15 valores familiares que você pode ensinar aos seus filhos

As pessoas adquirem modelos de comportamento à medida que envelhecemos. Estes não são adquiridos por magia: alguém tem que nos ensinar a assimilá-los ao nosso código moral.

Os valores são necessários para que nossos filhos, como adultos, sejam pessoas socialmente adaptadas e possam ter uma vida feliz e realizar tudo o que fazem.

Abaixo veremos uma seleção dos 15 valores familiares que você pode ensinar a seus filhosTodos eles são essenciais para criar filhos que tenham relacionamentos saudáveis ​​com outras pessoas.

Valores familiares nos quais educar seus filhos

Para que os adultos se adaptem bem à sociedade, as crianças devem integrar seu crescimento a padrões éticos que os ajudem a viver juntos e a moldar sua personalidade. Esses padrões éticos não são adquiridos apenas como consequência natural de seu desenvolvimento biológico.: Seus pais, como principais figuras sociais, são os adultos que incutiram esses padrões éticos nas crianças. É, sem dúvida, a educação nos valores de nossos filhos uma das estratégias mais importantes em sua aprendizagem.

No entanto, o que exatamente queremos dizer quando falamos sobre “valores”? Poderíamos defini-los como aqueles princípios que nos permitem guiar nosso comportamento com o objetivo de nos realizarmos como pessoas, que nos orientam na formulação e alcance de objetivos e metas, tanto individual quanto socialmente.

Os valores não são ensinados dizendo o que são, mas comportando-se de forma consistente com eles, ou seja, os pais precisam ser modelos para esses padrões éticos para que seus filhos possam aprendê-los. É muito mais importante ensinar fazendo do que dizendo e, portanto, os pais devem mostrar-lhes em todas as situações que é uma oportunidade de colocá-los em prática.

Poderíamos ainda citar centenas de valores que os mais pequenos devem adquirir, aqui vamos descobrir os 15 valores familiares que podes ensinar aos teus filhos mais importantes, que em cada casa, os pequenos não devem faltar ao empenho do lar. para acabar adquirindo.

1. Responsabilidade

A responsabilidade é um dos valores mais importantes que as crianças devem aprender desde cedo. Envolve perceber que suas ações terão consequências, boas e más, e é por isso que eles devem ser responsabilizados por suas ações..

Uma boa forma de transmitir esse valor é os pais cumprirem suas obrigações, com o que se espera deles, além de envolver os filhos nessas tarefas.

A responsabilidade também se ensina por meio do castigo, sempre que for necessário e não houver outra opção. Se a criança não completou uma tarefa ou algo que prometeu fazer, para saber que suas ações têm consequências, ela terá que aplicar algum tipo de sanção.

2. Generosidade

Todo pai, irmão, tio ou membro da família que tem um filho na família sabe que os pequenos tendem a ser egoístas. Não querem dividir os brinquedos, não deixam a mãe cuidar dos outros irmãos, não querem dar a sacola de bombons para o primo … São muitas as situações em que o egoísmo infantil fica no caminho. se manifesta. Não é culpa deles, são apenas crianças e uma certa falta de generosidade é aceita em certas idades.

O problema é que se não forem inculcados com o valor da generosidade, mais cedo ou mais tarde se tornarão crianças extremamente egoístas e egocêntricas, que, como adultos, não se importarão em nada com as necessidades dos outros nem compartilharão seus pertences. Aprendendo a ser generosos, evitamos conflitos de todos os tiposAlém de tornar as crianças mais propensas a compartilhar sem esperar nada em troca, incentiva comportamentos pró-sociais, tornando outras crianças também generosas com elas e se tornando melhores amigas.

3. Compromisso

Compromisso é um valor intimamente relacionado à responsabilidade, embora não seja exatamente o mesmo. Podemos defini-lo como estabeleça metas e tente alcançá-las a longo prazo. Esse valor é especialmente útil academicamente, pois a criança fará o melhor para tirar boas notas, concluir os projetos de classe ou ter um bom relacionamento com os colegas se estiver comprometida com os pais.

