Como falar com seus filhos sobre bullying

O bullying é uma prática de assédio e intimidação que muitas crianças e adolescentes vivenciam todos os dias, tendo visto um aumento de casos nos últimos anos, além de centenas de vítimas que acabam cometendo suicídio por não conseguirem suportar tanto sofrimento. o bullying que outras pessoas cometeram contra eles por muito tempo.

Você precisa saber como conversar com seus filhos sobre bullying, pois deve-se notar que o suicídio é a principal causa de morte não natural entre os jovens hoje, e o bullying é uma das principais causas subjacentes. É por isso que é necessário agir nesta área e sensibilizar toda a população para uma questão tão importante.


Neste artigo você encontrará um conjunto de diretrizes sobre como conversar com seus filhos sobre bullying e você conhece alguns sinais que podem mostrar sinais de que seu filho pode estar sendo intimidado.

    Dicas para conversar com seus filhos sobre bullying

    O bullying é uma forma de assédio e bullying sofrido por muitas crianças e adolescentes na escola e no ambiente extracurricular, sendo que o agressor ou agressor geralmente são outras crianças ou adolescentes que frequentam a mesma escola, por isso é geralmente onde o abuso é desencadeado.

    Também pode acontecer em um local onde a vítima e seu agressor estejam ativos (por exemplo, em um time de futebol) e durante esses momentos, com o surgimento das mídias sociais, em muitos casos o assédio é perpetrado por meio delas, isso se chama cyberbullying, para que os agressores agora tenham a opção de continuar assediando a vítima fora do horário escolar e depois do horário escolar, para que a vítima possa se sentir ainda mais assediada. Por isso, é muito importante que escolas e pais adquiram orientações para detectar esses casos.

    Aqui estão algumas dicas sobre como conversar com seus filhos sobre bullying para que você possa ajudá-los e tomar medidas efetivas o mais rápido possível.

    1. Escolha um local adequado

    Para começar a conversar com seus filhos sobre bullying, é importante encontrar um local apropriado onde eles se sintam confortáveis ​​(por exemplo, a sala de sua casa, sentado em uma poltrona); claro, evite distrações que distraiam seu filho do tópico em questão, como um celular, tablet ou TV.

    Quando estiver em um lugar confortável e conveniente para conversar, você pode começar perguntando ao seu filho como ele está na escola ou sobre as pessoas com quem ele costuma interagir durante o recreio ou almoço, sempre com calma, transmitindo confiança. seu filho.

      2. Comunicação Aberta

      É importante ensinar às crianças que eles podem ter uma comunicação aberta com os pais, sempre respeitando uma certa intimidade, para que se sintam mais à vontade para conversar com os pais sobre temas que os preocupam ou mesmo os atormentam, como o bullying. É verdade que, mesmo que haja uma comunicação aberta com os pais, a criança terá dificuldade em dizer-lhes que está sendo intimidada, mas ainda é mais provável que o faça do que se não estivesse acostumado a se comunicar abertamente com eles.

      Para falar com seus filhos sobre bullying, é preciso que haja uma comunicação aberta entre eles e seus pais, por isso pode ser útil ter um espaço em casa onde as crianças possam ser ouvidas ativamente sobre seus interesses e preocupações. , pode ser a causa. de sua preocupação um caso hipotético de bullying.

        3. Explique às crianças o que é bullying

        Depois de estabelecer um ambiente de confiança que permita uma comunicação aberta para que você possa conversar com seus filhos sobre bullying, é importante conversar com eles sobre bullying ou bullying para que eles entendam que esse é um problema maior do que pode ser. . eles podem pensar e assim por diante que não se torne um assunto tabu em casa e assim se sentem mais confiantes para falar sobre isso com os pais.

          4. Explique às crianças que comportamentos como bullying não devem ser permitidos

          Ao conversar com seus filhos sobre bullying, também é importante falar sobre as diferentes maneiras de fazer isso, como estripando um colega de classe e incentivando outros colegas a fazer o mesmo por meio de xingamentos, bater em , roubar itens pessoais, inventar e espalhar coisas negativas sobre outra criança, intimidando-a através das mídias sociais (cyberbullying) e de muitas outras maneiras.

