10 dinâmicas de grupo para adolescentes e jovens

Quanto mais jovem você é, mais tímido você é. Muitos adolescentes têm dificuldade em interagir com outras pessoas, seja por falta de assertividade, auto-estima ou autoconfiança.

Por esse motivo, a introdução de atividades na sala de aula ou em outros ambientes de grupo que ajudem a se conectar e aprender fazendo isso pode ser uma ferramenta muito útil para professores e outros profissionais relevantes.


Neste artigo vamos ver algumas dinâmicas de grupo para jovens e adolescentes, Classificado de acordo com a situação e explicado em detalhes.

    Como aumentar a dinâmica do grupo?

    Antes de entrar em detalhes e ver alguns exemplos, deve-se ressaltar que deve-se ter em mente que cada grupo é um mundo. Por isso, antes de escolher uma dinâmica de grupo, é necessário saber quem são as pessoas a quem se dirige a atividade e qual o objetivo que se busca com ela.

    Por exemplo, uma mesma dinâmica pode variar em eficácia dependendo se se propõe fazê-la no início do curso, no meio ou no final. Não faz sentido fazer uma apresentação dinâmica dos membros do grupo quando a aula está prestes a terminar. Também não faria sentido testar uma dinâmica para avaliar a confiança dos membros do grupo se se sabe de antemão que houve conflitos e tensões.

    Tipos de dinâmica para jovens

    Aqui veremos várias dinâmicas de grupo pensadas para os mais novos, explicadas e com exemplos

    Dinâmica de apresentação

    Essas dinâmicas são especialmente recomendadas para grupos recém-formados.

    1. Pessoa para pessoa

    Dois círculos são formados com o mesmo número de pessoas. O círculo interno olha para fora e de fora para fora.

    É muito importante que haja o mesmo número de pessoas em ambos os círculos, uma vez que os pares se formarão. As pessoas que estiverem cara a cara devem se apresentar, conforme sugerido pelo animador.

    Quando o facilitador diz “pessoa a pessoa”, um dos dois círculos deve mover-se um lugar para a direita. Assim, os pares são modificados e reaparecem de acordo com as regras pré-estabelecidas.

    O objetivo principal desta dinâmica, ideal para quando um ano escolar ou disciplina extracurricular começou, Será que todos se conhecem, sabem os nomes e conhecem alguns hobbies de seus pares.

    Uma recomendação é que caso os participantes sejam estranhos, o próprio facilitador da dinâmica seja incorporado como participante adicional.

    2. Nós vamos para uma festa

    Essa dinâmica, além de facilitar o conhecimento dos integrantes, possibilita testar a memória.

    Um círculo se forma e um dos membros começa diga em voz alta o nome dele e o que seria levado para uma festa imaginária. Em seguida, o integrante do grupo se apresenta e diz o que traria para a festa, além de repetir o nome e o que o anterior lhe disse.

      Dinâmico para gerar distensão

      Essas dinâmicas para os jovens são ideal para criar um ambiente descontraído para fortalecer os laços.

      1. Rostos sérios

      Duas filas são formadas com o mesmo número de membros, olhando um para o outro. Todos eles fazem caretas sérias no início, mas são livres para fazer qualquer gesto ou careta ou até mesmo contar uma piada.

      O objetivo desta dinâmica é fazer um membro da fileira oposta rir, Gere uma situação informal e divertida.

      2. Medos e esperanças

      Cada participante deve escrever seus medos e esperanças sobre algo que experimentou em um pedaço de papel. O facilitador dinâmico convidará os jovens a dizerem o que sublinharam em suas comunicações.

      O esperado é que no início quase ninguém queira. É por isso que o energizador preste atenção ao membro do grupo que é mais assertivo, sugira que ele seja o primeiro a falar. Depois de fazer isso, é mais provável que outras pessoas queiram comentar sobre o que você destacou.

      O facilitador dinâmico escreverá o que os jovens comentarão no quadro. Depois de falarem, as emoções mais discutidas serão marcadas e discutidas.

      Dinâmica de trabalho e comunicação de conflitos

      Várias atividades para trabalhar as habilidades de comunicação.

