Que terapia um psicólogo deve usar para tratar a depressão?

Os transtornos depressivos estão entre as psicopatologias mais incapacitantes e têm o maior potencial de levar, nos casos mais graves, ao suicídio ou tentativa de suicídio.

Por esse motivo, há décadas pesquisas são realizadas sobre o que são. as técnicas e métodos de intervenção psicoterapêutica para ajudar pessoas que desenvolveram transtornos depressivos. Vejamos em que consistem.


    Quais são as principais características dos transtornos depressivos?

    Um aspecto fundamental para intervir psicologicamente em pacientes que sofrem de um transtorno depressivo é entender a lógica pela qual essas psicopatologias operam e as experiências frequentes que esse tipo de paciente costuma passar.

    Embora as experiências das pessoas com transtorno depressivo possam variar de indivíduo para indivíduo, essas são as principais características que podem ser encontradas nas alterações dessa classe.

    1. Tristeza geral

    O sentimento de tristeza intensa e generalizada em todas as áreas da vida de uma pessoa é uma das principais características compartilhadas por todos os transtornos depressivos e um dos sintomas que mais impactam no cotidiano de uma pessoa.

    Esse sentimento de tristeza geralmente tem níveis altos o suficiente para alterar completamente a vida diária da pessoasua relação com o meio ambiente e a atenção a todos os tipos de responsabilidades.

    A tristeza é muitas vezes acompanhada por uma vontade de chorar, um sentimento de vazio ou solidão, um sentimento de inutilidade ou culpa e pensamentos muito catastróficos sobre o futuro. Agora, principalmente nos casos mais graves, a tristeza pode ser substituída pelo que veremos a seguir.

      2. Falta de interesse e nivelamento emocional

      A diminuição gradual do interesse das pessoas deprimidas pelo que a vida pode lhes oferecer resulta em uma atitude de indiferença e problemas sentindo prazer ou satisfação antes de qualquer coisa; da mesma forma, também é comum que essa limitação do leque de emoções deixe a pessoa um pouco triste, mas expressa um sentimento no limbo onde nada importa e em todo caso predomina o tédio e o desespero. Estes não são sintomas tão perceptíveis como tristeza ou mudanças repentinas de humor, por isso muitos desses casos passam despercebidos.

      A pessoa que sofre de depressão gradualmente começará a mostrar menos vontade de fazer tudo o que fazia antes do transtorno: praticar esportes ou sair com os amigos, ir ao cinema ou praticar seu passatempo favorito.

      Tanto a falta de interesse pelo mundo ao redor da pessoa com depressão quanto a tristeza generalizada mencionada acima muitas vezes impedem a pessoa de realizar as atividades diárias mais básicas, como levantar, tomar banho, comer, ir ao banheiro, etc. trabalhar.

        3. Fadiga

        Fadiga e perda de energia também podem estar associadas a um caso de transtorno depressivo, devido à o sentimento de vazio existente na pessoa e a perda de incentivos vitais que podem nos motivar.

        Além disso, as pessoas com depressão costumam diminuir sua atividade física, bem como seus níveis de eficiência no trabalho e produtividade.

        4. Desespero

        Desespero e pensamentos negativos ou perturbadores são o pão de cada dia de muitas pessoas com depressão que interpretam sua existência como um poço sem fundo no qual não há esperança ou expectativa de felicidade.

        5. Baixa auto-estima

        A autoestima das pessoas com transtornos depressivos é um dos aspectos mais afetados por esse transtorno, e com maior capacidade de fazer com que o transtorno se reforce.

        A depressão afeta decisivamente a percepção que a pessoa tem de si mesmaa ponto de ser percebido como incapaz ou inútil para realizar qualquer atividade, ou para estabelecer uma relação positiva com qualquer pessoa.

        6. Ideação suicida

        O conjunto de sintomas relacionados à depressão acaba promovendo sentimentos muito negativos na pessoa, e nos casos mais graves, pensamentos suicidas, especialmente em pessoas que se sentem sozinhas e desamparadas.

        Em muitos casos, a pessoa pode verbalizar ou comunicar esse tipo de ideação e intenções suicidas a um ente querido.

        7. Problemas de concentração

        As principais alterações cognitivas vivenciadas por pessoas que sofrem de depressão são diminuição da atenção no trabalhoe às vezes também a capacidade de recordar conteúdos relacionados à memória de curto prazo.