          Neste ponto, devemos considerar a importância de familiarizar-se com a experiência online de crianças e outras pessoas da mesma idade para que possam ser monitoradas para o uso correto dessas tecnologias. porque são um meio no qual podem consumir conteúdo que promova a violência e também é um meio frequentemente usado para perpetrar assédio ou cyberbullying. As crianças devem estar cientes de que o bullying nas mídias sociais é tão sério quanto o comportamento físico violento.

          Isso permitirá conscientizar as crianças sobre a gravidade desses comportamentos para que saibam que devem ser totalmente banidos e que, caso sofram com isso, devem procurar ajuda imediatamente, começando por informar os pais para que possam tomar as medidas cabíveis (ex. denunciá-lo, etc).

            5. Pratique a resposta ao bullying

            Ao conversar com seus filhos sobre bullying, também é importante ensiná-los a agir se estiverem com dor ou se alguém ao seu redor os estiver intimidando.

            Se eles são os que sofrem bullying, eles precisam aprender a lidar com essas situações, caso passem por isso. Portanto, você deve ser capaz de identificar quando está ocorrendo uma situação de assédio ou bullying e, se estiver passando por algum tipo de assédio, eles precisam dizer ao agressor “basta” ou parar em voz alta e pedir ajuda se não funcionar. Devemos também dizer-lhes que nunca devem cair em provocações porque não resolverão o problema.

            Se você estiver assistindo outra criança fazendo bullying ou cyberbullying, em vez de ser um espectador passivo, o que você deve fazer é denunciar o assédio a qualquer adulto que possa estar envolvido. As crianças precisam aprender que ao contar a um adulto elas não se tornam “denunciantes” ou acusadores, pois os adultos que avisam agirão sem revelar quem é a pessoa que os avisou e assim ajudarão uma pessoa que está sofrendo.

            Devemos também explicar-lhes as consequências de não dizer nada quando eles sabem que outra criança está sendo intimidada para que eles se conscientizem e procurem ajuda, porque é um ato de coragem e compaixão por outra pessoa que está sofrendo. É por isso que também é importante dizer-lhes como pedir ajuda para que saibam para onde ir. Claro, eles sempre podem começar dizendo aos pais para serem os que procuram ajuda.

            Também é importante que eles aprendam como ajudar a integrar socialmente as crianças que sofrem bullying. fazê-los sentir-se bem-vindos em seu grupo, pois pode ajudá-los a se sentirem apoiados e apoiados por outros colegas, o que pode incentivar a prevenção de futuros casos de assédio ou bullying.

            Quando você quiser conversar com seus filhos sobre bullying, pois eles são muito pequenos, uma boa maneira de lidar com esse problema seria se comunicar por meio de brincadeiras quando; para que possam se expressar através dos comportamentos realizados por meio de seus bonecos.

              6. Seja um exemplo para as crianças

              Além da importância de conversar com seus filhos sobre bullying, ensiná-los a se comportar com outras pessoas, tanto crianças quanto adultos, é importante de uma perspectiva respeitosa e estimulante. para que aprendam valores que favoreçam a inclusão de todos no nível social e ajudando assim outras crianças abusadas e excluídas a se juntarem ao grupo..

              Por isso é importante dar o exemplo, para que os pais vejam que devem agir de forma adequada em todos os momentos e ser tolerantes com todos, sem fazer barulho ou excluir pessoas que vivem mal.

              Além de ser um exemplo para eles sobre a maneira correta de se comportar, também é importante ajudar seus filhos a construir os seus. auto confiança. Por isso é bom incentivá-los a realizar diversas atividades extracurriculares que estimulem bons hábitos, novos aprendizados e a estabelecer relações sociais saudáveis ​​com outras pessoas da mesma idade que compartilham os mesmos gostos e interesses que os seus.

              Referências bibliográficas

              • Lucas, B., Pérez, A., Martín, J. e Fonseca, E. (2021). Tratamentos psicológicos do bullying escolar e cyberbullying nas escolas. Em E. Fonseca (Coord.), Manual de tratamentos psicológicos. Infância e adolescência (pp. 617-649). Madrid: Edições Pirâmide.
              • Salve as Crianças (2016). Eu não jogo isso: bullying infantil e cyberbullying. Madrid: Save the Children Espanha.
              • Unicef ​​(5 de setembro de 2029). Como falar com seus filhos sobre bullying. UNICEF Espanha.

              Deixe um comentário