As 10 consequências do abandono paterno

Todo menino e menina precisam de pais para crescer bem. Ela pode ser criada em uma família com uma mãe e um pai ou ter dois pais ou duas mães. Também pode acontecer de você ter apenas um dos pais para cuidar de você. O importante é o amor e o cuidado que seus adultos de referência lhes dão.

Agora, independentemente do tipo de família, o fato de um dos pais deixar a família ou não cuidar dos próprios filhos é algo que terá um impacto muito negativo na saúde mental das crianças.


Então veremos as consequências do abandono paterno, entendido tanto pelo pai como pela mãe, E o que isso pode significar quando a criança atinge a idade adulta.

    Principais consequências do abandono paterno

    Todas as crianças precisam da proteção dos pais para se desenvolverem plenamente. Embora seja tradicional ter um pai e uma mãe, a ciência tem conseguido mostrar que ser filho de um casal gay ou ser filho de mãe solteira ou pai não é prejudicial à saúde. O mito de que um modelo masculino, representado no pai, e um modelo feminino, representado na mãe, como fatores de proteção contra a psicopatologia, está cada vez mais ultrapassado.

    Porém, o que afeta a saúde mental da criança é nascer em família com dois pais, de qualquer gênero, e que um deles, em pleno crescimento da criança, saia do núcleo familiar. Também pode acontecer que o pai ou a mãe não prestem atenção aos filhos e que, embora ainda estejam na família, a sua presença seja bastante virtual. Pode acontecer que o pai ou a mãe cheguem muito cansados ​​ou cansados ​​do trabalho, não tenham interesse em se dedicar aos filhos e deixem o trabalho para o outro progenitor.

    Esse desinteresse pela criança, seja porque ela não faz mais parte da família, seja porque está muito absorta em outras tarefas, é um abandono paterno. Não devemos pensar que com a palavra pai queremos dizer apenas “do pai”, mas de qualquer pai. Como figuras de proteção e carinho, se os pais negligenciam a criança em quem confiam para poder ser cuidada por eles, isso causa danos psicológicos muito graves, O que pode condicionar o seu crescimento e a sua vida adulta.

    O ambiente familiar e sua estabilidade desempenham um papel fundamental no desenvolvimento emocional da criança, além de facilitar seu amadurecimento mental. Nos primeiros anos de vida, a criança necessita de rotina em relação à paternidade. Se ele nasceu em uma família com dois pais, será muito perturbador para a criança ver como um deles se afasta, brusca ou lentamente. Os efeitos dos primeiros contatos com o pai ou com a mãe são muito fortes na mente da criança, de modo que o desaparecimento de uma dessas figuras pode ser muito prejudicial.

    Compreendendo tudo isso, podemos entender quais são as principais consequências do abandono dos pais na infância.

    1. Não se sentir amado

    É muito comum em crianças que sofreram abandono dos pais não se sentirem amadas. Se o abandono é porque o pai quase nunca está em casa, a criança pode interpretar como não porque não está interessado em ficar com seu filho. Faz com que sintam que não são suficientes para os próprios pais e que não valem a pena.

    Outra situação que pode acontecer é que o pai / mãe tenha abandonado a família como resultado do processo de divórcio. Se a criança não entende bem a situação ou não foi informada do que aconteceu, adaptada ao seu nível, ela pode interpretar como se seu pai ou sua mãe tivessem ido embora porque ela não queria.

    Pode acontecer que, em caso de separação ou divórcio, o progenitor que permanece sob custódia tenha um novo parceiro. Dependendo também da relação que essa nova pessoa tem com o filho, pode servir como fator de proteção, uma vez que esse novo pai pode substituir com muita vantagem a figura do pai falecido. Da mesma forma, deixar um pai é uma lacuna muito difícil de preencher.

    2. Dependência excessiva

    Em famílias com dois pais, quando um deles sai do núcleo familiar, o pai é o único responsável pelo cuidado do filho. A criança, para ver que só lhe sobrou esta mãe ou pai, ele está excessivamente ligado a ele, desenvolvendo uma relação de dependência excessiva.

    É normal esperar que durante as primeiras semanas após a separação dos pais, a criança se refugie na figura do pai esquerdo. O problema é quando, depois de um tempo, ela não se separa mais dele, e não ousa descobrir o mundo além da proteção oferecida por seu pai ou por sua mãe.

    Isso afetará seu desenvolvimento social, pois não interagirão tanto com seus colegas de classe ou vizinhos. Ele terá medo de que, se se separar por um momento de seu pai ou de sua mãe, faça o mesmo que o outro pai. Portanto, a criança sentirá falta dessas experiências enriquecedoras durante a infância como brincar com outras crianças, acampar, fazer caminhadas, realizar atividades extracurriculares …

    3. Medo de desenvolver uma inclinação profunda

    Pode acontecer que após o abandono a criança tenha medo de estabelecer relações profundas, principalmente com a nova companheira do pai que agora cuida dela. Isso se deve ao fato de que ele teme que lhe aconteça a mesma coisa que aconteceu com o pai que os abandonou: Se você colocar uma inclinação profunda com ela e ela também for embora, a criança ficará gravemente danificada.

    4. Instabilidade escolar

    Embora nem sempre isso deva acontecer, constatou-se que os filhos que vivenciaram o abandono dos pais, independentemente de o pai ter deixado a família ou simplesmente não ter pensado nisso, apresentam piores resultados acadêmicos.