O compromisso também é importante nas relações sociais. Em todo relacionamento, ambas as partes devem estar comprometidas em respeitar, valorizar a outra parte e dar o melhor de si. Desta forma, as crianças assumem o compromisso com os amigos de não os deixar para trás, caso tenham algum problema, de estar presente de qualquer forma, para ir ao seu aniversário ou de os convidar para um jogo de futebol. Compromisso é um valor claramente pró-social.

4. Tolerância

Para o bem ou para o mal, nossa sociedade está globalizada. Um dos aspectos positivos desta globalização é o contato de uma infinidade de etnias, culturas e religiões que estão tentando coexistir em harmonia na mesma sociedade. O contato pode levar ao conflito se se comportar mal, razão pela qual a tolerância se tornou um valor fundamental em nossa época.

Aceitar que todos têm sua própria identidade, língua materna, cultura, ideias, orientação sexual, gênero e outros aspectos totalmente válidos é uma forma de reduzir esse conflito potencial. Para criar uma sociedade sem preconceitos e na qual as tensões não sejam geradas por coisas que não podemos mudar, é um imperativo social ensinar tolerância aos mais pequenos. Com ele, mostramos a eles que todos têm uma identidade, e que essas identidades são iguais em direitos e respeito.

5. Humildade

Antes do início das aulas, as crianças passam a maior parte do dia com os pais ou avós, recebendo todos os tipos de elogios pelo que estão fazendo e parando de fazer. Não é à toa que em muitos casos são considerados os melhores, que ninguém mais os possa comparar. Contudo, mal no jardim de infância ou na escola, eles descobrem que há mais crianças como eles neste mundo, E também lhes foi dito que eles eram os melhores. Sua bolha, na qual acreditávamos melhor, acaba de explodir.

Isso gera conflitos, poderíamos até dizer que eles estão passando por uma pequena crise de identidade, mesmo que seja resolvida com bastante rapidez. Os pais devem ensinar aos filhos que eles têm suas coisas boas e ruins, que ninguém é perfeito e que eles devem ser humildes. Cada um tem seus pontos fortes e fracos. Temos que ter orgulho do que sai e tentar melhorar o que é necessário. Você também deve saber ver o que há de bom nos outros e valorizá-lo.

6. Gratidão

As coisas, sejam materiais ou não, não são gratuitas. Tudo tem um custo, tanto em termos econômicos quanto em tempo e esforço. O amor de um pai é um verdadeiro investimento de muitos recursos e os filhos devem saber valorizar e ser gratos por isso. Devem valorizar os esforços dos outros para ter tudo o que têm, assim como os adultos e outras crianças devem agradecê-los pelas coisas boas que fazem por eles.

A melhor maneira de ensinar o valor da gratidão em casa é os pais e irmãos mais velhos praticá-la. Existem muitos pequenos gestos e ações que podem ser feitos para mostrar gratidão, Como agradecer a quem fez a comida, dar uma massagem na mamãe depois do trabalho, limpar a casa como um agradecimento pelas compras …

7. Honestidade

A honestidade ou sinceridade é um dos valores mais essenciais da nossa empresa. Está muito relacionado com a humildade, embora a sinceridade seja a verdade, não mentindo ou mudando os fatos como eles são. Sem honestidade, ninguém pode amadurecer ou entender que ninguém é perfeito, assim como acontece com a humildade.

Embora isso acabe sendo um valor aprendido ao longo do tempo, não é incomum para encontrar adultos que não o tenham internalizado muito. Por isso é tão importante que os pais cuidem de ensinar os mais pequenos, explicando porque mentir é errado, porque não só machuca os outros, mas também eles próprios correm o risco de serem prejudicados pelo efeito de suas próprias mentiras.

8. Empatia

Cada um tem seus próprios sentimentos, desejos, necessidades e objetivos a atingir, ideia fundamental que, se não for assimilada, não nos permitirá viver em sociedade. A empatia é um valor que deve ser adquirido para compreender esta realidade, aprendendo a não fazer aos outros coisas que não fazemos nós, gostaria que fizessem connosco.

