As 11 regras de convivência para meninos e meninas

A educação, de certa forma, é um valor que se repassa ao longo da vida. É uma ferramenta que nos permite construir a nossa personalidade e que nos permite lançar as bases para a convivência em sociedade.

Por que é importante educar para a convivência? Quais são as regras de convivência? Para que servem? Neste artigo responderemos a essas perguntas e, além disso, proporemos 11 regras de convivência para meninos e meninas.

Regras de convivência?

Quais são as regras de coexistência e para que servem? Para responder a essas perguntas, faremos primeiro uma pequena reflexão.

Provavelmente passaremos nossa vida inteira – ou grande parte dela – vivendo em sociedade, a menos que vamos viver nas montanhas como uma pausa espiritual ou como alternativa a uma vida pessoal e respeitável.

Viver em sociedade envolve interagir constantemente com outras pessoas, semelhantes a nós ou extremamente diferentes da nossa maneira de ser, de pensar, de nos vestir, etc. Por isso, é fundamental estabelecer um conjunto mínimo de regras de convivência para poder se comunicar de maneira ordenada, respeitosa e saudável.

Essas regras refletem “regras de vida” ou maneiras de nos comportarmos com os outros e nos ajudarão a respeitar os outros e a agir de acordo com nós mesmos. Assim, é importante que transmitamos essas regras aos mais pequenos, para que cresçam de forma saudável, interagindo com os outros de forma adequada e respeitando sempre a sua liberdade individual (de escolha, de pensamento, de expressão, etc. .).

Neste artigo oferecemos 11 regras básicas de coexistência para meninos e meninas, Quem vai ensinar os mais pequenos a agir do ponto de vista social quando se encontram em situações que envolvem o contacto com outras pessoas. Essas regras, se adquiridas desde a mais tenra idade, terão como base a educação para a convivência de adultos.

11 regras de convivência para meninos e meninas

Agora que vimos quais são as regras de coexistência, para que servem e por que são tão importantes, vamos descobrir as 11 regras de convivência para meninos e meninas abaixo.

1. Cumprimente quando você chegar a um lugar

A primeira das regras de convivência de meninos e meninas que consideramos importante é o ato de cumprimentar cada vez que um lugar é alcançado. Acolher envolve ser educado e é uma das regras básicas de convivência em sociedade. Nem sempre é preciso cumprimentar um ao outro com dois beijos (como é tradição na Espanha), mas apenas dizer “alô” na chegada (ou “alô”, “boa tarde” etc.).

2. Diga adeus quando for

Assim como é importante cumprimentar, também é importante dizer adeus ao sair. É também um padrão e uma ação que denota educação e boas maneiras. Além disso, todos nós amamos as pessoas se despedindo de nós quando saem de um local, reunião, reunião, etc.

3. Obrigado

Outra regra de convivência para meninos e meninas é agradeça quando eles nos fizerem um favor ou quando fizerem um ato generoso conosco, Mesmo que seja para abrir a porta. Ser grato e grato é sinal de respeito e consideração pelos outros, valores intrínsecos da boa convivência.

4. Devolva as coisas que eles nos deixaram

A próxima regra de coexistência é devolver as coisas que eles nos emprestaram. Assim como gostamos que as coisas nos deixem, a outra pessoa gosta de ser devolvida. Esta pequena ação significará que, no futuro, outros terão confiança suficiente em nós para continuar a deixar as coisas por nossa conta.

5. Compartilhe

Compartilhar é ser generoso com os outros e não apenas pensar em si mesmo. Assim, podemos considerar essa ação como uma das regras da convivência de meninos e meninas importante para transmitir aos mais pequenos.

Meninos e meninas precisam entender que, da mesma forma que gostariam que outros compartilhassem com eles em certas ocasiões, eles deveriam ser recíprocos a este respeito. Isso, é claro, não significa que temos que fazê-los entender que precisam compartilhar tudo.

6. Solicitar autorização

Outra regra importante para os mais pequenos e que é bom que compreendam desde o momento em que começam a recorrer à razão, é pedir permissão quando quisermos usar algo que não é nosso, por exemplo.

Também pediremos permissão (e portanto passá-la para as crianças) quando quisermos entrar em um local que não seja “nosso”, quando quisermos ir ao banheiro de um amigo ou familiar, etc.

7. Ouça

Parece muito lógico, mas também pensamos que é importante considerar esta ação como mais uma das regras de convivência entre meninos e meninas, e que é ouvindo quando eles falam conosco. Todos nós gostamos de ser ouvidos quando falamos. É, portanto, mais uma prova de respeito e polidez ouvir os outros quando eles também falam conosco.

Ouvir envolve estar atento e ter interesse no que eles estão nos dizendo. Às vezes, o que eles nos dizem não nos interessa (também não devemos nos enganar), mas mostra respeito e consideração.

8. Longe da inveja

É natural e comum sentir inveja ou ciúme das posses (ou das coisas imateriais) dos outros, Principalmente quando somos pequenos e “não temos isso”. No entanto, é bom dizer aos mais pequenos que nem todos devemos ter as mesmas coisas e que compararmo-nos com os outros ou invejar-nos não significa nada de bom para nós, pelo contrário.

É importante transmitir a ideia de estarmos satisfeitos com o que temos, ao mesmo tempo que lutamos pelas coisas que queremos alcançar.

9. Responda quando eles falarem conosco

Outra regra de convivência entre meninos e meninas, que também parece muito lógica, é respondendo quando eles falam conosco diretamente. Muitas crianças tendem a não responder quando faladas (especialmente adultos), seja por vergonha, medo, preguiça …

É bom transmitir a ideia de responder às coisas que eles nos dizem e, se não quisermos continuar a falar, deixe a outra pessoa saber disso também.

10. Fique tranquilo

Ser assertivo ou assertivo envolve a capacidade de saber dizer “não” a situações, perguntas ou ofertas que não queremos.; intrinsecamente, envolve aprender a defender nossos gostos, interesses, desejos e direitos. Isso é essencial para respeitar a si mesmo na frente dos outros. Isso não é fácil de conseguir, porque a assertividade tem que trabalhar muito, e há pessoas que têm mais dificuldade em se afirmar.

No entanto, é essencial que continuemos a trabalhar com as crianças neste ‘padrão’ para que, quando adultas, aprendam a dizer o que realmente querem dizer, sem desrespeitar ninguém (ou magoar ninguém.). É expressar o que queremos de forma sincera e educada.

11. Peça desculpas

Outra regra fundamental de coexistência é peça desculpas quando magoamos alguém ou quando não o respeitamos. Às vezes, magoamos (ou apenas as irritamos) as pessoas de maneira inconsciente e não intencional; no entanto, também nessas ocasiões é importante se desculpar.

Pedir perdão é um sinal de empatia e respeito pelos outros, o que nos ajudará a manter amizades.

Referências bibliográficas:

  • Mena, ML (2009). Convivência escolar. Journal of Educational Approaches, 11 (1): 55-64.

  • Ele observou, C. (1998). Regras de convivência na sala de aula e no centro. Como reagir a conflitos. Disciplina no ensino médio. Biblioteca da sala de aula, Graó.

  • Olea, JC (2003). Psicologia da convivência: contribuições práticas. Reuniões multidisciplinares, 1-7.

Deixe um comentário