Alunos com deficiência intelectual: avaliação, monitoramento e inclusão

Artigo relacionado: “Deficiência intelectual e de desenvolvimento”

Avaliação de alunos com deficiência intelectual

É Processo de avaliação requer a presença de profissionais bem treinados e o conhecimento e aplicação de uma série de etapas e procedimentos já previstos no próprio manual da AAMR e por diversos autores reconhecidos na área.


a) A estrutura da avaliação

A avaliação proposta pelo sistema de 2002 gira em torno do que se denomina estrutura de avaliação. A estrutura da avaliação é caracterizada pelos seguintes aspectos:

  1. A avaliação tem três funções principais: diagnóstico, classificação e planeamento dos suportes necessários.
  2. Cada função tem uma série de objetivos diferentes, que vão desde estabelecer a prestação de um determinado serviço e pesquisa, até organizar a informação e desenvolver um plano de apoio para o indivíduo.
  3. A escolha das medidas e instrumentos mais apropriados dependerá da função da avaliação e dos objetivos específicos a serem alcançados.

o diagnóstico

Uma das finalidades e funções do Sistema de Definição, Classificação e Apoio é a determinação do diagnóstico da deficiência intelectual. O diagnóstico de DI é feito de acordo com os três critérios a seguir: limitações significativas no funcionamento intelectual, limitações significativas no comportamento adaptativo e idade de início.

a classificação

Os objetivos da classificação incluem o agrupamento de pessoas para o financiamento de serviços, pesquisa, organização de serviços e comunicação sobre certas características selecionadas. Os sistemas de classificação podem ser usados ​​para atender às necessidades de pesquisadores, médicos e profissionais. Os sistemas de classificação podem ser baseados na intensidade da mídia, etiologia e níveis de inteligência ou comportamento adaptativo.

Planejamento de mídia

O objetivo é melhorar os resultados pessoais relacionados à independência, relacionamentos, contribuições, escola e participação na comunidade e bem-estar pessoal. A classificação da mídia pode ter relevância diferente dependendo se é realizada para fins de classificação ou planejamento de mídia. Escalas de avaliação de mídia, autorrelatos, alguns componentes de avaliação e o plano individual são medidas para o planejamento de mídia.

b) Critérios de diagnóstico

A realização de uma avaliação diagnóstica da deficiência intelectual requer treinamento e preparação adequados, conhecimento e uso em torno de certas questões relacionadas aos critérios diagnósticos e com certas considerações e precauções a serem levadas em consideração antes de situações complexas. profissionais eles devem completar uma avaliação do nível intelectual e comportamento adaptativo, E definir a idade de início.

Avaliação de inteligência

O critério utilizado para o diagnóstico da deficiência intelectual em relação ao funcionamento intelectual é dois desvios padrão abaixo da média. Usar este critério para realizar uma avaliação válida requer conhecimento e compreensão de certos aspectos:

  • A melhor maneira de entender o funcionamento intelectual é usar um fator geral (g).
  • Medidas padronizadas apropriadas devem refletir o contexto social, lingüístico e cultural do indivíduo. As adaptações apropriadas devem ser feitas para qualquer limitação motora ou sensorial.
  • Os instrumentos psicométricos que avaliam a inteligência funcionam melhor quando usados ​​com pessoas cujas classificações estão dentro de dois ou três desvios-padrão da média; pontuações extremas estão sujeitas a maiores erros de medição.
  • A avaliação do funcionamento intelectual por meio de testes de inteligência apresenta risco de ocupação errônea se não forem considerados possíveis erros de medição.

Comportamento adaptativo

É o conjunto de habilidades conceituais, sociais e práticas que as pessoas aprendem a funcionar na vida cotidiana. Enfatiza o uso ou realização de habilidades relevantes, ao invés da aquisição de habilidades.

Isso significa que os limites do comportamento adaptativo incluem o desconhecimento de como exercer essas habilidades, quando usá-las e outros fatores motivadores que afetam a expressão das habilidades.

Limitações significativas no comportamento adaptativo são definidas como um exercício que coloca pelo menos dois desvios padrão abaixo da média em um dos três tipos de comportamento adaptativo ou em uma pontuação geral em uma medida padronizada de habilidades conceituais, sociais e práticas.

