A estufa do viveiro: explicando a fertilização assistida aos pequenos

A estufa de mudas cresceu como uma muda que quer se abrir para a luz. Há alguns anos, durante uma intervenção terapêutica com uma família pedindo conselhos para explicar às filhas como sua fecundação aconteceu graças a um óvulo doado, os pais pediram conselhos sobre como elaborar e transmitir essa história vital e decisiva para suas filhas e para si; desse encontro nasceu o primeiro projeto.

Os pais sentiam e acreditavam na importância de suas filhas se desenvolverem com um relato de como seu processo de gestação se desenrolou. Este processo foi moldado, esculpido pelas dificuldades e pela vontade que os levou, cheios de entusiasmo, a formar uma família para além do casal.

Mais tarde, essa primeira epidemia foi desenvolvida no livro ilustrado El invernadero semillero.

O processo criativo por trás do livro

No livro de imagens, eu queria pegá-lo os conflitos e respostas que outras famílias me expressaramalguns pais solteiros e alguns pais não solteiros do mesmo sexo ou de sexo diferente.

Todas compartilham as dificuldades de conseguir uma gravidez e a luta para ter filhos tão esperados.

Tratar gravidez assistida e saber relacionar esse processo com crianças concebidas e nascidas por fertilização assistidaquaisquer que sejam suas modalidades, envolve conciliar cultura, medicina e biologia.

A gravidez tem um substrato biológico e uma implicação cultural e social que deve ser devidamente harmonizada e conjugada para que todos os membros desta sinfonia se sintam adequados e confortáveis, com a importância que tiveram dentro deste conjunto que uma família está a desenvolver. .

Novas famílias ligadas à fertilização assistida

A família começa muito antes dos filhos nascerem; fecunda quando a sonhamos, quando a ela aspiramos, quando começamos a nos projetar como mãe e como pai. Este sonho ou ilusão pode ser esquecido durante todo o procedimento médico da gravidez.

A estufa de mudas tem como objetivo recupere essa ilusão primeiro que leva a embarcar na jornada da fertilização assistida e tenta explicar o processo a partir das conotações com a botânica, cobrando de beleza e aconchego um procedimento que pode ser estressante e asséptico. Através das belas ilustrações do Seminário Zuzene, procuramos tornar presente o encanto da natureza e cobrir e harmonizar toda a narrativa.

Os tempos mudam, as pessoas mudam

Cerca de 30.000 bebês nascem todos os anos por meio de reprodução assistida na Espanha; Como podemos ver, mais e mais famílias estão se voltando para a reprodução assistida.

Não podemos ignorar como a fertilização, a gravidez e a família evoluíram e mudaram. Conciliar cultura, biologia, ciência e tecnologia pode ser extremamente difícil. Atualmente, todos eles, em particular os biológicos, tecnológicos e culturais, determinam e condicionam os nossos comportamentos e as emoções e crenças que os acompanham. Integrar o movimento incessante de emoções, dúvidas, sensações (principalmente nas mulheres, mediadas e amplificadas por todo o processo hormonal) não é fácil.

Por outro lado, o momento de nossa fertilização, gravidez, ambiente uterino e nascimento são provavelmente um dos eventos mais importantes em nossas vidas e influenciam nosso desenvolvimento e identidade além do que suspeitamos. E claro deixam uma grande marca emocional na mãe e na família. Cuidar desses aspectos me pareceu muito importante.

Quais são os objetivos deste livro?

Este livro tenta responder a cada uma de suas perguntas: Como você sabe como eles foram concebidos, como eles foram fertilizados, qual é a sua genética? Contar essa história, que faz parte da história familiar, pode envolver tocar feridas que ainda não cicatrizaram; apenas dizer isso pode ajudar a desligá-lo ou ajudá-los a perceber isso e dar a atenção que merece.

Qualquer história sobre a fertilização de nossos filhos, seja ela qual for, deveria fazer parte de suas histórias, suas primeiras lembranças desde seu nascimento. Sua abordagem natural e espontânea deve fazer parte da vida cotidiana.

Que a história de como eles foram sonhados, engravidados, nascidos e cuidados é apropriado para a idade e ciclos de amadurecimento. Além disso, no livro que propomos destacar o desejo, a ilusão e a componente emocional que acompanhou todo o processo. Toda criança precisa se sentir especial e ouvir que sua chegada ao útero foi única e cheia de amor.

Por que essa história e destacar esses aspectos?

Porque poder colocar palavras na sua história (e a sua história começa antes de você nascer), quando os pais e/ou mães começaram a sonhar com o filho que queriam, nos ajuda a poder viajar ao longo do nosso ciclo de vida, a considerar nós mesmos protagonistas de toda a nossa vida. E como não, ajuda a entender nossos primórdiostão decisivo em nosso desenvolvimento.

Se essa história é contada, ela também participa da construção de uma história em que se coloca em palavras a emoção vivenciada pelos pais; e não esqueçamos que, portanto, ela é percebida por seus filhos. Contribuímos para que, sejam quais forem as dificuldades encontradas na jornada, os estados que a acompanharam possam ser digeridos e compreendidos.

Convido você a ler não apenas as famílias que vivenciaram a fertilização assistida, mas também os educadores, professores e profissionais de saúde que acompanham esse processo.

Autor: Cristina Cortés Viniegra.

Deixe um comentário