessas pessoas eles geralmente mostram pouca habilidade de soletrar e soletrar, Por serem comuns, também apresentam alguma dificuldade de raciocínio matemático (discalculia).

O principal problema com sujeitos disléxicos é a precisão com que lidam com a leitura, o que leva a uma baixa precisão na leitura de palavras. Essa falta de precisão faz com que o comissão de erros frequentes, Sendo os mais comuns a presença de omissões de letras e sons, repetições e hesitações na leitura, traduções da posição das letras em uma palavra, inserção de nove sons, substituições de sons ou palavras mais frequentes ou uso de derivados.

Além disso, a dislexia raramente aparece sozinha; ela produz muitos outros problemas de aprendizagem relacionados, em particular, à compreensão da leitura. O fato que há uma velocidade de leitura muito baixa torna difícil entender o material que está sendo lido.

Uma vez que este é um problema que ocorre em um estágio inicial de desenvolvimento, os efeitos da dislexia podem causar má integração no ambiente acadêmico e profissional. Também pode causar sérios problemas de auto-estima que podem se espalhar por toda a vida. É comum que a incapacidade de ler corretamente faça com que as pessoas com dislexia evitem ativamente a leitura, principalmente se a leitura se tornar aversiva devido à insistência em ler corretamente. .

diagnóstico

dislexia é um distúrbio crônico do neurodesenvolvimento, sendo a deficiência de aprendizagem mais comum. Embora os erros de leitura sejam normais em certas idades, para ser diagnosticado com esse transtorno é necessário que as habilidades de leitura sejam muito menores do que o esperado em um indivíduo com o mesmo nível de maturidade e escolaridade. . Tem causas neurológicas de origem genética e deve ser tratada para melhorar o desempenho e a adaptabilidade de quem a sofre.

Teoria de caminho duplo

A existência desse transtorno e o fato de a capacidade de leitura ser uma parte importante de nossa vida diária foram explorados e estudados a partir de diferentes teorias. Um dos mais aceitos é o do modelo de Morton, com sua teoria dual-track de leitura de processamento de informações.

A primeira forma a que o autor se refere é a rota direta ou lexical através da qual uma leitura global é realizadaReconheça as palavras como um todo, sem ter que ver a palavra inteira. Dessa forma, a estimulação visual é utilizada principalmente para obter informações.

O segundo caminho proposto por esta teoria, o caminho fonológico, funcionaria indiretamente pela necessidade de relacionar o estímulo visual aos sons que ele representa e, subsequentemente, esses sons ao seu significado. Este segundo processo requer que a informação seja convertida do grafema para o fonema, então o processo é um pouco mais demorado. É usado principalmente quando não sabemos a palavra a ler, sendo novos para nós e não tendo nenhuma referência anterior a ela.

Na dislexia, um ou dois caminhos parecem não funcionar, causando os erros típicos deste distúrbio. Para entender melhor o que acontece durante esse transtorno, primeiro examinamos o processo típico de desenvolvimento da capacidade de ler.

O desenvolvimento típico da capacidade de ler

Como já dissemos, a capacidade de ler é adquirida ao longo de um longo processo de aprendizagem e por sua vez afeta o resto do desenvolvimento como resultado da leitura fundamental para seguir o processo de formação típico da educação formal. .

Numa primeira fase dita logográfica, a criança ele usará a forma básica da palavra para reconhecer coisas que lhe são familiares, Sem considerar (e mesmo sem saber) os sons que cada letra representa.

mais tarde, por volta dos cinco anos, as crianças começam a perceber que as letras representam sons específicos e que isso significa algo, aparecendo a capacidade de transformar mentalmente sons em símbolos visuais e letras em sons. Essa fase é conhecida como alfabética, e as crianças passam a separar os fonemas silábicos.

Finalmente, sobre por volta dos sete ou oito anos, a fase ortográfica seria atingida, Em que o indivíduo seria capaz de analisar as palavras de acordo com sua sintaxe em um nível que, com o tempo e a prática, acabará se igualando ao de um adulto.

No entanto, pessoas que sofrem de dislexia por algum motivo têm dificuldade em algum lugar neste processo, não sendo capazes de reconhecer totalmente a forma da palavra, transformá-la em um som, ou ambos.