A avaliação desse comportamento deve ser feita por meio de medidas padronizadas em toda a população em geral, incluindo pessoas com e sem deficiência.

Diretrizes a seguir para avaliar o comportamento adaptativo:

  • Os limites do funcionamento atual devem ser vistos no contexto de ambientes comunitários típicos de pessoas da mesma idade e cultura.
  • Não existe uma medida única que avalie totalmente todos os aspectos do comportamento adaptativo.
  • Uma vez que as pontuações da subescala são moderadamente correlacionadas, deve-se supor que há um déficit generalizado, mesmo se a pontuação unidimensional atender ao critério de dois ou mais desvios-padrão abaixo da média.
  • A avaliação depende da compreensão de que o comportamento de um indivíduo típico requer informações que vão além do que pode ser observado em uma situação de avaliação formal.
  • Uma pontuação de comportamento adaptativo não deve ser considerada uma pontuação precisa. Uma margem de confiança de 67% e 95% deve ser aplicada para uma pontuação verdadeira.
  • O comportamento problemático visto como desadaptativo não é uma dimensão ou característica do comportamento adaptativo, embora possa influenciar a aquisição e o desempenho do comportamento adaptativo.
  • O comportamento adaptativo deve ser interpretado em relação aos períodos de desenvolvimento e no contexto da própria cultura do indivíduo.

Idade de início da deficiência intelectual

O período do ciclo de vida anterior à idade adulta é o critério diagnóstico da definição de 2002. O limite de idade é estabelecido em 18 anos, que corresponde ao momento em que o papel de adulto é adquirido.

Este período é caracterizado por rápidas mudanças nas habilidades cognitivas, sociais e práticas.

c) Considerações gerais

Qualquer atividade de diagnóstico acarreta um risco. Existem situações particularmente críticas, como diagnóstico duplo (DI e doença mental), em indivíduos com DI ideal e funcionamento intelectual moderado.

Eles requerem orientação especial para melhorar a exatidão, a precisão e a integração do diagnóstico.

Quatro diretrizes importantes devem ser consideradas ao diagnosticar pessoas com situações complexas:

  • Há correspondência entre as medidas utilizadas e as finalidades diagnósticas? O diagnóstico da doença mental requer medidas específicas diferentes da avaliação da inteligência e do comportamento adaptativo.
  • As medidas são adequadas para a pessoa? A idade, o grupo cultural, o sistema de comunicação, o nível de compreensão da linguagem e as limitações sensoriais e motoras são respeitadas?
  • A pessoa é avaliada em ambientes de vida da comunidade e a função de seu ambiente imediato está integrada na avaliação? Estão incluídas as informações de pessoas significativas, a avaliação das condições de vida da comunidade é levada em consideração, o comportamento da pessoa na situação de avaliação é comparado ao apresentado em seu ambiente usual?
  • A avaliação diagnóstica leva em consideração as possíveis limitações dos instrumentos de avaliação?

Dobro diagnóstico

Os transtornos mentais têm maior prevalência na população com DI. Dois fatores complicam o diagnóstico duplo: eclipse diagnóstico e comportamentos problemáticos.

O eclipse diagnóstico ocorre quando todos os problemas e sintomas de uma pessoa são atribuídos ao ID.

Os comportamentos problemáticos que se manifestam no momento da entrevista e nas sessões de avaliação podem definir a precisão do diagnóstico.

Para fazer um bom diagnóstico duplo, é aconselhável levar em consideração as seguintes diretrizes:

  • Coleta de informações relevantes sobre a pessoa com base em sua história pessoal, observações comportamentais em ambientes de vida diária, avaliação psicométrica e avaliação médica e biológica.
  • Coletar informações da comunidade com base em avaliações ambientais que incluem situações adversas, oportunidades de estimulação sensorial e perspectivas de mudança na pessoa.
  • Identifique as causas potenciais do comportamento, em vez de restringir a causa a uma suposta doença mental.

Pessoas com um nível de funcionamento intelectual leve ou limitante: Essas pessoas têm limitações que são difíceis de detectar, especialmente habilidades relacionadas à competência acadêmica e social.