        Além disso, a capacidade de tomar decisões em qualquer área da vida, tanto pessoal quanto profissional, também é diminuída.

        8. Irritabilidade

        Irritabilidade, mudanças repentinas de humor e mau humor geral também podem indicar que estamos lidando com um caso de transtorno depressivo, especialmente se ocorrer em pessoas que anteriormente se comportavam de maneira totalmente diferente.

        Da mesma forma e nos casos mais graves de depressão, a raiva excessiva ou mesmo a raiva também é mais frequente. reações violentas desencadeadas pela frustração.

          9. Tendência ao isolamento

          Isolamento social auto-imposto e evitação progressiva de atividades sociais com amigos, colegas ou parentes também são um sinal de que pode existir um caso de depressão.

          Isso acontece porque a pessoa deprimida reduz cada vez mais suas atividades sociais e se fecha em casa, fazendo com que seus sintomas depressivos aumentem devido à falta de estímulos e fontes de motivação que predispõem a pessoa a se envolver em projetos emocionantes e significativos. Atividades.

          10. Mudando os hábitos alimentares

          Mudanças de humor psicopatológicas geralmente afetam a forma como uma pessoa se relaciona com a comida, o que, por sua vez, pode desencadear o aparecimento de outros distúrbios.

          Algumas mudanças nos hábitos alimentares que as pessoas com transtornos depressivos podem experimentar eles variam de perda de apetite ao início de compulsão alimentar.

          É por isso que a depressão geralmente está associada a uma redução drástica do peso corporal e a um aumento repentino dele.

          Quais estratégias psicoterapêuticas são eficazes para transtornos depressivos?

          Não existe uma forma única de psicoterapia que seja o único remédio para a depressão, entre outras coisas porque esta patologia é complexa e multicausal e apresenta várias frentes nas quais é necessário intervir. No entanto, quase todos os recursos terapêuticos utilizados em pacientes com esses transtornos vêm do tronco das terapias comportamentais e cognitivo-comportamentais, que nos últimos anos também deram origem às chamadas terapias de terceira geração.

          Nesse sentido, o principal formas de intervenção psicológica que demonstraram ajudar a superar um transtorno depressivo são as seguintes:

          • Ativação comportamental: Consiste em ajudar a pessoa a internalizar rotinas que lhe permitam envolver-se gradualmente nas atividades, restaurando sua capacidade de sentir motivação e interesse por meio de ações concretas.
          • Reestruturação cognitiva: um dos pilares da terapia cognitivo-comportamental consiste em ajudar a pessoa a questionar suas crenças e seus modos de pensar mais disfuncionais e que mantinham o transtorno e a erosão da autoestima.
          • Técnicas de gerenciamento de ansiedade: muitas vezes, os transtornos depressivos assumem a forma de padrões depressivos de ansiedade, então a pessoa deve ser ajudada a lidar com seus medos irracionais
          • Treinamento de habilidades sociais: ajuda as pessoas a obter apoio de amigos e familiares, promovendo uma comunicação assertiva, clara e respeitosa.
          • Psicoeducação e colaboração com a família: embora Embora não seja tecnicamente uma estratégia psicoterapêutica, informar o paciente e sua família os ajuda a ganhar autonomia e controlar o que está acontecendo.
          • Mindfulness: vários estudos indicam que a prática de exercícios de mindfulness é eficaz principalmente para evitar recaídas na depressão.

          Você quer treinar no tratamento de transtornos depressivos?

          Se você está pensando em se especializar na área de psicoterapia para esse tipo de psicopatologia, o Curso de Pós-Graduação em Transtornos Depressivos que oferece Escola Mediterrânea de Psicologia é perfeito para você

          Este programa de treinamento on-line de 500 horas é uma maneira eficaz e econômica de aprender os aspectos teóricos e práticos da intervenção em pessoas com transtornos como depressão maior, distimia, transtorno de desregulação do humor destrutivo e outras mudanças de humor com impacto na qualidade. vida da pessoa e de seus entes queridos.

          Tudo isso a partir de uma modalidade totalmente adaptada desde suas raízes ao aprendizado pela Internet, com acesso a materiais didáticos textuais e audiovisuais 24 horas por dia, 7 dias por semana e assistência técnica e por meio de tutoriais personalizados. Para saber mais, entre em contato com a equipe da Escuela Mediterránea de Psicología.

          Deixe um comentário