Tipos de dislexia

A dislexia é uma deficiência de aprendizagem relativamente comum, mas os tipos de erros cometidos podem variar amplamente, dependendo do tipo de caminho de leitura danificado. Podemos encontrar diferentes tipos de dislexia e diferentes maneiras de classificá-los mas como o modelo de caminho de acesso de leitura dupla é um dos mais aceitos, as tipologias mais comumente usadas são as seguintes.

1. Dislexia fonológica

Nesse tipo de dislexia, as pessoas apresentam prejuízo na via fonológica, podendo acessar a leitura apenas visualmente. Desta forma, o leitor não consegue associar corretamente a palavra escrita com seu equivalente falado, lendo apenas a partir da forma visual da palavra.

É por isso que neste tipo de dislexia eles costumam cometer muitos erros ao ler pseudo-palavras (palavras inventadas), porque tendem a associar palavras cuja forma conhece com outras. Também é comum que façam declinações da palavra e frequentemente falhem em palavras funcionais (por exemplo, preposições).

2. Dislexia superficial

Na dislexia superficial, o problema da leitura surge principalmente na leitura de palavras irregulares. O caminho para a leitura prejudicada seria o léxico, tendo que se concentrar nos sons e fonemas da palavra a ser lida.

Neste caso, quem sofre deste tipo de dislexia eles têm problemas para ler as palavras do mundo, Tendo dificuldade e tempo para associar letra e som. Muitas vezes cometem erros em palavras que parecem iguais, e um alto nível de lentidão na leitura e hesitação é comum, fazendo várias tentativas para encontrar a palavra correta.

3. Dislexia profunda

A dislexia profunda pode ser compreendida ao se considerar que a via fonológica e parte do léxico não estão funcionando adequadamente. O pessoa lê através do visual, mas também sendo esta via danificada, os problemas são muito mais importantes, podendo sofrer erros de tipo semântico ao lado de outros típicos dos outros dois tipos de dislexia.

Tratamento e recomendações educacionais

A dislexia é um problema que afeta um grande número de pessoas, e detectá-la e gerenciá-la corretamente pode ser crucial para facilitar o desenvolvimento regulatório do indivíduo e sua adaptação à sociedade.

Após o diagnóstico, é realizado por meio de procedimentos e baterias avaliação padronizada e popular, como TALE ou PROLEC nas escolas e nas equipes de aconselhamento e atenção psicoeducacional, o início do tratamento deve ser iniciado o mais rápido possível, a fim de evitar complicações e facilitar o desenvolvimento.

O tratamento a ser realizado dependerá da habilidade do paciente, tendo que adaptar a estratégia a ser aplicada de acordo com as possibilidades de cada caso. Num primeiro passo, será necessário identificar as áreas mais problemáticas, para trabalhá-las gradualmente e, à medida que vai melhorando, introduzir elementos mais complicados.

Alfabetização e motivação

Uma parte fundamental do tratamento é alfabetizar, aumentar o nível de consciência fonológica do assunto aos poucos, ao mesmo tempo que de forma orientada, o tempo dedicado à leitura em voz alta vai aumentando gradativamente (e se isso pode ser a partir de textos atraentes e adaptados a pessoas disléxicas).

Também é muito útil usar métodos multissensoriais para relacionar informações de diferentes sentidos, Fortalecimento da capacidade de vincular visão e audição.

É imprescindível que o tratamento contenha elementos que ajudem a motivar a criança (ou o adulto, se ainda não foi diagnosticado) e a aumentar sua confiança, sendo fundamental a colaboração de pais e professores para que a leitura não se torne uma tortura. É recomendável lê-los em casa para que vejam a leitura como algo agradável e positivo. As críticas ao seu desempenho devem ser evitadas tanto quanto possívelComo é comum eles ficarem inseguros e evitarem a leitura por causa disso.

Referências bibliográficas:

  • American Psychiatric Association. (2013). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. Quinta edição. DSM-V. Masson, Barcelona.
  • Frith, U. (1999). Paradoxos na definição de dislexia. Dislexia, 5, 192-214.
  • Roca, E.; Carmona, J.; Boix, C.; Colomé, R.; Lopez, A.; Sanguinetti, A.; Car, M.; Sem, A. (Coord.). (2010). Aprendizagem na infância e adolescência: chaves para evitar o fracasso escolar. Esplugues de Llobregat: Hospital Sant Joan de Deu.

Deixe um comentário