As seguintes diretrizes são usadas para um diagnóstico preciso:

  • A avaliação deve enfocar os sistemas de avaliação funcional, com ênfase particular no comportamento adaptativo.
  • A avaliação das habilidades acadêmicas deve identificar a aquisição de conhecimentos e habilidades curriculares.
  • Avaliação da competência social para basear o interesse na percepção social, geração de estratégias sociais adequadas para resolver problemas e o conhecimento da pessoa sobre os padrões sociais.

diagnóstico retrospectivo

Trata-se de realizar um diagnóstico de identificação quando este não foi realizado durante o período de desenvolvimento. Diretrizes apropriadas devem ser seguidas para garantir o diagnóstico correto.

Diagnóstico em situações de avaliação abaixo do ideal

Existem algumas situações em que a determinação do diagnóstico de DI é complexa e o uso de medidas formais de avaliação é difícil de aplicar.

Estes são os indivíduos que eles têm condições médicas e comportamentais complexas e as situações em que a diversidade cultural e / ou fatores lingüísticos podem afetar a informação necessária para a tomada de decisões.

É aconselhável levar em consideração as seguintes diretrizes:

  • Use várias fontes de informação na coleta de dados.
  • Mostra claramente que os dados obtidos correspondem às questões críticas que foram colocadas.
  • Use instrumentos de avaliação que sejam sensíveis à diversidade e tenham propriedades psicométricas aceitáveis.
  • Conheça e compreenda a cultura e a linguagem do indivíduo.
  • Não deixe a diversidade linguística e cultural obscurecer ou minimizar uma deficiência real.

d) Uso de julgamento clínico

a teste clínico é exigida como boa prática no domínio da deficiência. O uso adequado pode melhorar a exatidão, precisão e integração das decisões e recomendações dos profissionais.

Este é um tipo especial de julgamento que flui diretamente de uma grande quantidade de dados e é baseado em um alto nível de habilidade e experiência clínica.

Possui três características: é sistemático, formal (explícito e fundamentado) e transparente.

Não deve ser usado para justificar avaliações rápidas, para substituir o uso de instrumentos apropriados ou a falta de informações suficientes.

quatro orientações que são cruciais para realizar um ensaio clínico preciso:

  • O profissional deve fazer uma história social completa e assimilar os dados coletados às perguntas feitas.
  • Devem ser aplicados sistemas de avaliação abrangentes.
  • O profissional deve trabalhar em equipe para analisar os resultados da avaliação e determinar os apoios necessários.
  • Os apoios necessários devem ser incluídos em um plano individualizado e os resultados avaliados.

e) A avaliação dos apoios

a identificação das necessidades de suporte é o objetivo principal do processo de avaliação e diagnóstico de DI.

Avaliar o perfil e a intensidade do apoio necessário é uma estratégia básica para melhorar os resultados pessoais, promovendo independência, relacionamentos, contribuições, participação escolar e comunitária e bem-estar emocional.

Existem duas formas de delimitar os suportes.

  1. Os processos que se realizam na avaliação e no desenvolvimento de planos de apoio à definição e implementação das funções e atividades de apoio, bem como dos apoios naturais que a pessoa terá à sua disposição.
  2. O uso de escadas de apoio. A publicació de l’escala d’intensitat dels suports (EIA) i la seva adaptació à català ia el castellà suposa disposar de um alto impacto eina de grande valor i. O EIA é um instrumento multidimensional projetado para medir o nível de suporte prático exigido por pessoas com DIyD.

Esta escala tem três seções:

seção 1. Escala das necessidades de suporte. Avalia 49 atividades de vida agrupadas em 6 subescalas: vida em casa, vida em comunidade, aprendizagem ao longo da vida, emprego, saúde e segurança e atividades sociais. Os suportes para cada atividade são revisados ​​com base na frequência, tempo de suporte diário e tipo de suporte.

seção 2. Escala complementar de proteção e defesa. Avaliar 8 atividades relacionadas a temas que digam respeito à autodefesa, oportunidades e acessos, exercendo responsabilidades sociais e ajudando a adquirir e expressar competências.

seção 3. Necessidades excepcionais de suporte comportamental e médico. Avalie 15 condições médicas e 13 comportamentos problemáticos.

