Aprendendo a aprender: o que a neurociência nos diz sobre a aprendizagem

Todos nós sabemos o que significa aprender, mas às vezes temos dificuldade em aprender a aprender ou aprender a aprender. Para tanto, nos últimos anos, a neurociência tem despertado a consciência das pessoas processos cognitivos acionados na aquisição de conhecimento.

Neste artigo, veremos o que a pesquisa com foco no cérebro nos ensina sobre como aprender a aprender.


    Como o cérebro humano aprende?

    A neurociência nos diz que o cérebro não aprende repetindoMas a informação é consolidada “fazendo”, movendo-se, criando, estimulando. O córtex é um órgão motor, e as crianças precisam brincar e se movimentar para descobrir, explorar e, portanto, aprender. Também consolidamos melhor as informações quando nos relacionamos com outras pessoas e há envolvimento emocional. Como disse Jan Amos Comenius; “Qualquer coisa que te faça feliz quando você aprende fortalece sua memória.”

    A educação deve ter como objetivo valorizar o que há de melhor em cada indivíduo, ajudando-nos a ser mais criativos, a colocar paixão e alma naquilo que já fazemos. desenvolver socialmente e emocionalmente. Portanto, é importante que os professores e as famílias tenham os seguintes pontos em mente.

    1. Conhecimento do cérebro

    Conhecer e compreender o funcionamento das diferentes estruturas corticais envolvidas no processo de aprendizagem, Ajudará pais e professores a acompanharem nossos filhos e alunos da melhor forma possível no estudo.

    Ensiná-los a descansar durante o estudo a cada 15 a 20 minutos para realizar exercícios de Brain Gym ou atividade de uma determinada intensidade física por 5 minutos os ajudará a reativar seu sistema de cuidados executivos. Além disso, as pesquisas mais recentes sobre o cérebro mostram que a inclusão de dinâmicas como atenção plena ou ioga na sala de aula potencializa muitos fatores associados às chamadas funções executivas. São responsáveis ​​pelos sistemas cognitivos fundamentais da escola, como atenção, autocontrole, memória de trabalho ou flexibilidade cognitiva, entre outros.

      2. Cooperação

      É fundamental ter uma visão de trabalho em equipe entre escola e família. Permitir o contato entre professores e pais por meio de reuniões ou cafés pode promover uma comunicação mais suave e promover uma compreensão mais profunda dos alunos. Outro aspecto interessante poderia ser apoiar nossos familiares como facilitadores ou colaboradores na dinâmica da sala de aula, o que pode se tornar um excelente recurso para os professores.

      Dentro da sala de aula, essa cooperação também pode ser possível entre os alunos., Com o apoio do outro. Crie “companheiros de viagem”, onde dois tipos se referem, para coisas como escrever a agenda ou trazer suprimentos para casa.

      3. Motivação

      Criar a centelha de curiosidade neles é uma coisa importante para eles começarem e manter o interesse. Faça-os entender por que estão estudando o que estão estudando, Que implicações isto tem no seu quotidiano, e para esta utilização da aprendizagem contextualizada, com práticas em laboratório, ao ar livre ou com centros de interesse que despertem o desejo de aprender. Apoiar a aprendizagem com materiais audiovisuais, documentários, excursões e jogos estimulará seu entusiasmo e desejo de aprender.

      4. Login

      Conecte-se e tenha empatia com nosso filho ou aluno é a base para que se sintam seguros no caminho da sua formação. Poder vê-los, ouvi-los, compreendê-los, facilitará seu apoio no campo acadêmico. Se tivermos um filho que está com dificuldades e lhe mostrarmos que entendemos como ele está se sentindo, o acalmamos e captamos seu desconforto, isso o ajudará a se sentir significativo e será mais fácil para ele começar a sentir. confiança, com a nossa ajuda.

      um exemplo

      Vamos aplicar todas essas dicas a um estudo de caso.

      Ander é um menino de 10 anos que foi diagnosticado com TDAH. Ela vai ao nosso escritório da Vitalize porque a família tem dificuldade em manter a calma na escola e até irritar os colegas. Ele nunca coloca tarefas na agenda e metade do material é esquecido. Tudo isso gera culpa constante em casa e na escola, impactando negativamente sua motivação para ir à escola e seu humor.

      Caras como Ander costumam ser crianças incompreendidas, categorizadas como vagas, ignorantes ou perturbadoras. É importante entender que essas crianças são reguladas pelo movimento e precisam dele para se acalmar. Às vezes, eles fazem um grande esforço para ficar parados e silenciosos, mas quando falham, eles sentem uma grande frustração.

      Permitir que eles se movimentem de acordo com a sala de aula, como encaminhá-los para a secretaria para pegar materiais, responsabilizá-los pela entrega de livros ou deixar que organizem o espaço de leitura durante o período letivo, pode ser uma boa opção. esses caras para fazer o movimento de que precisam. Coopere entre família e escola para trazer as mesmas diretrizes nos dois ambientes e que daqui para a sala de aula Ander tem um companheiro de viagem onde ambos revisam a agenda no final do dia, isso vai ajudar a estruturar e organizar melhor.

      Gerar dinâmica na sala de aula que requerem a participação de Ander e seus colegas, trabalhando em projetos escolhidos por eles. Ao combinar essas sessões com vídeos, experimentos e jogos, será mais fácil aumentar a capacidade de atenção desses caras. Se, além disso, esta criança recebe a compreensão do professor e de sua família, que quando comete um erro se coloca no lugar, se conecta ao estado emocional que está vivendo e a ajuda a redirecionar suas energias, ela se renderá para Ander e muitos outros como ele podem ter um futuro brilhante.

      Autor: Anabel de la Cruz Psicóloga-Neuropsicóloga, com especialização em psicologia perinatal pela Vitalize.

      Referências bibliográficas:

      • Bona, C. (2015) The New Education. EDITORES DA ROSA VENTS
      • Cortés, C. (2017) Olhe para mim, sente-se. Estratégias para reparar a condição em crianças usando EMDR. Bilbao: Desclée de Brouwer.
      • Guillén, JC (2015). Neuroeducação em sala de aula: da teoria à prática. Espanha: Amazon.
      • Siegel, D. (2007) The Developing Mind. Como os relacionamentos e o cérebro interagem para moldar nosso ser. Bilbao: Desclée de Brouwer.
      • Siegel, D. (2012) The Child’s Brain. Barcelona: Editorial de Alba.

      Deixe um comentário