Embora seja verdade que a empatia se desenvolve conforme a pessoa cresce, o ambiente mais próximo da criança deve ser estimulado.. Os pais podem demonstrar isso prestando atenção aos filhos quando estão tristes ou com raiva, perguntando o que há de errado com eles e demonstrando interesse em seu bem-estar. Assim, os filhos verão que os pais os ouvem e, com o tempo, desenvolverão a habilidade de escuta ativa, essencial para o desenvolvimento de uma boa empatia.

9. Autoestima

A humildade é um valor fundamental, que nos ensina que socialmente não somos os mais perfeitos nem os melhores do mundo.

Contudo, Uma coisa é entender que não somos os melhores em tudo e outra é pensar que não merecemos nos respeitar ou nos valorizar. É por isso que, para evitar que as crianças caiam nesse extremo desagradável, elas aprendem o valor da auto-estima.

As crianças devem aprender a valorizar-se e a não permitir que ninguém pise nelas. Esse valor é usado para educar a empatia, aprendendo o que eles não gostam de fazer e o que não devem consentir em qualquer contexto que estejam fazendo.

O elogio é uma boa ferramenta para construir a auto-estima, desde que seja usado de maneira adequada.. A bajulação não deve ser abusada, usada apenas quando a criança fez algo extraordinário ou muito bom, como tirar um notável, compartilhar com outros, lavar a louça …

10. Amizade

A amizade é fundamental em qualquer idade, mas essencial na primeira infância. Uma criança que não tem bons amigos no jardim de infância ou nos primeiros anos do ensino fundamental pode ser uma criança que acaba vivendo isolada à medida que cresce, especialmente na adolescência.

Ter amigos é essencial para poder se comunicar adequadamente, bem como para ter mais apoio fora da família.

A amizade só pode ser desenvolvida como um valor em pessoa, ou pelo menos por meio do contato contínuo com outras pessoas. Não se trata apenas de adicionar um amigo no Facebook ou Instagram, é sobre compartilhar experiências, apoiar e ser apoiado, convidar aniversários, compartilhar e sentir que outro ser humano nos valoriza. Quem tem um bom amigo tem um tesouro.

11. Otimismo

A vida não é um caminho de rosas, mas olhar para ela com bons olhos pode nos ajudar a superá-la corretamente.. Ensinar os mais pequenos a viver com entusiasmo e otimismo, procurando sempre encontrar o lado bom e superar os contratempos é um valor fundamental para o seu desenvolvimento.

O otimismo é o combustível que alimenta a realização, a auto-estima, a felicidade e o sucesso. Isso é o que nos ensina que nem sempre haverá bons momentos, mas que sempre acabarão sendo superados e que enfrentando as dificuldades com teimosia e bom rosto é possível superá-las mais rapidamente.

12. Paciência

Paciência é talvez o valor mais difícil de ensinar às crianças. Do pequeno han aprender a adiar gratificações, a entender que não dá para ter tudo na hora e que em muitas ocasiões terão que esperar um pouco para obter o tão esperado preço. Isso pode ser aperfeiçoado com o experimento clássico do marshmallow, embora também possa ser ensinado ensinando-lhes que, se forem pacientes, alcançarão mais do que pretendiam originalmente.

Por exemplo, se nosso filho quiser jogar videogame durante todo o fim de semana, podemos dizer que ele só vai conseguir se durante a semana deixar o console de lado e começar a estudar. Se ele for bem-sucedido, ele poderá passar o tempo que quiser com suas partidas chegando no sábado, caso contrário, o tempo será limitado. Desta forma, a criança aprenderá a controlar suas ansiedades de brincar, aprenda que é melhor esperar e obter o grande prêmio em vez de obter pequenas satisfações imediatas.

13. Esforço

Em um momento em que o imediatismo e a facilidade são mais procurados, parece que a cultura do esforço está morrendo. O esforço desaparecerá, mas a demanda por esforço não. O esforço continuará a ser um valor necessário para o sucesso na vida.