    Freqüentemente, o pai que passa tempo com eles fica sobrecarregado demais para ajudar com os deveres de casa ou quaisquer problemas acadêmicos que possam ter., Enquanto o outro simplesmente não está ciente do que está acontecendo com ele na escola.

    5. Comportamento agressivo

    O abandono dos pais pode fazer com que o menino ou a menina se comportem de maneira muito hostil. Talvez seja porque está zangado com o que teve que conviver, frustrado com a partida do pai, ou porque fica na defensiva pensando que o outro pai vai mais cedo ou mais tarde … faça o mesmo com ele. muito você pode pagar com o novo parceiro de seus pais, considerando-o como uma mãe substituta e pensando que essa é a razão pela qual você não vai voltar.

    Mas a causa mais comum desse comportamento agressivo é que ele pensa que a culpa é dele. Ele se sente muito zangado consigo mesmo porque pensa que fez algo errado, o que precipitou o abandono de seu pai. Por não ter habilidade linguística para explicar ou perguntar ao outro pai o que realmente aconteceu, a situação o oprime e ele acaba retribuindo a quem quer que seja ou sob a forma de repreensões.

      Consequências na vida adulta

      Embora nos primeiros anos após a saída do pai as consequências sejam muitas, na idade adulta as consequências podem ser piores se você não recebeu terapia psicológica ou se não entende por que seu pai ou sua mãe o abandonaram.

      1. Problemas de inteligência emocional

      Eles têm dificuldade em identificar suas próprias emoções e as dos outros. Estressam-se facilmente e não sabem explicar o que estão sentindo. Eles têm dificuldade em entender como as outras pessoas estão se sentindo, e sua autorregulação emocional é escassa ou completamente inexistente.

      2. Pouca flexibilidade psicológica

      Eles trazem mudanças ruins, como mudança de emprego, habitação, cidades … Eles são inflexíveis em termos de comportamento, vendo as mudanças em sua rotina como algo verdadeiramente inatingível.. Isso lhes causa muito sofrimento e ansiedade.

      3. Maior risco de vícios

      Embora nem sempre seja esse o caso, observou-se que as pessoas que experimentaram um forte abandono paterno refugiam-se em comportamentos de dependência. Seja por meio da ingestão de drogas como álcool, tabaco ou drogas ilícitas, seja por meio de comportamento obsessivos como o vício em sexo, pornografia ou videogame, todos esses tipos de problemas psicológicos são comuns em pessoas que vivenciam esse tipo de abandono.

      4. Passividade nos relacionamentos

      Para que seus amigos, familiares ou outras pessoas importantes também não os abandonem, as pessoas que vivenciam o abandono dos pais na infância podem se tornar complacentes demais, a ponto de serem patológicas. Eles podem até permitir comportamento tóxicoEles os machucam, mas por medo de reviver a partida de alguém que amam, eles até toleram abusos e desrespeito.

      5. Maior risco psicopatológico

      Abandono dos pais na infância, por não ter intervindo corretamente, pode ser um fator de risco para a saúde mental de uma criança depois de se tornar um adulto. Transtornos do humor como depressão, transtornos de ansiedade ou mesmo transtornos de personalidade são condições psicopatológicas que podem ocorrer nesse tipo de população.

      É por isso que é tão importante, por parte de um pai que tem a guarda da criança ou que passa muito tempo com ela, garantir que ela receba os cuidados psicológicos adequados. Assim, graças à terapia, a criança aprenderá estratégias para saber administrar tudo o que está passando e evitar que tenha consequências ainda mais graves do que as que pode viver no curto prazo.

      Pensamento final

      É claro que o abandono parental na infância acarreta sérias consequências para a saúde da criança se ela não souber lidar com a situação de maneira adequada. Embora cada família seja diferente e possa ter implementado estratégias eficazes para evitar que a criança sofra as consequências do divórcio, divórcio ou falta de interesse do pai, é muito importante ir à terapia psicológica para ter certeza de que as consequências não sejam explicadas ao longo deste artigo.

      Da mesma forma, deve ser entendido que para um pai ou mãe estar ausente, nem todos os problemas que explicamos não têm necessariamente de ocorrer. A ciência mostrou que não são necessários dois pais para se desenvolver plenamente, embora o que um deles desaparece quando a criança cresce possa prejudicá-los. Também é importante entender que o abandono pode ocorrer sem que o pai ou a mãe saiam do núcleo familiar, por isso é fundamental que, se a gente for pontual, passemos mais tempo com os filhos.

      Referências bibliográficas:

      • Arredondo, V .. (1998). Abuso infantil: blocos de construção para a compreensão. Vinha à beira-mar em Paicabi.
      • Goleman, D. (1996). Inteligência emocional: uma nova visão para educadores. Conjunto de dados PsycEXTRA.
      • Eisenberger, NI; e Lieberman, Matthew D. (2004-7). Por que a rejeição dói: um sistema de alarme neural comum para dor física e social. Trends in Cognitive Science 8 (7): 294-300.
      • Rosenthal, MZ, Gratz, KL, Kosson, DS, Cheavens, JS, Lejuez, CW e Lynch, TR (2008). Transtorno de personalidade limítrofe e resposta emocional: uma revisão da literatura de pesquisa. Journal of Clinical Psychology, 28 (1), 75-91. doi.org/10.1016/j.cpr.2007.04.001.
      • Coe, CL; Wiener, SG; Rosenberg, LT e Levine, S. (1985). A psicobiologia de adição e separação. Elsevier. páginas 163-199.

      Deixe um comentário