      1. Faça o pedido

      No terreno, duas linhas paralelas serão traçadas e separadas por uma curta distância, mas suficiente para alinhar os participantes. Os membros do grupo não poderão sair dessas duas linhas. O líder da tarefa dirá em voz alta um critério com o qual os participantes terão que colocar alguma ordem, como a data de nascimento, a altura, a cor das roupas formando um arco-íris …

      Assim que tiverem sucesso, será discutido como o fizeram. Se falassem para saber ou discutir qual deveria ser a ordem, como conseguiam trocar de lugar sem sair da linha ou incomodar um ao outro …

      2. O submarino

      Embora esta seja uma dinâmica mais usada para crianças, a verdade é que adolescentes e jovens adultos podem achar divertido.

      Os companheiros são colocados em diferentes partes da sala, de pé e separados por pelo menos um metro um do outro, e serão as minas subaquáticas. Uma pessoa vai andar pela sala com os olhos vendados e deve passar de uma extremidade à outra da sala sem bater, agindo como um submarino.

      A ideia é que se o submarino se aproximar de uma mina subaquática, a mina terá que dizer “pinheiro, pinheiro, pinheiro” para evitar que colida.

      É uma dinâmica muito boa em caso de conflito. A razão é que se houver um conflito entre os membros do grupo, eles terão que interagir uns com os outros de qualquer maneira para evitar colisões e sair gravemente feridos.

      Dinâmica de pensamento de grupo e criatividade coletiva

      Esses são exercícios para encontrar soluções criativas para um problema.

      1. Descreva uma paisagem

      Os participantes serão colocados em um círculo. Ele vai começar um, dando três características básicas de uma paisagem visualizada. O próximo terá que fazer o mesmo, porém repita o que o primeiro disse, e assim por diante.

      Esta atividade estimula a criatividade e pode ser utilizada em qualquer idade, a única coisa a ter em conta é o nível de dificuldade.

      2. Estimule o pensamento crítico

      O facilitador faz perguntas relacionadas a aspectos éticos e morais, tais como: o que você faria se visse uma carteira a € 500? Qual figura histórica você acha que seria mais apropriada em nosso tempo? Como você agiria se visse alguém maltratando outra pessoa na rua?

      Os participantes, que podem ser divididos em grupos ou formar um grande círculo ao redor do facilitador, eles terão que pensar em uma resposta para a pergunta feita. O objetivo é que o debate flua, para que os membros do grupo dêem suas próprias opiniões e as esclareçam a cada vez que surgir uma nova reflexão. É muito importante que o facilitador não dê sua opinião ou influencie o que o grupo pensa.

      Dinâmica de cooperação

      Essas dinâmicas para os jovens são focado em promover a cooperação.

      1. Caça ao tesouro

      O energizador escondeu um tesouro em algum lugar. As equipes são formadas e devem tentar descobrir onde está o saque.

      Para torná-lo mais interessante, é recomendável assumir essa dinâmica na forma de uma gincana, coloque notas ou pistas para ativar a curiosidade e também fornecer dados para que os grupos pensem sobre onde está o que procuram.

      O objetivo é que graças ao trabalho em equipe eles conseguem encontrar o que o facilitador escondeu.

      2. Pontos comuns

      Os grupos são compostos por cerca de 5 ou 6 membros cada. Esses grupos precisarão fazer uma lista de cerca de 10 coisas que seus membros compartilham. Para evitar ir para o que é fácil, é estritamente proibido mencionar partes do corpo, roupas ou trabalho.

      Quando todos tiverem feito sua lista, eles devem ditá-la em voz alta ao facilitador, que a escreverá no quadro. Desta forma, será possível perceber mais claramente o que todo o grupo tem em comum e, a partir daí, abordar futuras atividades voltadas para interesses comuns.

      Referências bibliográficas:

      • Morales Pérez, A. (1999) Dinâmica de grupo: exercícios e técnicas para todas as idades. Madrid: San Pablo Publishing.
      • Vanman, EJ, Paul, BY, Ito, TA e Miller, N. (1997). A face moderna do preconceito e características estruturais que moderam o efeito da cooperação sobre o afeto. Journal of Personal and Social Psychology, 73 (5), páginas 994-959.

      Deixe um comentário