A escala de intensidade da ajuda para crianças está em desenvolvimento. Avalia a intensidade dos apoios nas seguintes áreas: vida familiar, comunitária e de vizinhança, participação escolar, aprendizagem escolar, saúde e segurança, autodefesa e necessidades médicas e comportamento excepcional.

Como promover o desenvolvimento de alunos com deficiência intelectual?

Para as escolas, o sistema de 2002 introduziu duas mudanças na maneira como pensamos e agimos:

  1. O processo de diagnóstico está diretamente ligado à oferta de apoios.
  2. A ênfase não está em programas, mas na concepção e entrega de apoios individualizados.

este modelo assume a perspectiva da educação especial como um sistema de apoio ao invés de um lugar, E que o significado de bolsas de estudo para idade escolar é fornecer acesso ao currículo escolar, encorajar a obtenção de resultados pessoais valiosos e promover a participação em contextos escolares, sociais e comunitários típicos.

a) Um ambiente escolar inclusivo

O princípio básico é que alunos com DIyD devem ter acesso a situações educacionais normais com ajudas e serviços adicionais que superam barreiras à participação e aprendizagem.

É importante saber adequar melhor as capacidades de uma pessoa às demandas e oportunidades do ambiente em que vive, aprende e convive.

Na fase escolar, é necessária mais atenção às modificações e adaptações que facilitam a participação e a aprendizagem.

Esta abordagem funcional para a deficiência supõe colocar um interesse maior nos apoios. A tarefa que os conselheiros que se deve resolver é identificar e desenhar, de forma adequada e adequada, os suportes que lhes permitam ter sucesso na escola e na vida.

A organização do apoio na fase escolar deve basear-se em alguns componentes essenciais. O desenvolvimento de um ambiente educacional obriga a escola a adotar sistemas organizacionais e educacionais sensíveis à qualidade e à diversidade.

A abordagem pedagógica incorpora uma série de estratégias escolares e de sala de aula. Determinadas condições parecem ter um efeito positivo na melhoria da escola e permitir-lhe fazer face aos processos de mudança e prestar mais atenção à diversidade.

Essas dimensões permitem que a escola avance em seu objetivo de aumentar as oportunidades de participação e aprendizagem para todos os alunos. Eles permitem que as funções e tarefas do conselheiro sejam articuladas em torno deles.

As abordagens que levam em conta a reflexão e os processos colaborativos dos professores são sensíveis ao desenvolvimento de culturas, políticas e práticas. Incluindo.

Chaves para a inclusão bem-sucedida de alunos com deficiência

Uma série de condições garantem que todos os alunos participem ativamente das atividades de ensino e aprendizagem.

  • Mude a natureza e a complexidade do conteúdo currículo
  • Diversificar os processos de ensino e aprender
  • Adapte os requisitos e o tipo de respostas o que pode ajudar a criar um ambiente educacional mais inclusivo na sala de aula.

Promova um clima seguro e relacionamentos positivos entre professores e alunos é considerado um aspecto crítico. Expectativas e limites claros devem ser definidos e mantidos para promover o desenvolvimento de normas, comportamentos e atitudes positivas em relação à aprendizagem e ao trabalho escolar.

É importante que os professores reflitam sobre a própria atividade e compartilhem suas reflexões e propostas.

As adaptações ao ambiente físico facilitam a capacidade dos alunos de participar das atividades de aprendizagem em sala de aula.

b) Acesso ao currículo e desenho universal para a aprendizagem

Existem vários tipos e níveis de acesso ao programa regular para alunos com DIyD. Os mais importantes são os estratégias no domínio geral, E as uso de design de aprendizagem universal, E as adaptações curriculares individualizadas.

O Design Universal para Aprendizagem representa um sistema de apoio que supera certas barreiras à participação e aprendizagem de um grande número de alunos.

Para facilitar o acesso ao programa, é necessário garantir que os alunos participem ativamente das atividades de ensino e aprendizagem e que sejam suficientemente estimulantes e cognitivamente significativas para promover o desenvolvimento pessoal.

