7 erros comuns ao estabelecer limites para adolescentes

A adolescência é uma fase da vida em que são comuns as manifestações de rebeldia e desobediência à autoridade parental, e é por isso que em lares onde há filhos ou filhas nessas idades pode ser difícil estabelecer padrões.

Nessa direção, aqui veremos vários erros comuns ao estabelecer limites para adolescentesveja também uma explicação de por que é aconselhável evitar essas situações ao aplicar estratégias parentais e educacionais em casa.


    7 erros comuns dos pais ao estabelecer limites para adolescentes

    É claro que ninguém nasce sabendo quais são as melhores estratégias para criar um filho adolescente e esse aspecto da vida é muito complexo para não errarmos de vez em quando; não há nada de errado em não ser exatamente um pai ou mãe ultra-eficiente e perfeito em tudo o que é feito na frente dos mais novos da casa.

    Agora, é preciso ter em mente que a forma como as pessoas estabelecem limites e regras para regular o comportamento dos adolescentes é um aspecto fundamental da paternidade, e evitar alguns erros comuns pode ter um impacto muito positivo na convivência e no desenvolvimento psicológico, mesmo a curto e médio prazo . Vamos ver o que eles são.

    1. Estabeleça regras muito abstratas

    Este é talvez o erro mais comum. Estabelecer regras muito ambíguas e abstratas, como “comporte-se bem com seu irmão”, deixa margem para que problemas continuem ocorrendo, pois não há referência sobre os limites a serem respeitados nessa regra e, diante da falta de informação, cada um adota a interpretação que mais lhe convém.

      2. Estabeleça regras que sejam na verdade sermões

      As regras devem ser relativamente curtas e fáceis de expressar em poucas palavras, uma vez que, caso contrário, eles esquecem. É importante distinguir entre a regra em si e a explicação que a envolve, o que nos leva ao próximo erro comum ao estabelecer limites.

      3. Não explicar o que as regras significam

      As regras precisam ser apoiadas por um argumento sobre por que elas existem, caso contrário serão vistas simplesmente como uma imposição e demonstração de poder por parte dos adultos. Isto por sua vez, predispõe o adolescente a se rebelar contra essas tentativas de impor regras aparentemente arbitrárias.

        4. Não explicar o motivo das punições

        As punições, que nunca devem ser físicas ou baseadas em violência, devem sempre ser acompanhadas de uma explicação de sua finalidade; ou seja, por que o adolescente se comportou mal e quais são as consequências desses comportamentos inadequados. Nesse caminho, a outra pessoa vai entender melhor o nosso ponto de vista.

        5. Não ser consistente

        Uma regra que não é aplicada é, na prática, uma regra que não existe. Por isso é essencial que sejamos realistas em pensar quais serão essas regras a serem respeitadas, evitando torná-las muito fáceis ou muito difíceis, e que, se isso acontecer, acabaremos jogando a toalha tentando aplicá-las por o desconforto de ter que punir ou criticar constantemente o comportamento do adolescente. Da mesma forma, a punição não deve ser exagerada porque, entre outras coisas, no momento de aplicá-lo, não nos sentiremos à vontade com ele e vamos agir como se nada tivesse acontecido.

          6. Não liderar pelo exemplo

          Enquanto algumas regras só fazem sentido quando se aplicam a menores, outras fazem sentido para todos os membros da família; e é importante dar o exemplo em relação a este último tipo de regra a ser respeitada. Isso significa fazer um esforço para não se desviar dessas diretrizes de conduta e, caso cometamos um erro e os quebremos, mostre que estamos cientes de que erramos. Dessa forma, não avaliaremos esses padrões e, ao mesmo tempo, garantiremos que sua conquista esteja associada à ideia de ser uma pessoa madura e adulta na mente do adolescente.

          7. Transforme críticas em brigas

          Não se deve presumir que cada vez que aplicarmos as regras quando encontrarmos violações, haverá uma briga para ver quem está certo. Nosso papel nessas situações é antes informar e apoiar o possível problema que gerou esse mau comportamento; as regras, uma vez que as tenhamos em vigor, são estranhas para nós, e ao se comportar de acordo, é importante adotar uma atitude construtiva e crítica às ações, não à pessoa.

            Gostaria de beneficiar de apoio psicológico profissional?

            Se você precisar de suporte profissional para questões como estresse ou problemas parentais com adolescentes em casa, convido você a entrar em contato comigo.

            Meu número é Tomás Santa Cecília e sou psicóloga especializada em intervenção baseada no modelo cognitivo-comportamental; Atendo adultos, adolescentes e famílias tanto pessoalmente em meu escritório localizado em Madri quanto por meio de sessões de videochamada.

            Referências bibliográficas

            • Aguirre, A. (2009) Psicologia da adolescência. Madri: Marcobo.
            • Roberts et ai. (2006). Padrões de mudança de nível médio em traços de personalidade ao longo da vida: uma meta-análise de estudos longitudinais. Boletim Psicológico 132 (1): 1-25.
            • Kimmel, DC e Weiner, IB (1998). Adolescência: uma transição de desenvolvimento. Barcelona: Ariel.
            • Suripatty, L. (2021). A importância do estilo de liderança assertivo no desenvolvimento organizacional escolar. International Journal of Research-Based Education, 3(1), 8-13.

            Deixe um comentário