As punições realmente funcionam?

Seu filho de seis anos insiste que quer jogar futebol na sala de sua casa, com a possibilidade latente de destruir vasos e janelas; então você fica firme, e com seu rosto tão sério quanto sua musculatura facial permite, você ameaça se punir.

No dia seguinte, sua pequena planta Avern se recusa a fazer o dever de casa, e você ameaça punir novamente. Mais tarde, ele parece determinado a chatear a irmã mais nova, e você, vá para a novidade, ameaça puni-lo.


Todos esses casos, é claro, são fictícios, mas representam a metodologia disciplinar usada por muitos pais. Mas, As punições são realmente eficazes? A resposta depende do que você planeja realizar com seu filho.

    Isso funciona para punir?

    Se o que você procura é obedecer a uma ordem imediatamenteMuito provavelmente, a estratégia será bem-sucedida. Mas, neste caso, seu filho vai concordar com o que você pede dele por medo, por medo de punição; não porque o respeite como pai ou porque acredite que fazer assim seja a coisa certa a fazer.

    Implicitamente, você vai ensinar a criança que os problemas são resolvidos por ameaças ou pelo exercício do poder. E que a melhor maneira de fazer as pessoas fazerem as coisas é colocar o medo sob sua pele.

      A experiência de Jonathan Freedman

      Um sábio psicólogo chamado Jonathan Freedman conduziu um experimento interessante que ilustra o ponto anterior. Freqüentou uma escola onde pegou um grupo de crianças e as levou, uma a uma, a uma sala especial onde havia vários brinquedos e bonés baratos, entre os quais estava um robô fantástico cheio de luzes e luzes, artefatos que ele operava remotamente. Neste contexto, ele disse a criança para sair da sala por alguns minutos, E durante esse tempo ele podia brincar com qualquer um dos brinquedos, exceto o robô.

      “Se você puder tocar no robô, então vou descobrir e ficar muito, muito zangado”, disse ele com sua melhor cara de ogro. Ele então saiu da sala e observou o que o menino estava fazendo através de um espelho de vidro. Obviamente, quase todas as crianças que passaram pela experiência tiveram dificuldade em controlar seus impulsos e evitaram se aproximar do robô.

      Na segunda condição do mesmo experimento, Freedman simplesmente disse às crianças, que enquanto ele estivesse ausente por alguns momentos, elas poderiam entretê-lo brincando, mas que “não era certo para elas brincar com o robô.”. Nesse caso, ele não recorreu a ameaças de qualquer espécie, apenas garantiu que não era justo tocar no robô. Nesta ocasião, como na anterior, praticamente todas as crianças evitaram se aproximar do robô, e eles se conformaram com outros brinquedos pouco atraentes.

      O efeito da falta de autoridade

      Mas o que é interessante é o que aconteceu um pouco mais de um mês depois. Freedman enviou um colaborador para a mesma escola para repetir a mesma sequência com as mesmas crianças, de ambos os grupos. Só que dessa vez, quando a mulher teve que sair do quarto, ela não disse absolutamente nada para as crianças. Em outras palavras, eles eram livres para fazer o que quisessem.

      O que aconteceu foi absolutamente incrível e revelador. Os meninos do primeiro grupo, que um mês antes haviam evitado brincar com o robô obedecendo a um comando externo de um adulto sorridente, não esteja presente agora este adulto e desapareceu, portanto, a ameaça, eles se sentiram à vontade para brincar com o brinquedo proibido.

      Em contraste, os caras do segundo grupo, ainda sem Freadman presente, fizeram exatamente o mesmo que na ocasião anterior e ficaram longe do robô chamativo. Na ausência de uma ameaça externa, em primeiro lugar, parecia que eles haviam desenvolvido seus próprios argumentos internos, por isso não deveriam brincar com o robô.

      Então talvez convencido de que foi sua decisão, e não a imposição arbitrária de outra pessoaEles se sentiram inclinados a agir de maneira consistente com suas crenças. Essas crianças, aparentemente livres de pressões externas, assumiram a responsabilidade por suas próprias ações, provavelmente sentindo quem voluntariamente escolheu o que queria fazer.

        A importância da motivação

        A moralidade é clara: tanto as punições quanto as recompensas são motivações externas que não geram um compromisso de longo prazo, o comportamento desejado desaparecendo assim que a consequência desejada desaparece.

        Na vida cotidiana, muitas vezes tenho visto com meus próprios olhos como alguns pais, pior ainda, punem seus filhos forçá-los a fazer a lição de casa ou ler um livro, Crie o conceito errôneo de que essas atividades são, em si mesmas, ruins, desagradáveis ​​e merecem ser evitadas. Em troca, eles os recompensam com mais horas de televisão e videogame, reforçando a ideia de que essas atividades são desejáveis ​​e têm grande poder de gratificação.

        Sim, queridos leitores. É comum hoje em dia nossos filhos crescerem acreditando que ler é desprezível e deve ser evitado a todo custo, e ver televisão é o caminho para a diversão e o sucesso pessoal. Se você é pai de uma criança pequena, ou pretende sê-lo em breve, confio-lhe que o faça bem: eduque-o com base em um mínimo de critérios morais, se ele finalmente deseja se tornar um bom adulto. Tudo que você precisa é disso. Não o ensine a obedecer por medo de punição.

        Em algum momento, se você tiver sorte, ficará velho. Não reclame se seu filho, que sempre sofreu bullying, se tornar um adulto ressentido e decidir interná-lo em um hospital geriátrico agonizante ou mandá-lo de férias para a Etiópia no meio do verão.

        Deixe um comentário