Os materiais educacionais frequentemente apresentam barreiras físicas, sensoriais, emocionais e cognitivas que limitam o acesso e a participação.

O projeto de aprendizagem universal é definido como “o projeto de materiais e atividades de ensino que tornem os objetivos de aprendizagem acessíveis a pessoas com grandes diferenças nas habilidades de ver, ouvir, ouvir, ouvir, ouvir, compreender. Falar, mover , leia., escreva, compreenda a língua, preste atenção, organize-se, ocupe-se e lembre-se. “

Adaptando-se a alunos com necessidades especiais

Princípios que facilitam o desenvolvimento e avaliação de materiais educacionais para a educação de alunos com DIyD:

  • uso justo: Quem fala um idioma diferente pode usar os materiais. Os materiais são organizados a partir de diferentes níveis de taxonomia cognitiva e apresentam alternativas que parecem ser semelhantes.
  • uso flexível: Os materiais caracterizam-se por múltiplas formas de representação, apresentação e expressão.
  • Simples e intuitivo de usar: Os materiais são fáceis de usar e evitam dificuldades desnecessárias. As instruções são claras e precisas e exemplos são apresentados.
  • informação perceptível: O material apresenta as informações necessárias ao aluno; informações essenciais são sublinhadas e repetições são incluídas.
  • Tolerância de erro: Os alunos têm tempo suficiente para responder, receber informações para corrigir erros, podem corrigir respostas anteriores, acompanhar seu progresso e praticar pelo tempo necessário.
  • Redução do esforço físico e cognitivo: O material apresenta as informações a serem trabalhadas em grupos que podem ser tomadas ao acaso em um período de tempo razoável.

desenho universal

Recursos do Design Universal para Aprendizagem que facilitam o acesso às informações do conteúdo acadêmico:

  • Ele fornece várias formas de representação e apresentação.
  • Eles promovem diferentes formas de expressão.
  • Facilita várias formas de participação

c) A organização da prestação de apoios nas aulas

Para participar de atividades em sala de aula com os colegas, alunos com DIyD precisam de adaptações e apoios que devem ser organizados de forma adequada.

Existe um modelo trifásico para realizar essa tarefa. É usado para planejar e implementar materiais de sala de aula e adaptações:

  1. identificação necessidades de suporte.
  2. Planejamento e implementação de apoios e adaptações.
  3. Avaliação a disponibilização de apoios e adaptações.

A fase de identificação requer a coleta de informações sobre o aluno e a turma. É importante compartilhar informações sobre o aluno, suas características e suas necessidades. É aconselhável conhecer as atividades e os materiais utilizados. Às vezes, pode ser necessário fazer observações diretas do ambiente da sala de aula. O objetivo é identificar que tipo de adaptações e apoios às necessidades dos alunos e em que áreas curriculares ou trabalhos escolares.

A fase de planejamento e implementação requer que a equipe de profissionais responsável tome decisões sobre como e quem irá desenvolver e implementar as adaptações e suportes identificados.

Você deve considerar três tipos de adaptações:

  1. Currículo: Eles modificam o conteúdo do que é ensinado. Isso envolve a mudança do nível de dificuldade dos materiais e atividades e a redução da quantidade, número ou complexidade dos objetivos.
  2. pedagógico: Mude a forma como a educação é ensinada e demonstrada. Pode ser necessário variar os métodos de ensino para facilitar e melhorar a aprendizagem. Forneça demonstrações claras, use estratégias específicas, desenvolva guias de estudo para livros didáticos, inclua mais comentários corretivos … Pode ser necessário alterar o tipo de respostas e demonstrações exigidas do aluno.
  3. alternativas: Modifique os objetivos e atividades de aprendizagem. Pode-se questionar se o aluno precisa de adaptações alternativas para garantir sua progressão. Isso inclui a introdução de metas e atividades paralelas àquelas alcançadas em sala de aula.