É por isso que devemos incutir em nossos filhos a cultura do esforço, aprenda que as coisas não serão feitas apenas sentando em uma cadeira e esperando que as oportunidades caiam do céu. Se quiserem aprender um idioma, dominar um esporte ou saber tocar um instrumento, terão que ser impacientes e passar muitas horas treinando. Eles ignoraram os slogans vistos nas redes como “aprenda a tocar violão em uma semana sem esforço!”. Surpresa: eles não funcionam.

14. Caráter

Podemos nos surpreender em dizer que o caráter é um valor. Caráter é algo que muitos vêem como imutável e estático, o mesmo ao longo da vida de uma criança. Há uma crença generalizada de que isso é algo que temos que resolver no nascimento: se é bom, é muito bom e se é ruim, é sentido. Personalidade e caráter podem mudar e, com eles, valores e sistema de crenças.

Obviamente, as crianças não são pranchas rasas. Eles têm uma personalidade, um caráter que assume as características do pai e da mãe. A educação é a variável ambiental que nos permite modelar a aparência de uma pessoa, por isso é tão importante. Ensinando hábitos, repetindo-os, avaliando-os e vendo como funcionam bem, podemos fortalecer o caráter dos pequeninos.

15. Felicidade

A felicidade é o valor e o sentimento que deve ser nutrido em cada criança. Afinal, todo bom pai deseja que seus filhos sejam felizes. A felicidade não deve ser entendida como sinônimo de alegria em todos os momentos, Mas estar contente em ser quem somos, com o que temos, com tudo o que realizamos em nossas vidas. Ou seja, é um valor que se alimenta e, ao mesmo tempo, se alimenta dos outros valores que explicamos.

A felicidade é a consequência de termos nos empenhado num projeto, de ter nos comprometido com ele, de ter sido paciente e de nunca desistir, de sempre ter uma boa aparência. É a conseqüência de ter um bom sistema de valores, de aplicá-los no dia a dia.

Referências bibliográficas:

  • Alvarez, A.; Alvarez, MA; Cañas, A.; Jimenez, S.; Small, MJ (1990). Desenvolvimento de habilidades sociais em crianças de 3 a 6 anos (Guia prático para pais e professores). Madrid: visualizador de aprendizagem.
  • Buxarrais, MR; Martinez, M.; Puig, JM; Trilla, J. (1995). Educação moral no nível primário e secundário. Madrid: MEC / Edelvives.
  • Buxarrais, MR (1997). Formação de professores em educação em valores. Bilbao: Desclée De Brouwer.
  • Casals, E.; Defis, O. (Coord.) (2000; 2ª ed.). Educação e valores da primeira infância. Bilbao: Desclée De Brouwer.
  • De l’Carme, M.; Aguilar, A.; Rodriguez, I.; González, P.; González, MJ; Infants, MR (1995). Programa de educação de valores para crianças. Málaga: Aljub.
  • Domínguez, G. (1996). Valores na educação infantil. Madrid: o muro.
  • García Moriyón, F. (Ed.) (1998). Crescimento moral e filosofia para crianças. Bilbao: Desclée De Brouwer.
  • Martinez, M.; Puig, JM (Coord.) (1991). Educação moral. Perspectivas futuras e técnicas de trabalho. Barcelona: ICE / Graó.
  • Martinez, M. (1998). O contrato moral com os professores. Condições para uma nova escola. Bilbao: Desclée De Brouwer.
  • Masnou, F. (1991). Educação para a convivência. Vic: Editorial Eumo.
  • Michelson, L. et al. (1987). Habilidades sociais na infância. Avaliação e tratamento. Barcelona: Martínez Roca.
  • Payà, M. (1997). Educação em valores para uma sociedade aberta e plural. Abordagem conceitual. Bilbao: Desclée De Brouwer.
  • Puig, JM; Martinez, M. (1989). Educação moral e democracia. Barcelona: Laertes.

Deixe um comentário