Adesão e sexualidade em adolescentes

Na adolescência, o desejo erótico se desenvolve gradualmente; do erotismo puberal dos primeiros compassos à versão mais adulta.

O surgimento do desejo erótico se reflete, portanto, na busca por novas e muitas vezes intensas experiências sexuais.


Ao mesmo tempo, os adolescentes vêem mudar os seus laços emocionais, a tal ponto que os casais (jovens da sua idade) assumem uma importância especial. Assim, a busca por novas sensações e a assunção de riscos inerentes à adolescência coincidem com o desenvolvimento de novas bases afetivas de segurança, que acompanham o despertar do erotismo.

    Namoro e sexualidade na adolescência

    O sistema de apego e o sistema sexual estão mudando, como acontece com outros sistemas biológicos e sociais. No entanto, a relação entre os dois sistemas (sexual e apego) assume particular importância neste período, pela sua elevada importância, bem como pela fundamental simbiose entre eles.

    Isso se deve ao fato modelos internos de apego (representações mentais relacionais) são ativados no espaço de intimidade que envolve o contato com outras pessoas, especialmente durante o sexo compartilhado.

    Ambos os sistemas podem ser aprimorados um com o outro, levando a um sexo saudável, agradável e seguro. acontece quando a pessoa desenvolve um estilo de gancho predominantemente seguro. Assim, o adolescente que mantém uma relação afetiva positiva com as figuras de referência dependerá menos da aprovação alheia e necessitará de comportamentos menos arriscados para se sentir aceito.

      Desenvolvimento de sexualidade saudável

      De acordo com o que dissemos anteriormente, num estudo realizado na Universidade do País Basco, constatamos que adolescentes com pegada segura são o segundo grupo com maior experiência sexual, depois daqueles que evitam a insegurança; no entanto, eles são os menos propensos a representar um risco sexual. Isso pode ser explicado pelo fato de que aqueles que desenvolveram modelos de apego interno seguro exploram o mundo e as relações interpessoais e sexuais de maneiras mais saudáveis, assumindo menos riscos e lidando com mais eficácia com diferentes situações e estados contextuais internos (psicológicos e emocionais).

      Por outro lado, a interação entre esses sistemas pode ser disfuncional, levando a sexo inseguro e menos prazeroso. Tanto, tanto sujeitos com altos níveis de ansiedade e / ou evitação do apego mostram mais disposição para correr riscos sexuais, bem como assumir mais riscos nas relações sexuais.

      Aqui é necessário esclarecer a diferença entre a disposição (atitude) para o risco e o desempenho real do comportamento de risco. Embora aqueles que estão mais dispostos tendam a correr mais riscos, é aconselhável estudar as duas variáveis ​​separadamente para melhor adequação das intervenções, conforme observado no final do artigo.

      Modelos ansiosos e evitativos

      Voltando ao comportamento sexual de adolescentes em risco, aqueles cujo perfil é predominantemente ansioso tenderão a fazer sexo não por interesse na experiência sexual em si, mas sim como uma forma de agradar o parceiro e ser capaz de satisfazer a necessidade de relacionamento e aceitação. Isso está ligado à sua preocupação com a rejeição e abandono e sua forte dependência.

      Por sua vez, os adolescentes evitativos mostram níveis mais elevados de experiência sexual e disposição para correr riscos. Isso os coloca em uma posição particularmente vulnerável. Este grupo pode ser usando sexo para escapar ou escapar de uma situação altamente emocionalmente carregada. É, portanto, o uso de estratégias para evitar ou reduzir o estresse por meio de atividades como o consumo de álcool e outras drogas, a realização de atividades sexuais ou uma combinação dos dois.

      Para concluir …

      Como você pode ver neste breve artigo, aspectos emocionais, sociais e emocionais devem ser levados em consideração ao estudar e compreender a sexualidade de nossos adolescentes. Além disso, essa perspectiva permite adaptar com maior precisão as estratégias de intervenção no campo da terapia e da educação sexual.

      Desse modo, a distinção entre disposição ao risco e a execução de comportamentos de risco permite saber intervir antes que esses comportamentos sejam realizados, ou seja, otimizar os esforços no campo preventivo, para mais ser mais eficiente. . em intervenções sexológicas.

      Na mesma linha, o suporte dos dados disponíveis trabalhar com os pais na promoção da saúde sexual e reprodutiva, dado o papel emocional e regulador que desempenham.

      Portanto, incluindo os aspectos mencionados nos programas educacionais e de intervenção, o adolescente é estimulado a desenvolver as habilidades necessárias para lidar com situações de alta carga emocional e erótica, calibrando também a influência dos modelos internos de apego. . Isso contribui significativamente para o desenvolvimento de uma sexualidade adolescente mais positiva, satisfatória e menos arriscada.

      Autor: Borja Luque, psicóloga geral de saúde e terapeuta sexual da Vitaliza Psicologia de la Salud.

      Deixe um comentário