Essa fase geralmente é realizada em dois momentos. Aquele em que é realizado no início do curso e serve para adaptar o aluno às atividades diárias e rotinas da aula e da escola. E outra é o planejamento e adequação do trabalho presencial que é feito ao longo do curso nas reuniões de coordenação.

a fase de monitoramento e avaliação requer um trabalho contínuo e coordenado para avaliar o impacto das decisões tomadas em relação ao tipo de adaptações e apoios a serem fornecidos, e o progresso de o estudante.

Deverá haver uma certa frequência de reuniões onde sejam feitas as alterações necessárias para permitir ao aluno participar ativamente nas atividades da aula e poder progredir de acordo com os objetivos propostos no seu programa individual.

d) Aprender certas habilidades

O modelo funcional da deficiência intelectual é colocar uma maior importância nos suportes e nas modificações e adaptações do ambiente de forma a melhorar o funcionamento individual.

Isso não deve prejudicar o desenvolvimento e o progresso dos alunos com carteiras de identidade que adquirem o máximo de habilidades e habilidades possíveis.

A grande maioria pode ter acesso ao conteúdo e aos objetivos do programa regular.

Habilidades que permitem o acesso e a participação em outras atividades e ambientes de aprendizagem ou educacionais:

  1. Competências essenciais: São eles que abrem as portas às pessoas e facilitam o acesso a outras aprendizagens, atividades significativas e ambientes relevantes. Eles fornecem a base para a interação com as pessoas e informações em uma sociedade multicultural. É importante que eles adquiram habilidades que facilitem sua independência, relacionamentos, contribuições, participação escolar e comunitária e bem-estar pessoal.
  2. Estratégias de aprendizagem independentes: Os alunos usam estratégias de aprendizagem que lhes permitem planejar, executar e controlar seus deveres de casa e modificar e regular seu próprio comportamento. O objetivo é envolver ativamente os alunos no processo educacional. O uso dessas estratégias facilita o desenvolvimento e a aprendizagem de habilidades, promove a educação inclusiva, aumenta a autodeterminação e promove a participação no aluno e os processos de generalização.
  3. autodeterminação: Existe uma relação estreita entre a aprendizagem independente e a autodeterminação. A autodeterminação é um resultado educacional e representa a capacidade de atuar como um importante agente causal em sua vida e de escolher e tomar decisões sobre sua qualidade de vida sem influências e interferências externas desnecessárias. Refere-se ao direito das pessoas de assumir o controle e fazer escolhas que impactam suas vidas. Inclui componentes: habilidades para fazer escolhas, tomar decisões, resolver problemas, etc.
  4. a competência social: É o resultado de uma combinação de comportamento adaptativo, habilidades sociais e aceitação pelos pares. O comportamento socialmente competente é importante para o funcionamento adequado nos ambientes da vida cotidiana.

A natureza e a extensão das habilidades e das relações com os pares afetam a auto-estima, o desenvolvimento intelectual, o desempenho acadêmico e o funcionamento diário.

É prático identificar variáveis ​​que podem influenciar as relações sociais e as interações entre pares com e sem deficiência, e estabelecer estratégias que promovam relacionamentos positivos e competência social adequada.

Contribuições para a educação e qualidade de vida de alunos com deficiência

a) Avaliação do serviço

A presença de cultura de avaliação é pouco visível em nosso país nos serviços para pessoas com DIyD. Principalmente nas escolas.

A cultura anglo-saxônica, por exemplo, está associada a procedimentos de prestação de contas às autoridades que financiam os serviços.

As administrações educacionais propuseram várias iniciativas, mas não foram bem recebidas pela comunidade educacional.

A Federação Espanhola de Pessoas com Deficiência Intelectual está empenhada em promover a avaliação dos diferentes serviços como parte do seu plano de qualidade.

O modelo proposto foi adotado pela FEAPS e foi elaborado para ajudar os profissionais a superar as potenciais resistências mencionadas acima. O controle do processo é centralizado e orientado para a melhoria. Combina as vantagens da autoavaliação com a avaliação externa, deixando a responsabilidade pelas decisões aos centros.

