Amigos imaginários em crianças: essas fantasias são normais?

A capacidade de socializar e manter contatos positivos para além da simples família, de se conectar com as pessoas ao nosso redor e compartilhar com elas situações, momentos e experiências positivas é fundamental para o nosso pleno desenvolvimento.

As amizades serão muito importantes ao longo da vida, mas ter alguém com características semelhantes às suas para compartilhar e conviver é especialmente relevante durante a infância e a adolescência. E, em muitos casos, algumas crianças vêm para fazer amigos que não existem realmente no mundo real, mas são de grande importância para eles: estamos falando sobre amigos imaginários. É sobre esse conceito que falaremos ao longo deste artigo.


    O que é um amigo imaginário?

    Um amigo imaginário é qualquer personagem invisível e inexistente na realidade, considerado real ou parcialmente real por uma criança com quem brinca para interagir direta e freqüentemente e que é nomeado e reconhecido na frente de outras pessoas. A interação e a consideração da existência deste ser pelo menor podem ter uma duração variável. Enquanto falávamos de seres inexistentes, às vezes o amigo imaginário é um objeto ou elemento ao qual a criança concede a capacidade de estar viva ou interagir, como uma boneca.

    Criar e nutrir amigos imaginários geralmente ocorre em crianças pequenas, Entre dois e oito anos. O amigo em questão costuma ter uma função protetora ou lúdica, sendo a sua própria presença em situações em que a criança está brincando ou com medo. O personagem em questão pode ser uma criança como ele ou seres animados com características animais ou mesmo fantásticas. Normalmente, o amigo começa a ser esquecido ou a desaparecer quando a criança começa a ter um contato mais fluido e positivo com os filhos e a fazer amigos, embora possa demorar um pouco para morrer.

      Explicações desse fenômeno na infância

      Fazer amigos imaginários por crianças tem sido um aspecto de pesquisa com grande interesse ao longo da história, e existem diferentes abordagens. Inicialmente, havia a ideia de que era tratada e valorizada como expressão de um problema clínico, embora as pesquisas tenham mostrado que, com algumas exceções, não é esse o caso.

      inicialmente amigos imaginários eram vistos como expressões de problemas emocionais ligada a deficiências como falta de afeto dos pais, solidão ou falta de pessoas com o mesmo nível de maturidade ou como mecanismo de compensação do que os filhos vêem como suas fragilidades. Enquanto em alguns casos pode ser o caso, principalmente em crianças abandonadas ou que sofreram traumas, observou-se que esse fenômeno pode ocorrer em qualquer tipo de contexto.

      Autores como Jean Piaget, conhecido por seus estudos sobre o desenvolvimento infantil e as fases de aquisição de diferentes habilidades mentais e habilidades do ponto de vista cognitivo, interpretaram a presença de amigos imaginários como uma elaboração de l ‘criança como uma tentativa de explicar o realidade que não conseguia compreender, tendo dificuldade em separar a realidade do imaginário na idade típica de aparecimento deste fenómeno (entre os 3 e os 6 anos). Porém as crianças se eles são capazes de separar o fato da ficção nessas idadesMuitas vezes sabendo que seus amigos imaginários não são visíveis para ninguém além de si mesmos ou mesmo que eles são o produto da fantasia.

      Outra teoria de valores mais recente que amigos imaginários são simulações de seres reais que as crianças costumam praticar situações reais de interação e que servem para aumentar sua compreensão da teoria da mente (assumindo e compreendendo que os outros têm opiniões, pensamentos e perspectivas diferentes das deles).

      É uma coisa patológica?

      Embora isso não aconteça com todas as crianças, a presença de amigos imaginários é geralmente aceita como algo normal que acontecerá com o tempo. Contudo, muitos pais estão muito preocupados quando isso acontece com seus filhos diante da possibilidade de presenciar algum tipo de transtorno ou patologia mental.

      Essa preocupação tem algum significado, pois a verdade é que o conceito de amigos imaginários implica a existência de certas características que podem se assemelhar às de uma alucinação ou delírio (a existência de um ser “ que não está além da própria mente do sujeito, que é mantido ao longo do tempo).

      Contudo, na grande maioria dos casos, não é um evento patológico, mas um normativo, Por ser extremamente comum (embora não haja consenso, alguns estudos indicam que mesmo cerca de metade das crianças pode ter) e que geralmente ocorre em uma fase da vida em que o pensamento costuma ser muito ativo, mágico e em que há grande criatividade.

      Além disso, o amigo em questão pode ter um papel no desenvolvimento da criança: Alivie as necessidades de negócios, projete seu self ou autoimagem ideal, pratique por meio de interações reais, repita sua teoria da mente e sua capacidade de compreender os outros ou libere a ansiedade gerando um mundo fictício no qual você pode resumir vários problemas.

      De fato, alguns estudos até parecem indicar que a geração de amigos imaginários (desde que não se transforme na expressão de deficiências afetivas ou não gere um distanciamento ativo do contato real com os outros) longe de ser patológica pode até mesmo permitir que todos os desenvolvimento de diferentes competências, melhorando a sua futura competência social, apatia, abstração e criatividade.

      O que fazer?

      Muitos pais podem vir e perguntar como agir na presença de amigos imaginários em seus filhos, Seja uma preocupação normal e legal. Mas, de modo geral, ter amigos imaginários não é algo que precise de tratamento.

      Não é aconselhável punir, negar ou ignorar a existência do amigo imaginário, embora seja necessário avaliar o tipo de amigo ou personalidade que ele possui. Eles também não devem tentar forçar a criança a fazer atividades que demorem para evitar a existência desse amigo. Também pode ser útil tentar encorajar (sem que isso se torne uma prática forçada e insistente que gere ansiedade na criança) a abordagem de situações em que ela possa interagir com outras crianças.

      Ele deve tratar o assunto com respeito. Tenha em mente que esta pode ser uma projeção dos medos de nosso filho ou mesmo de uma forma de se conectar com o mundo e se comunicar com vocêPortanto, pode ser relevante ouvir a que horas ele aparece e as opiniões que a criança diz que seu amigo tem sobre o mundo.

      Aspectos menos comuns que podem gerar uma resposta e não deveriam ser permitidos são o fato de o amigo imaginário ser usado como justificativa ou como bode expiatório para os próprios atos aversivos.

      Também pode ser mais preocupante se você assistir a este a criança prefere se relacionar com seu amigo invisível do que com o resto do mundo e isso a leva ao isolamento, Ou que a personalidade do amigo é extremamente violenta ou destrutiva. Embora haja casos em que amigos imaginários ficam até a adolescência, isso não é muito comum e deve-se entender que a criança pode ter algum tipo de problema.

      Referências bibliográficas:

      • Benavides Delgado, J. (2007). Criando amigos imaginários em crianças: um problema clínico? Tese psicológica [en línea] Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=139012670006.
      • Taylor, M. (1999). Os companheiros imaginários e os filhos que os criaram. Oxford: Oxford.

      Deixe um comentário