O modelo consiste em três fases:

  1. autoavaliação: Profissionais, propriedade / gestão, famílias, alunos participam e concluem em relatório de autoavaliação.
  2. avaliação externa: Por alguns especialistas com base no relatório elaborado pelo centro e entrevistas com uma amostra de profissionais, gestores, famílias e alunos. Isso é refletido em um relatório final que é enviado ao centro.
  3. Plano de melhoria: O próprio centro o desenvolve com base nas conclusões do relatório final e não em seu próprio relatório de autoavaliação.

Vantagens do modelo:

  • O processo de avaliação permite uma reflexão individual e partilhada sobre as práticas organizacionais e pedagógicas do centro a partir das dimensões e indicadores de qualidade do modelo.
  • A participação de famílias e alunos permite-nos saber o que valorizam e o quanto estão satisfeitos.
  • O debate para chegar a um consenso tanto sobre o conteúdo do relatório de autoavaliação quanto sobre o plano de melhoria permite refinar o diagnóstico e facilita o envolvimento pessoal na busca de soluções.
  • O plano de melhoria é um compromisso com a inovação e mudança.
  • A qualidade da relação entre profissionais e famílias: Com algumas exceções, a relação entre profissionais e famílias não é fácil. Está sujeito a diferentes pressões, crenças e expectativas, suspeitas, dificuldades organizacionais, etc. Que eles contribuíram para uma barreira intransponível.

eles podem ser distinguidos três modelos que obedecem a três formas diferentes de conceber essa relação:

  • Uma relação de poder baseada no saber pericial: quem sabe o que acontece com a pessoa identificada, as causas e o que fazer é o profissional. É uma relação totalmente assimétrica que relega os pais a um papel de meros cúmplices daquilo que o profissional indica, sem reconhecer qualquer contribuição para além da resposta a determinadas questões colocadas pelo profissional.
  • Pais como co-terapeutas: relação baseada em um acordo que pressupõe que os pais devem fazer em casa o que o profissional faz no centro.
  • Pais como colaboradores: há uma mudança de cultura e expectativas no relacionamento com as famílias. É reconhecido que nem todas as competências são encontradas nos profissionais, os pais possuem conhecimentos tão valiosos quanto os dos profissionais, ainda que sob uma ótica diferente. Os pais recebem tratamento igualitário, isso significa que cada um respeita e valoriza que o outro fornece conhecimentos e informações relevantes para o processo colaborativo.

aspectos que contribuem para a qualidade da relação e suas dimensões na prática:

  • Comunicação: A qualidade da comunicação. Deve ser positivo, compreensível e respeitoso com todos.
  • comprometimento: Ser sensível às necessidades emocionais das famílias, estar disponível, compartilhar a importância para as famílias dos objetivos perseguidos.
  • Tratamento igual: Compartilhe a tomada de decisões, garanta que todos possam influenciar as decisões, promova o empoderamento da família.
  • competência profissional: Mostra grandes expectativas em relação às possibilidades da criança, dá uma resposta adequada, vontade de continuar a aprender.
  • Confiar em: Chave no relacionamento. Confie e mereça os pais, use argumentos fortes, mantenha a confidencialidade.
  • o respeito: Trate as famílias com dignidade, respeite a diversidade cultural, seja gentil, fortaleça sua força, não julgue.

Referências bibliográficas:

  • Gilman, CJ, Morreau, LI ALSC; Currículo de habilidades adaptativas. Habilidades pessoais. Edições do Messenger.
  • Gilman, CJ, Morreau, LI ALSC; Currículo de habilidades adaptativas. Habilidades para a vida em casa. Edições do Messenger.
  • Gilman, CJ, Morreau, LI ALSC; Currículo de habilidades adaptativas. Habilidades para a vida comunitária. Edições do Messenger.
  • Gilman, CJ, Morreau, LI ALSC; Currículo de habilidades adaptativas. Habilidades profissionais. Edições do Messenger.
  • FEAPS. Suporte comportamental positivo. Algumas ferramentas para gerenciar comportamentos difíceis.
  • FEAPS. Planejamento centrado na pessoa. Experiência da fundação Sant Francesc de Borja para pessoas com deficiência intelectual.
  • Botxí Alonso, MA 2006. Como melhorar a qualidade de vida das pessoas com deficiência. Ferramentas e estratégias de avaliação. Edições Amarú. Salamanca, Espanha.

Deixe um comentário